Pesquisar este blog

DESTAQUE

A CIÊNCIA DO ERRO | Sobre Verdades, Veracidade e Realidade Objetiva - Parte 1: Uma resposta a Marcelo Gleiser

A CIÊNCIA DO ERRO Sobre Verdades, Veracidade e Realidade Objetiva Parte 1:   Uma resposta a Marcelo Gleiser Dedicado ao me...

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Altos e Baixos



Desfrute os picos, tenha paciência com os vales, aprenda sempre, e continue em movimento; mesmo sabendo que não vamos à parte alguma... Somente para curtir o passeio... 


Carlos Sherman

terça-feira, 29 de maio de 2012

terça-feira, 15 de maio de 2012

Fé Cega = Pleonasmo




A fé, não explica nada, mas afasta boas perguntas; por medo... Fé é quando as respostas precedem as perguntas; por medo... O lucrativo negócio das crenças vive de 'incutir o medo para vender a salvação', e o resultado é a fé... Não existe de fato 'motivação na fé', ao contrário, estudos mostram que a fé excessiva produz tensão, na medida em que o crente não sabe ao certo se está atendendo às expectativas divinas... Tal quadro configura severos limites e problemas emocionais na vida de tais crentes... A Universidade de Durham chegou a relacionar a fé extrema com reduções no hipocampo e consequentemente sobre a capacidade de aprender...

Fé cega é pleonasmo...

Carlos Sherman

O Guia



Publicaram o post acima...

Comentei:

Concordo, entendo, mas não é tão simples assim... Este 'guia' pode te levar à missa, ao templo, e ao esoterismo... Não é uma simples questão de escolha... Não somos produto do meio, não existe o livre-arbítrio, e existem impulsões genéticas e neurofisiológicas para a crendice reinante... Mas  existem saídas, e tanto é que o número de crentes está diminuindo... Aqueles que - genética, neurológica e bioquimicamente - dependem do 'bando', da segurança do bando, estão nascendo em países majoritariamente ateus, e estão encontrando segurança em bandos céticos, na ciência, na medicina, na razão... Mas a tendência obsessiva que leva ao fervor não pode ser facilmente revertida, o que poderemos fazer é oferecer outro caminho... John Nash e Wellington Menezes compartilharam a esquizofrenia... Nash, de 'Uma Mente Brilhante' foi 'doutrinado' pela ciência, e dedicou sua obsessão à ela, ganhando o Nobel de Ciências Econômicas; isso enquanto fantasiava a vida com personagens da guerra fria... Menezes, doutrinado por um 'livro à morte' matou crianças em realengo, enquanto fantasiava o seu convívio com personagens bíblicos e ansiava por 'purificação'... 

Crentes são vítimas, insisto, os pregadores sobre o púlpito seus algozes; que de alguma forma também são resultantes de suas genética associada ao aprendizado e às experiências vividas... Talvez um pouco complexo de entender, duro de aceitar, mas ainda assim é a VERDADE... E a verdade não tem adjetivos...

Carlos Sherman

Planeta água?




Quanto do planeta Terra é feito de água? 

Na verdade, muito pouco. Embora os oceanos de água cubram cerca de 70 por cento da superfície da Terra, eles são rasos quando comparados ao raio da Terra. A ilustração acima mostra o que aconteceria se toda a água da superfície do planeta Terra ou logo abaixo dela fosse reunida numa bola. 

O raio desa bola seria de apenas 700 quilômetros, menos da metade do raio da Lua da Terra, mas ligeiramente maior que Reia, lua de Saturno que, como muitas luas em nosso Sistema Solar, é formada, em sua maioria, por gelo de água. 

Foto astronômica do dia: http://apod.astronomos.com.br/apod.php?lk=ap120515.html

Gosta de ciência? http://www.facebook.com/AmorACiencia

O DIA D - IMAGENS RARAS E INÉDITAS EM CORES (INCRÍVEL)

Ateus de Jeová




HÉLIO SCHWARTSMAN (No Jornal Folha de São Paulo de 15/05/2012)

Ateus de Jeová

SÃO PAULO - Jack Terpins, presidente do Congresso Judaico Latino-Americano, escreveu um texto (Folha, 10/5) em que corretamente criticava as novas modalidades de antissemitismo, mas acabou recaindo no mesmo tipo de preconceito que condenava ao incluir o ateísmo entre as novas faces da intolerância.

Afirmar que não existem provas da existência de Deus e sugerir que o fenômeno religioso pode não passar de uma exacerbação de certos vieses da mente humana, como fazemos os ateus, não implica tomar posição contra os judeus ou Israel.

Autoridades religiosas judaicas, porém, andam preocupadas com o avanço do secularismo em geral e do ateísmo em particular pela simples razão de que esses movimentos são particularmente fortes entre judeus.

Como diz Phil Zuckerman em "Invitation to the Sociology of Religion", os judeus talvez sejam o menos religioso dos grupos "religiosos" do mundo. Nos EUA, onde existem quase tantos judeus quanto em Israel, só 22% dizem que a religião é "muito importante" em suas vidas, contra uma média nacional de 60%. Os judeus americanos são a categoria que menos frequenta o templo, reza, crê na vida após a morte e considera que a Bíblia é a palavra de Deus.

Em Israel, oficialmente um Estado judaico, a situação não é muito diferente. O país aparece entre os 20 primeiros na lista de nações com maior proporção de ateus e agnósticos do mundo -entre 15% e 37%. Um trabalho de 1995 indicou que quase 50% da população se classificava como não religiosa ("lo dati", em hebraico), contra 20% de ortodoxos. É fato que estes, por contingências partidárias, têm um poder político desproporcional à demografia.

Para Zuckerman, faz mais sentido hoje classificar os judeus como grupo étnico do que como constituindo uma religião. Isso não resolve o problema dos rabinos, mas "salva" o judaísmo do ateísmo. Eu pelo menos me considero um bom judeu ateu.

helio@uol.com.br

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Qualquer maneira de amor vale à pena...



O Drauzio está certo mais uma vez... Mas o conceito de pecado é tremenda besteira, e apenas mais uma face da ignorância religiosa... Evidentemente existem escolhas sexuais que não decorrentes da genética, e este tema está bastante avançado, e de certa fora deixou o espectro do mistério para ser apenas complexo... Mas não precisamos entrar nessa linha, preferencia sexual é um assunto íntimo... Ninguém tem nada a ver com a intimidade e as escolhas individuais... Essa é uma questão de Direitos Individuais... 

Fazemos amor pelo prazer, e raramente para procriar, os padres e freiras nunca... E não pode haver nada mais contrário à natureza humana do que abolir o prazer... Em um mundo superpovoado, e ciente do valor do prazer, vivamos a nossa intimidade em liberdade... E se houverem condições de fato para abrigar, alimentar e amar uma criança, constituiremos famílias de humanos - demasiado humanos...

Buscamos testemunhas para nossas vidas finitas... 'Consideramos justa, toda forma de amor' - Lulú Santos...

Carlos Sherman

Aconteceu agora...



Publicaram esta belíssima e poética 'montagem'... E começou a procissão do proselitismo da auto-ajuda...


(...)
Lá pelas tantas escreveram:
- Porque a força de dentro é maior que todos os ventos contrários... 


E aplaudiram... 
- DIVINO...


E depois:
- FATO...


Comentei: 
- Fato? O único fato na imagem é tratar-se um montagem... Sobre a apologia da força interior, como seria? Seria uma impulsão Genética? 


Retorquiram: 
- Boa pergunta... A Física deve ter uma explicação convincente... 


Fechei: 
- Sim, isso se chama montagem fotográfica, e muito bem feita... Seguida de um aforismo de auto-ajuda... Seria inofensivo, se não fosse um engodo... Não recomendo... A realidade é maravilhosa, não precisamos de fantasias e sim poesia... E a realidade pressupõe a luta contra todos os ventos, mas sem vender milagres...


Quem havia retorquido curtiu a resposta, e fez-se um maravilhoso silêncio, para a serena contemplação da belíssima 'montagem'... 


Carlos Sherman

Grande Russell



Sobre um post com aforismos e pensamento do grande Bertrand Russell (1872-1970), comentei:

Grande Russell, sempre genial, mas nesta coletânea cometendo duas gafes, e que apontam diretamente para o mesmo grave equívoco... Lamento... Primeiro Russell diz "Penso que se deva admitir que os males do mundo são devidos (...)" e depois "Um homem retirado de um ambiente e posto subitamente em outro talvez (...)"... O grave equívoco foi pensar - durante boa parte de sua vida, e conforme o pensamento corrente de seu tempo, meio vitoriano, meio era da utopias sociológicas - que o homem era produto do meio... Esta ideia antiga, conhecida também como doutrina da tábula rasa, está completamente equivocada, e foi embalada pelo behaviorismo e pela engenharia sociológica na primeira metade do século XX... 

Mas, isso não diminui a minha admiração por Russell, e nem me impede de beber da fonte de onde emana o seu conhecimento, e aprender com a sua integridade intelectual... Assim como Russell Wallace, que terminou a vida tentando contato com os mortos, ou Darwin que declarou até o fim acreditar em um tipo de deísmo, Russell 'acreditou' na 'tábula rasa'... Este foi um grande empecilho em seu caminho... Lamento, mas é verdade... Este último, Darwin, foi ainda mais exemplar em não permitir que suas 'ditas' crenças interferissem em sua integridade intelectual, e finalmente em suas proposições científicas... Outros trilharam sendeiros similares como Galileu e Newton... 

Mas os homens livres de hoje dispõe de vertiginoso acervo de conhecimento cumulativo, devidamente submetido ao escrutínio da 'pensabilidade',  da epistemologia, e do método científico... Por isso, com a lição aprendida de Russell, mantenho-me em estado de vigília com respeito à integridade intelectual e avaliando sempre a minha 'pesabilidade'; e com as lições aprendidas também com os equívocos cometidos por grandes homens, mantenho-me afastado do culto à personalidade... A Integridade Intelectual exige que sejamos Iconoclastas...

Ético, logo Cético... 

Carlos Sherman

Um Convite à Mente


Dediquem-se à Astrofísica e à Evolução, mas estudem também - e concomitantemente - a mente humana... Entendam a mente humana, a mente que transforma os supostos 'mistérios' do Universo e da Vida em latente complexidade inteligível... Transformem também, pelo aprendizado, o mistério de vossas mentes em complexidade deliciosamente inteligível... Entendam a mente humana, entendam vossas mentes, entendam a mente dos que creem, a mente daqueles que incutem o medo para vender a salvação, entendam a mente daqueles que são livres - humanos, demasiado humanos...

Carlos Sherman

Gêmeos, intrigante semelhança...



Manchetes sensacionalistas como 'o gene para isso, o gene para aquilo', são particularmente um desserviço à Ciência... No entanto o estudo dos gêmeos idênticos criados separadamente, em comparação à gêmeos fraternos criados juntos não deixa dúvida, a personalidade de um ser humano está mais relacionada a seus genes do que ao meio... Modernamente, e entre vários sistemas de classificação, os psicólogos tendem a definir a personalidade em 'cinco dimensões', ou 'cinco grandes fatores', ou ainda ACEAN - (A)bertura, (C)onsciência, (E)xtroversão, (A)gradabilidade, (N)eurose... Obviamente é um resumo grosseiro, e temos classificações que chegam a elencar até 2.000 aspectos da personalidade, mas a ACEAN pode se tornar uma ferramenta classificatória interessante para os fins e limites deste post... A dimensão 'abertura' define a disponibilidade para o aprendizado, a abertura para testar novos caminhos, explorar novas fronteiras, sair do bando e dar uma voltinha pela floresta, rsrsrs, ou aferrar-se ao grupo, apegado à bandeiras, e preso em devoções... A 'consciência' mede o grau de reflexão, o racionalismo, moderação de conduta... A 'extroversão' define a nossa capacidade de exposição, a nossa reação à opinião dos demais, a auto-confiança... A 'agradabilidade' sugere o grau de cordialidade, empatia, a tendência ao altruísmo ou ao egoísmo, ou mesmos à relação simbiótica... Preferiria chamar esta componente de (S)ociabilidade, mas... E a dimensão da 'neurose' mede a nossa tendência à obsessão, manias, sistematismos... Em maior ou menor grau, todos temos as nossas neuroses... O termo tem sido associado à transtornos mentais, mas não é o caso aqui... Aqui, a dimensão da 'neurose' mediria o nosso grau de tensão orientada a algum fim; o fervor, mania, obsessão... Comportamentos sistemáticos ou irracionais, e que provocam tensão, estariam elencados nesta dimensão - mas sem o caráter patológico... As psicoses seriam então a face patológica das neuroses extremas, e receberiam outro tipo de atenção, uma vez que estão associadas a delírios, alucinações e crises... Quadros neuróticos extremos invadem o espectro das psicoses...

Por exemplo, você poderá ter a mente moderadamente aberta (A), ser um cara muto meticuloso (C), e no entanto medianamente extrovertido (E), individualista (S/A), e calmo ou neutro em termos de neuroses (N)... Ou pode ter a mente bem aberta, sem um cara desorganizado, muito introvertido, altruísta, e muito polêmico, do contra ou reativo... Pode ter a mente fechada, ser organizado, extrovertido, ambicioso e egoísta, e um religioso fervoroso, sendo que este seria um excelente perfil para um pastor da Igreja Universal, srsrs... Se fosse mais introvertido e afetuoso, quem sabe o Vaticano? Mas gracinhas à parte, o assunto é sério e o jogo é de campeonato...

Um pouco mais do que 40% da variabilidade em nossa personalidade depende diretamente de fatores genéticos, menos de 10% de experiências ambientas compartilhadas - família -, e 25% decorrem das experiência únicas - ou da cadeia de eventos de nossas vidas -, sendo os 25% restantes relativos à erros e imprecisão, até porque não existem fronteiras tangíveis e determinadas, demarcando a força de cada fator sobre a resultante do comportamento humano... Mas estes são bons parâmetros... 

Ou seja - e durma com esse barulho: a personalidade é quase tão herdável quando o peso corporal !!!

A correlação média para o peso entre dos irmãos quaisquer é de 34%, e entre pais e filhos é ainda mais baixa 26%... Quanto desta correlação esta relacionada com o meio compartilhado - alimentação, sedentariedade, cultura - e quanto está relacionada com a genética? Gêmeos idênticos compartilhando o mesmo meio tem correlação para o peso de 80%, enquanto gêmeos fraternos criados juntos tem somente 43%, o que responde a questão... Observem que os gêmeos idênticos tem quase o dobro de correlação em relação aos gêmeos fraternos, mas os gêmeos fraternos tem uma correlação muito similar a irmãos não-gêmeos... Mas observe que gêmeos fraternos decorrem de genética inteiramente diferente, são dois óvulos distintos e dois espermatozoides distintos, assim como irmãos não-gêmeos... Pero, esta pequena melhora na correlação de 34% para 43% pode ser explicada por três importantes variáveis: primeiramente os óvulos e espermatozoides, no caso dos gêmeos fraternos, vem do mesmo 'lote', rrsrsrsrs... Ou seja, óvulos e espermatozoides que decorre do mesmo 'padrão de qualidade' - saúde... Diferentemente dos irmãos não-gêmeos, que decorrem de diferentes 'lotes', em diferentes momentos da vida do casal, o que pode redundar em diferenças sobre a qualidade ou saúde dos mesmos... A qualidade de óvulos e espermatozoide poderia então ser afetada pela ação do tempo - e do meio - sobre o organismo... Pelo mesmo motivo, e seguindo a linha do tempo do casal, os gêmeos fraternos compartilharão o mesmo 'meio' gestacional, exposição bioquímica no útero através da placenta et cetera... 

Assim como gêmeos idênticos apresentam sempre correlações superiores entre si em relação aos gêmeos fraternos, os gêmeos fraternos por sua vez estarão sempre mais correlacionados entre si - embora de forma menos gritante - quando comprados com irmãos não gêmeos... Ou seja, temos o fator tempo atuando sobre a saúde de óvulos e espermatozoides, mas sobretudo o impacto da vida e do desenvolvimento gestacional, ou ontogenia... Finalmente, o terceiro fator, também associado ao tempo, que contribui na diferença entre gêmeos fraternos e não-gêmeos, em relação ao peso, está relacionado ao meio compartilhado, ou seja, os hábitos familiares podem variar no tempo, em função da cultura, da mudança do padrão de vida et cetera... 

Mas e quantos aos irmãos adotivos? Qual seria a correlação média esperada no caso do peso?  A-haaa... Apenas 4%... Ou seja, irmãos adotivos não compartilham nada mais do que o meio, e por isso apresentam as diferenças esperadas... Mas gêmeos idênticos criados por famílias inteiramente diferentes, tendo sido separados na maternidade, educados em culturas, países e continentes diferentes, ainda assim, apresentam 72% de correlação em relação ao peso... Isso solapa de vez a ideia de que o homem é produto do meio... A genética é bem mais influente em nossas vida do que o meio, que por suas vez não deixa de representar um importante fator...

Portanto, queridos amigos, entendo como é chocante - depois de um século de 'certezas e sandices freudianas' e seus derivativos (Lacan e Jung), além dos dogmas behaviorianos -, descobrir que o comportamento humano e a personalidade são tão  pouco influenciados pela família em que fomos criados...

Sigmund Freud - corretamente - escreveu: "a humanidade ao longo do tempo teve que sofrer nas mãos da ciência três grandes ultrajes a seu amor-próprio"... Os referidos ultrajes são: 1) A descoberta de que o nosso 'mundo' - ou mundinho - não está no centro de um fantasioso sistema composto por 'perfeitas esferas cristalinas', criadas decorativamente por um deus mágico, somente para iluminar a noite; e que na verdade o nosso 'mudinho' é muito menos do que um grão cósmico, perdido em meio a três sextilhões (3x10^23) de outras 'esferas' - nem tão esféricas - de plasma, onde o Hidrogênio é fusionando para produzir toda a Tabela Periódica; 2) A descoberta de que não somos as criaturas especiais e diletas daquele deus 'decorativo', e que na verdade descendemos de animais, e somos resultado de um processo evolutivos, de onde compartilhamos com eles - animais - as mesmas unidades elementares da vida e pera o pensamento e consciência; 3) A descoberta de que a nossa mente 'consciente' não 'livre-arbitra' e nem controla o modo como agimos, mas na verdade a nossa mente apenas nos conta uma estória 'remontada e continua' sobre nossas vidas; uma estória por vezes fantasiosa, mas sempre pessoal e subjetiva...

Freud estava certo quanto ao impacto cumulativos de tais descobertas sobre a humanidade, mas foi a associação entre a Psicologia Cognitiva, a Neurociência Cognitiva e a Genética Comportamental, que desferiu o terceiro golpe, e não dogmática e bizarra Psicanálise...

Mas esta tríade - Psicologia Cognitiva, Neurociência e Genética - está promovendo alguns ultrajes mais: 4) A descoberta de que não somos uma 'tábula rasa', nem uma folha em branco preenchida apenas pela experiência, e muito menos pela engenharia social, e que não somos um mero produto do meio; 5) A descoberta de que a doutrina sociológica do 'bom selvagem' é uma falácia, e que podemos viver de forma civilizada construindo uma sociedade mais inclusiva, justa, fraterna, e ainda assim livre; operando a partir da tomada de ComCIÊNCIA sobre a 'real condição humana'; 6) A descoberta de que o fantasma da máquina não existe, consequentemente dualidade entre corpo em alma - ou mente - também cai por terra... Só o que existe é a Physis, em última análise, e pensamento decorre de nossas células neurais, e não de um comando central - ou alma - desconectado do corpo, e portanto resistente à morte; 7) A descoberta de que somos mortais, finitos mas maravilhosos; e que o tempo urge...

Lesões nos Lobos Frontais podem deixar a pessoa embotada ou modificar - moderada ou completamente - o seu repertório comportamental, uma vez que esta região do cérebro esta relacionada com os freios ou inibidores de nossos impulsos emocionais, atuando sobre o Sistema Límbico - particularmente em um circuito que liga a amígdala ao hipotálamo pela via conhecida como Stria terminalis... Os Lobos Frontais atuam sobre cada hemisférico, garantindo que as nossas estratégias e objetivos predominem sobre os impulsos deflagrados pelo Sistema Límbico... É por isso que cedemos lugar à uma pessoa idosa, ou respeitamos filas, ou pedimos as coisas ao invés de tomá-las... O nosso desejo e o nosso instinto de sobrevivência e defesa é então moderado, resultando em um comportamento dito sociável...

100 bilhões de neurônios conectados por 100 trilhões de sinapses, modelados por 30.000 genes, e um infindável número de combinações, resultando na complexidade e beleza da experiência  humana... Complexidade tal que Alfred Russel Wallace, co-desenvolvedor - ao lado de Charles Darwin - da Teoria da Evolução,  familiarizado com a diversidade 'não intencional ou moral' da vida, não foi capaz de aceitar... Wallace não pôde aceitar que a mente humana, ou sistema neural, diferia dos demais animais apenas em grau e não em tipo... De forma que infelizmente Wallace não pôde livrar-se do 'fantasma na máquina', o que de certa forma ofuscou o brilho e a importância de sua obra... Wallace terminou a vida tentando se comunicar com os mortos e procurando um lugar para a 'alma' humana... Em tempos vitorianos, antes da descoberta do DNA por Watson e Crick, antes das maravilhas de Santiago Ramón y Cajal - que intuitivamente postulou a doutrina do neurônio, que tempos depois foi comprovada -, e de outras descobertas genéticas e neurofisiológicas, não podemos condenar Wallace por sua hesitação... 

Apesar de toda a timidez (E), Darwin tinha uma mente incomum e aberta (A) para sua época; era meticuloso (C), generoso (S), e talvez uma de suas neurose tenha sido o detalhismo, que caiu como uma luva no desenvolvimento da Teoria da Evolução... Outra neurose de Darwin talvez tenha sido o medo do moralismo religioso de sua época... E Darwin, embora não tenha impetrado nenhum sendeiro místico - no estilo espírita de Wallace -, terminou a vida declarando-se um deísta quase agnóstico, mas sem permitir que isso interferisse em sua integridade intelectual... Mas para a nossa sorte, Thomas Huxley estava em seu caminho: aberto (A), consciente, intenso e disposto a correr riscos (C), extremamente extrovertido, eloquente e carismático (E); agressivo, combativo e sem medos - e muito temido - (S); e talvez a sua neurose mais tangível advenha do orgulho e de não levar desaforo para casa (N)... Estas explosivas e brilhantes características nunca estiveram tão claramente a serviço da humanidade como no célebre debate com o Bispo de Oxford Samuel Wilbeforce:

"(...) o Bispo de Oxford, Samuel Wilbeforce, de dedos enfiados na lapela volta-se ostensivamente para Huxley e, com maliciosa cortesia, insiste em saber se 'é por parte do avô ou da avó que o senhor afirma descender de um macaco?' Ao detectar a entonação bajuladora dada à palavra 'avô', a assistência solta alguns 'oohhs' em voz baixa e concentra a atenção em Huxley. Ainda sentado, Huxley vira-se para o indivíduo que está ao lado dele e, quase sonolentamente, murmura 'o senhor entregou-o em minhas mãos.' Pondo-se de pé e fitando Wilbeforce nos olhos responde: 'Prefiro ser descendente de dois símios a ser um homem que tem medo de enfrentar a verdade.' (...)" (Sagan, 2009 - Sombras de Antepassado Esquecidos)

Carlos Sherman

Sting I Burn For You




I Burn For You
Sting

Eu queimo por você


Agora que eu encontrei você
Now that I have found you
Na frescura do seu sorriso noturno
In the coolth of your evening smile
A sombra do seu guarda-sol
The shade of your parasol
E o seu amor flui através de mim
And your love flows through me
Apesar de eu beber em sua piscina
Though I drink at your pool
Eu queimo por você, Eu queimo por
I burn for you I burn for

Você e eu somos amantes
You and I are lovers
E quando passamos a noite a grudados ao redor de nossa cama
When night time folds around our bed
Dormimos entrelaçados em paz
In peace we sleep entwined
E o seu amor flui através de mim
And your love flows through me
Embora um oceano conforte minha cabeça
Though an ocean soothes my head
Eu queimo por você, eu queimo por
I burn for you I burn for

Estrelas cairão do céu escuro
Stars will fall from dark skies
As rochas antigas estão voltando
As ancient rocks are turning
O silêncio preenche o quarto
Quiet fills the room
E o seu amor flui através de mim
And your love flows through me
Apesar de eu mentir aqui, ainda
Though I lie here so still
Eu queimo por você, eu queimo por você
I burn for you, I burn for you

I burn...
Eu queimo...

Pai e Progenitor



Ser pai não é ser - necessariamente - progenitor... E vice-versa...


Carlos Sherman

domingo, 13 de maio de 2012

Energia, Condições Contingentes e Multiverso



(...) estamos de acordo sobre o que disse, mas gostaria apenas de explicar que quando você diz "não, a temperatura não é energia", na verdade não está correto... A Temperatura é uma grandeza física que mede, 'sim', a energia cinética - média das partículas - em um sistema em equilíbrio térmico... É portanto uma referência 'energética'... Fisicamente falando... 

[derivada parcial da energia interna (U) em relação à entropia (S) - para um sistema em equilíbrio termodinâmico]

Mas sem espaço para maiores viagens na maionese, rsrsrsrs... E entendi o seu ponto de vista, navegamos o mesmo barco... Um abraço...

(...) Não me refiro à 'contingência de proposições', me refiro ao conceito de 'condições contingentes' para a vida, terminologia moderna, que substitui o conceito de condições ao acaso - em Astrobiologia -, entende? Estou plenamente familiarizado com absolutamente tudo o que escreveu, e não fui eu quem destaquei a 'temperatura' de todo um conjunto de condições - contingentes - físicas, químicas e biológicas, possibilitando a vida na Terra... Só expliquei a quem disse que 'temperatura' não tinha relação com energia, que este comentário estava equivocado... Em relação a todo o demais, achei que não valia à pena comentar... Quando li o seu comentário, e considerei excelente... 

(...) Não entendo a sua tréplica... Acho que você não leu direito o que escrevi, ou está equivocadamente me relacionando com o tal problema da temperatura... Eu não tenho problemas com todo o complexo de condições - repito - contingentes para a vida... Mas isso não tem rigorosamente nada a ver com 'multiverso'... Ou pelo menos é uma derivação que sai do paradigma científico, para o plano da especulação teórica... Explicando que paradigma é um ponto de encontro e acordo sobre as leis que regem o universo... O seu comentário foi pertinente e aterrissado, mas 'multiverso' está na alçada da física teórica e não se presta a este tema: Evolução...

Carlos Sherman 

Reductio ad absurdum...






Foi colocada a seguinte questão:


"Para você qual é ou são os principais motivos para não acreditar na existência de Deus?"


Respondi:

A questão colocada incorre em uma grave falha lógica - Reductio ad absurdum... Explico: o ônus da prova recai sobre quem faz uma proposição... Ou seja, a questão remete à falácia da inversão do ônus da prova... Mas, posso exemplificar durante dias sobre a proposição da Seleção Natural e da Evolução da Vida e Humana... Posso igualmente encher páginas e páginas, e tenho feito isso, explicando de onde emergem as crenças, de que equívocos convergentes... 

De forma que se a proposição primária fosse 'quais os principais motivos para acreditar na Evolução, ou que levaram o homem a crer no sobrenatural?'; eu poderia ajudar... Mas não posso, e não se pode, provar a inexistência - do que não existe... Logo, tal empreitada remete a um absurdo lógico, constituindo um Reductio ad absurdum, e severa perda de tempo... Na verdade desconfio de quem coloca tais questões...

Na sequência do debate uma alusão ao "agnosticismo como sendo melhor do que o ateísmo"... 

Então segui em frente:

Não existe o agnosticismo... É um deismo covarde, rsrsrsrs... Isso porque alegar que 'não concluiremos sobre a existência ou não de deuses' remete novamente à inversão do ônus da prova... Eu perguntaria a um agnóstico 'Deus não pode ser provado nem descartado, certo? Mas que deus?'... Neste ponto, e em um ou dois mais, me atrevo a discordar de DeGrasse... Com todo o respeito...

Carlos Sherman

Vitam et mortem






O Perce Polegatto publicou esta reflexão do biólogo Cleber Polegatto:

A morte, sob o ponto de vista científico, biológico, celular, molecular, é aceita como natural, é o final da programação celular e embrionária que resultou em desenvolvimento-reprodução, correspondendo ao final das necessidades do indivíduo que são apenas estas. Leis naturais pré-existentes numa não-vida possibilitaram a vida, com outras propriedades, sendo um acaso na história das moléculas, especialmente as moléculas chamadas orgânicas (basicamente tudo é inorgânico). A morte é parte do todo, do ciclo, mas não um conceito concreto e palpável, já que ela não difere do que havia antes e haverá depois, sob o nível das mesmas condições naturais. Queremos apenas dar forma e nome a algo que não tem forma e às coisas que advêm disso, dar forma a nossa criação de um conceito. O próprio confronto com o temor da morte e a espera do que vem com ela seriam bastante diferentes para lidarmos, se nos lembrássemos disso.

Comentei:


Interessante reflexão sobre a vida e a morte, reduzidas à escala molecular - atômica... O problema da morte está relacionado com a morte da consciência do individuo, que por suas vez está formado por um complexo aglomerado molecular... A consciência, que decorre da biologia celular, está conformada pelos passos genéticos, neurofisiológicos, pelas experiências, memórias et cetera, e cria esta sensação rara de abstrair a existência... E cá entre nós, é uma deliciosa sensação, rsrsrsrs... A morte desagrega esta consciência, e ponto final... Nossas moléculas e átomos, vieram da não consciência, e seguirão algum curso... 


Dizer que somos - em última análise - inorgânicos, mesmo que de forma desnecessariamente reducionista - apenas neste caso, rsrsrs -, não deixa de ser verdade... Mas existem os domínios 'virtuais' ou taxonômicos da química orgânica, e sobretudo os domínios da vida... O domínio da vida pode ser atrelado aos domínios da Citologia... E daí evoluímos para vidas com sistemas neurais, e aí chegamos em nós... Nós, que encaramos a possibilidade de perder tal consciência neural, e podemos conjecturar tudo isso sobre a vida... Linda saga, a saga humana!!! Sem direito a subterfúgios sobre a vida eterna, alma e outras baboseiras... Mortais, no sentido da morte neural, depois citológica... Mortais e cientes... 


Prefiro então, já que aceito a finitude de minha consciência, e sem escapatória, celebrar o hiato de minha inexistência, nos termos aqui propostos... E considerando maravilhosa e rara, assim como única, a possibilidade de vivenciar semelhante debate de ideias em tão elevado nível com vocês... Obrigado Perce Polegatto, obrigado Cleber Polegatto...



Carlos Sherman

Liberdade e Direitos Civis



Sim... E nem é da conta de ninguém... Cada um na sua... Intimidade, gosto, desejo, não se discute... Viva a liberdade e os Direitos Civis...


Carlos Sherman

Mãe



SER MÃE É TER CORAÇÃO BATENDO FORA DO CORPO... E AQUELAS QUE SENTEM ISSO SABEM QUE HOJE CELEBRAMOS - SIMBOLICAMENTE - O SEU DIA... PARABÉNS MAMÃES DE VERDADE... MAS CORAÇÕES NÃO PODEM PARAR, O 'DIA DESTAS MÃES' É TODO DIA...

Carlos Sherman

Lawrence Krauss - A Ciência Pode Nos Dizer o Certo do Errado ? (LEGENDADO)

Neil Degrasse Tyson - O Aquecimento Global é uma farsa ? (LEGENDADO)

O Conto do Vigário - O Milagre de Fátima




O Conto do Vigário
O milagre de Fátima

Por Richard Dawkins
Universidade de Oxford

[…] nenhum testemunho é suficiente para demonstrar um milagre, a não ser que o testemunho seja de natureza tal que a sua falsidade seja mais milagrosa do que o facto que tenta demonstrar. 
David Hume, “Dos Milagres” (1748)

[Usarei] esta ideia de Hume no que diz respeito a um dos milagres melhor atestados de todos os tempos, um milagre que se afirma ter sido presenciado por 70.000 pessoas e recordado por algumas delas ainda vivas. Trata-se da aparição de Nossa Senhora de Fátima. Vou citar um website católico que refere que, das muitas aparições da Virgem Maria, esta é rara porque é oficialmente reconhecida pelo Vaticano:

"A 13 de Outubro de 1917 estavam mais de 70 000 pessoas reunidas na Cova da Iria, em Fátima, Portugal. Tinham vindo presenciar um milagre que tinha sido anunciado pela Virgem Maria a três jovens visionários: Lúcia dos Santos e os seus dois primos, Jacinta e Francisco Marto […] Pouco depois do meio-dia, a Nossa Senhora apareceu aos três visionários. Quando estava prestes a partir, apontou para o Sol. Lúcia repetiu o gesto, emocionada, e as pessoas olharam para o céu […] Depois, uma onda de terror varreu a multidão porque o Sol parecia romper-se dos céus e esmagar as pessoas horrorizadas […] Justamente quando parecia que a bola de fogo iria cair e destruí-los, o milagre parou e o Sol reassumiu o seu lugar normal, brilhando pacífico como nunca."

Se o milagre do Sol em movimento tivesse sido observado apenas por Lúcia (a jovem que no fundo foi responsável pelo culto de Fátima), não haveria muita gente que o levasse a sério. Poderia facilmente ser uma alucinação individual ou uma mentira com motivos óbvios. O que impressiona são as 70.000 testemunhas. Será que 70.000 pessoas podem ser simultaneamente vítimas da mesma alucinação? Ou conspirar numa mesma mentira? Ou, se nunca houve 70.000 testemunhas, poderia o repórter do acontecimento safar-se ao inventar tanta gente?

Apliquemos o critério de Hume. Por um lado, é-nos pedido que acreditemos numa alucinação em massa, num artifício de luz ou numa mentira colectiva envolvendo 70.000 pessoas. Isto é reconhecidamente improvável, mas é menos improvável do que a alternativa: que o Sol realmente se moveu. O Sol que estava sobre Fátima não era, afinal, um Sol privado: era o mesmo Sol que aquecia todos os outros milhões de pessoas no lado do planeta em que era dia. Se o Sol se moveu de facto, mas o acontecimento só foi visto pelas pessoas de Fátima, então teria de se ter dado um milagre ainda mais notável: teria de ter sido encenada uma ilusão de não-movimento relativamente a todos os milhões de testemunhas que não estavam em Fátima. E isso se ignorarmos o facto de que, se o Sol se tivesse realmente deslocado à velocidade referida, o sistema solar se teria desintegrado. Não temos alternativa senão a de seguir Hume, escolher a menos miraculosa das alternativas disponíveis e concluir, contrariamente à doutrina oficial do Vaticano, que o milagre de Fátima nunca aconteceu. Além disso, não é de todo claro que nos caiba a nós explicar como é que aquelas 70 000 testemunhas foram enganadas.

Richard Dawkins

Tradução de Paulo Cartaxana
Excerto retirado da obra Decompondo o Arco-Íris (Gradiva, Lisboa, 2000, pp. 161-163).


-----------------------------

Dawkins é mais do que suficiente... Mas investiguemos um pouco mais, e começando pela Lenda de Oureana...

O 'Concelho' - assim mesmo, com 'C' - ou Município de Ourém é uma cidade portuguesa pertencente ao Distrito de Santarém, região Central (extinta/antiga Vale do Tejo), com 12.994 habitantes... O 'concelho' é subdividido em 18 freguesias, e acolhendo duas localidades com a categoria honorífica de cidade: Fátima e - naturalmente - Ourém... 

A Lenda de Oureana foi publicada pelo Frei Bernardo de Brito em sua "Crônica da Ordem de Cister" (Livro VI, Cap. I)... No dia de São João, no ano de 1158, o cristão Gonçalo Hermigues, com alguns companheiros, em um ataque surpresa a Alcácer do Sal, raptou uma princesa moura chamada Fátima e trouxe-a para casa, na Serra de Aire, que mais tarde viria a chamar-se Fátima - em homenagem à princesa... Mais tarde, em seu cativeiro, conforme reza a lenda, a princesa moura teria se apaixonado pelo cristão 'raptor', resolvendo batizar-se, para assim poder casar com o seu 'amado'... Escolheu então, como nome de batismo Oureana, ou feita de ouro...

A Lenda de Fátima remonta no tempo novamente ao 'lendário' Concelho de Ourém - da lendária princesa moura, ex-Fátima -, isso quando três criancinhas, ou três 'pastorinhos', quando apascentavam um pequeno rebanho na Cova da Iria... Segundo relatos posteriores aos acontecimentos, por volta do meio dia, 'depois de rezarem o terço', as criancinhas teriam visto uma luz brilhante, e julgando tratar-se de um relâmpago decidiram ir embora... 'Mas', outro clarão iluminou os céus, desta vez 'viram' uma "Senhora mais brilhante que o sol", "flutuando" bem acima de uma pequena azinheira - onde hoje encontra-se a "Capelinha das Aparições"...

Segundo os testemunhos recolhidos na época, a senhora disse às três crianças que era necessário rezar muito e que aprendessem a ler... Convidou-as para regressarem todo dia 13 nos próximos cinco meses... As três crianças assistiram a outras aparições no mesmo local em 13 de junho, 13 de julho e 13 de setembro... Em agosto, a aparição ocorreu no dia 19, porque as crianças foram 'presas' e levadas para outra localidade... em outro local - Valinhos -, a 500 metros da azinheira... Foram soltas, e ó foi possível dar uma 'perdida' nos céticos de plantão em 19 de Agosto, e em outro lugar...

As crianças eram Lúcia de Jesus dos Santos (10 anos) e os seus primos Francisco (9 anos) e Jacinta Marto (7 anos)... Foi alegado pela Santa Sé que as "crianças 'geralmente' são sinceras", e isso foi consagrado pela história com status de "prova cabal"... Três testemunhas oculares, coincidentes, "crianças geralmente sinceras", haviam testemunhado o mesmo "milagre", a aparição da "santa" 'flutuante'...

Lamento informar que tal "prova cabal" de fato não prova absolutamente nada... Não, crianças não são sinceras... Crianças são fantasiosas, e tem algo a ver com o 'fantasioso' hemisfério esquerdo do cérebro, que ainda não foi domesticado pela experiência, pela educação e pelo aprendizado... E mesmo depois disso, depois de educação e maturidade, não poderemos afirmar que apenas o relatos de testemunhas "crentes", em um contexto "extremamente crente", doutrinadas por crenças e lendas correlatas, possam servir como "provas" de um milagre, que simplesmente violentaria todo o conhecimento e a experiência humana sobre as comprovadas leis da Física, Biologia e Química...

A sinceridade não é per si, garantia de verdade e fato, e em se tratando de crianças a questão pode ser ainda bem mais complexa... Imagine um grupo de crianças, cercadas por estórias e lendas milagrosas, deuses que voam, princesa raptada que são convertidas, santos e santas... Tudo é possível, desde uma estorinha da Carochinha ingenuamente inventada, que foi assumida por adultos nem tão ingênuos como prova de um milagres, auto-engano, ou alucinação provocada pelo trabalho sob o escaldante... E mais uma "virgem" pairou sobre os céus, entre tantas... Mais uma aparição da "Virgem Maria"... Mais uma entre milhares... É mais do que óbvio que a "santa" ICAR adora estes arroubos, e vive disso... Tais milagres acabam por criar centro de emanação da fé, cercados por muito comércio... 

Notemos alguns detalhes, por exemplo o nome da primeira criança, a mais velha, de 10 aninhos, Lúcia de Jesus dos Santos... O que podem inferir sobre os pais desta criança? 'Jesus dos Santos'? E dos pais dos pais deles? Sabemos que Portugal, um reino historicamente fundamentalmente e 'fundamentalisticamente' cristão católico, o era ainda mais nos dias do "milagre"... Uma criança consagrada a "Jesus", filhas "dos Santos", poderia em sua imaginação desejar um destino "santo", a partir de uma "visão miraculosa"... Tudo isso é muito mais factível do que imaginar fantasminhas voadores por aí, OVNIs, ou um Sol cambaleante - impunemente...



Posteriormente, sendo Lúcia de Jesus dos Santos tão religiosa e devota, "Nossa Senhora" ter-lhe-ia aparecido outras tantas vezes enquanto esteve no Convento... Lúcia dedicou sua vida à religião, e parecia ter problemas psicológicos... Lúcia também relatou em suas memórias terem visto anjos, convidando-os à oração e penitência, e afirmando ser o "Anjo de Portugal"... Na Exortação Apostólica Signum magnum, o Papa Paulo VI assim resumiu a mensagem da santa: "A santa contemplação de Maria incita-os, de facto, à oração confiante, à prática da penitência, ao santo temor de Deus, e recorda-lhes com frequência aquelas palavras com que Jesus Cristo anunciava estar perto o reino dos Céus: Arrependei-vos e acreditai no Evangelho, bem como a sua severa advertência: Se não vos arrependerdes, perecereis todos de maneira semelhante... A tradicional ameça... "Perecereis todos de maneira semelhante"...


A segunda criança, Francisco Marto, 9 anos, morreu dois anos após a "visão miraculosa", vitimado pela 'biológica' e viral Gripe Espanhola, e cujo estado de saúde foi bastante agravado pela terapia 'crente' adotada pela família do menino, ou seja: 'o  jejum'... Em um ato de fé, os pais 'crentes' de Francisco selaram o seu destino fatal, considerando que a terapia não tenha particularmente funcionado, e também que o 'bom Jesus' resolveu não alterar desta vez o curso da natureza...




Mas o comentário de Dawkins dirige-se sobretudo à histeria ou delírio coletivo, ocorrido em 13 de Outubro de 1917 - no ano da assassina Revolução Bolchevique na Rússia -, com a participação de 50.000 - ou 70.000 - pessoas... Em meio à esta catarse, "Nossa Senhora" teria "dito às crianças" tratar-se da "Senhora do Rosário", e pedindo ainda erigissem uma capela em sua devoção... Segundo a Igreja Católica Apostólica Romana (ou ICAR), 'mais uma vez', e desta vez em grupo, Muitos dos presentes haviam afirmado ter observado o mesmo "milagre do sol", da "Senhora mais brilhante que o Sol"... Como coletivamente não havia nenhuma "Senhora" a ser vista, a transmutação logo ocorre para o "Sol"... Segundo os testemunhos colhidos na época, "o sol, assemelhando-se a um disco de prata fosca, podia ser visto sem dificuldade e girava sobre si mesmo como uma roda de fogo, parecendo precipitar-se sobre a terra"... Contudo, há testemunhos de mais pessoas, que estando aí,  afirmaram nada ter visto; como é o caso do escritor António Sérgio, que esteve presente no local e testemunhou que nada se passara de extraordinário com o sol, e do militante católico Domingos Pinto Coelho, que escreveu na imprensa que não vira nada de sobrenatural... Entretanto, havia ainda um terceiro grupo de testemunhas que afirmaram que nada aconteceu com o sol, sendo que estes permaneceu do mesmo tamanho e no mesmo lugar - ufaaaaaa - mas sim com um "objeto luminoso que no céu, girando sobre si próprio e mudando de cor"... Um objeto que voa e não pode ser identificado é um OVNI, outra estorinha da carochinha, mas assim caminha a humanidade, de crença em crença...

Dawkins, mais acima, foi definitivo, mas vale mais uma vez ressaltar que apesar de reconhecermos todos, cristãos ou não, que existe apenas um Sol no Sistema Solar, o mesmo Sol para todos... Mas somente aqueles fieis crentes, presentes em Fátima, presenciaram as piruetas solares, sendo que o restante do mundo não teve a mesma sorte... Mas por quê?







Estamos lidando com um embuste, um dos maiores 'contos do vigário' de todos os tempos... 




Não é de hoje que a Igreja Católica Apostólica Romana se utiliza de meios esdrúxulos e bizarros, e criminosos angariar fundos, e arregimentar e manter adeptos e fiéis, azeitando o milionário negócio da peregrinação a centros miraculosos como Fátima, Lourdes, Aparecida do Norte, ou à Virgem de Guadalupe.... Está última, com uma fantástica estorinha que redunda de uma pintura de "Nossa Senhora", no manto de um índio cristianizado, coroinha, e mega-devoto... Pois a pintura é amadora, em estilo de época, mesmo tendo sido "obra do divino"... Como? O divino não deveria superar a Da Vinci, ou ao menos revolucionar em termos de estilo, ou quem sabe superar aos equipamentos de impressão digital atuais em precisão e qualidade na reprodução da imagem da Virgem Maria? Mas o embutes em Fátima incorpora aspectos ainda mais sórdidos, e cafajestes, ludibriando e impressionando a humanidade crente, em torno dos seus supostos SEGREDOS... Os segredos de Fátima...

Mas a hegemonia e o poderio da ICAR, e crenças e igrejas derivativas, sempre esteve alicerçado na ignorância e na alienação de seus delirantes adeptos... Não fossem tais expedientes miraculosos, tais antros já teriam desmoronado em seus frágeis alicerces há muito tempo... Mas a sua inexorável ruína e queda só pode ser atrasada pela força residentes no fanatismo das massas ignorantes, cuja alienação alimenta estorinhas da carochinha como o milagre de Fátima... 

Segundo a fábula, além da aparição, a 'virgem' teria confiado três segredos às 'criancinhas': os temerosos "Três Segredos de Fátima"... Os dos primeiros, dos três segredos - supostamente - 'retumbantes', foram divulgados em 1941, por Lúcia 'Jesus dos Santos'... Que se tornou freira... O terceiro segredo, cercado de mistério e tensão, tendo motivado livros, e gerado uma legião de seguidores, dedicados a desvendá-lo ou viver de especulações sobre o seu caráter bombástico e apocalíptico, foi escrita somente em 1944, em um documento que só poderia ser aberto por um Papa - uau!!! No dia 26 de junho de 2000, o terceiro e misterioso segredo foi publicado na íntegra pelo Vaticano e chocou o mundo em razão de sua absoluta falta de conteúdo...

Examinemos alguns trechos do Conto de Fátima:

"Se fizerem o que eu disser salvar-se-ão muitas almas e terão paz. A guerra vai acabar, mas se não deixarem de ofender a Deus, no reinado de Pio XI começará outra pior. Quando virdes uma noite, alumiada por uma luz desconhecida, sabei que é o grande sinal que Deus vos dá de que vai a punir o mundo dos seus crimes, por meio da guerra, da fome e de perseguições à Igreja e ao Santo Padre. Para a impedir virei pedir a consagração da Rússia a meu Imaculado Coração e a comunhão reparadora nos primeiros sábados. Se atenderem a meus pedidos, a Rússia se converterá e terão paz, se não, espalhará seus erros pelo mundo, promovendo guerras e perseguições à Igreja, os bons serão martirizados, o Santo Padre terá muito que sofrer, várias nações serão aniquiladas, por fim o meu Imaculado Coração triunfará. O Santo Padre consagrar-me-á a Rússia, que se converterá, e será concedido ao mundo algum tempo de paz [em plena Revolução Russa]". (Segredos de Fátima)

Um pouco mais do mesmo, vago, carola... E enfim o pífio e patético desfecho do embuste em alguns trechos - os mais interessantes em meio à vacuidade - do terceiro "segredo" revelado:

"Escrevo, diz Ir. Lúcia, em ato de obediência a Vós meu Deus, que me mandais por meio de Sua Excelência Reverendíssima o Sr. Bispo de Leuria, e da Vossa e minha Santíssima Mãe. (...) O Santo Padre, antes de chegar aí, atravessou uma grande cidade, meia em ruínas e meio trêmulo, com andar vacilante, acabrunhado de dor e pena. Ia orando pelas almas dos cadáveres que encontrava pelo caminho. Cada um com um regador de cristal nas mãos recolhendo neles o sangue dos mártires e com eles irrigando as almas que se aproximavam de Deus." (Segredos de Fátima)

A grandeza de tal farsa, em toda esta fábula de Fátima, por si só, seria motivo suficiente para pôr em debandada multidões de homens e de mulheres, que de joelhos, cegos, vem sofrendo severa manipulação de suas vidas por um interminável desfile de igrejas e credos, mas infelizmente pouco ousam enfrentar tal questão, livrar...

A fé não explica nada, mas afasta boas perguntas... Nada podemo ensinar aos que creem que tudo sabem, a partir de seu único livro, a Bíblia... Um Manual à Morte, sanguinário, ressentido, criminoso, intolerante, vingativo, que vem cretinamente sendo associado à conceitos como AMOR, PERDÃO, COMPAIXÃO...

Carlos Sherman

Quintana, plagiado e distorcido...




Publicaram:


"O absurdo não é uma cobra falante. O absurdo não é uma jumenta que fala. O absurdo não é uma virgem engravidar. O absurdo não é transformar água em vinho. O absurdo não é morto voltar à vida. O absurdo é não acreditar nisso tudo. #sociedadehipócrita." - Rhanniery Abner.


Objetei:

Está é uma variação 'REVERSA' do aforismo de Mário Quintana... Releiam... Acho que vocês se equivocaram desta vez... Rhanniery Abner está sugerindo 'claramente' que o 'absurdo é NÃO acreditar nisso tudo' - ou seja, em toda a sandice bíblica... Ou seja, está sugerindo que ACREDITEMOS nestes absurdos...

Isso sim é um 'non ultra plus' do absurdo...

O aforismo original de Quintana foi: 

"O milagre não é dar vida ao corpo extinto, Ou luz ao cego, ou eloquência ao mudo... Nem mudar água pura em vinho tinto... Milagre é acreditarem nisso tudo!"... 

Quintana está ironizando sobre acreditar em milagres... 

Rhanniery comete dois graves erros, primeiro não creditando a Quintana a originalidade da reflexão, e depois INVERTENDO o sentido... Só existe uma explicação para tal distorção, um mero equívoco na redação do aforismo por parte de Rhanniery... O que não soluciona o primeiro problema de dar o crédito de originalidade a Quintana, embora Rahanniery tenha realmente alterado o aforismo; que até seria até bem interessante, não fosse a INVERSÃO completa do sentido, por erro ou por convicção... 

O fato é que Quintana, cético, foi deturpado.... E já havia sido deturpado antes... Cliquem no link abaixo:


Quintana - Conjugação Verbal, Ética e Ilusão...

Carlos Sherman


Grau de Instrução e Evolução...

O número de descrentes ou não engajados religiosamente no mundo subiu de 18% para 28% nos últimos 10 anos, isso sem considerar a China, que não fornece dados confiáveis, e onde a a atitude em relação às crenças é bem confusa... Mas se considerados os dados chineses, bem interpretados, poderíamos saltar a 40% ou 50%, levando-se em conta a população da China... 

Enquanto isso na Academia - no meio acadêmico e universitário - o quadro é bem diferente, o que deixa patente que entre pessoas bem instruídas as crenças são bem pouco populares, principalmente no que tange à relação entre o conhecimento sobre a Evolução Biológica Científica, e as crendices do Design Inteligente ou do Criacionismo dogmático...


Carlos Sherman

Lindas...



Mãe, parabéns. Obrigada por me ensinar que anjos não são aqueles que têm asas, cuidam das pessoas e realizam seus desejos por meio de milagres, mas sim aquelas que fazem o impossível para realizar os desejos de seus filhos, aquelas que não têm asas, mas estão em todos os lugares, rapidamente, quando um filho precisa delas, parecendo que não têm pernas e sim criam asas para vir mais rápido; aquelas cuja guarda você pode confiar mais do que a de qualquer "anjo" por aí, de olhos fechados; aquelas que, se preciso, transformam-se em monstros, para defender um filho; aquelas que aparentam ter superpoderes, adivinharem as coisas, se multiplicarem, serem multi-tarefas, serem perfeitas em todos os seus defeitos. Obrigada por me ensinar o que é ser mãe e o quanto elas são importantes para todas as filhas e filhos do mundo. Feliz aniversário, muitos aninhos de vida me mimando e me dando chocolate hahah! Obrigada por ser minha mãe, pois não existiria melhor mãe no mundo. Eu te amo muito!

De nossa filhinha Karoline 
- ela e a Isa odeiam quando
 me refiro a elas no diminutivo, rsrsrsr...
Para a mamãe Erika - Sherman Palmer

Uma lição de Genética - e de comportamento humano...



Imaginem que estamos semeando - digamos - 'cana de açúcar'... Consideremos algumas situações:

1) Duas sementes 'geneticamente idênticas' são semeadas no 'mesmo meio' - ou terreno,  e ao 'mesmo tempo'... Tais sementes germinarão, derivadas da mesma impulsão genética e sujeitas ao mesmo efeito do ambiente, no mesmo local e tempo... Apresentarão portanto a alturas similares, maturação similar, resistência à pragas similar, e as mesmas características em termos de fibra, umidade e conteúdo de sacarose...

2) Tomemos novamente duas semente 'geneticamente idênticas' e semeemos no 'mesmo meio', mas em 'tempos diferentes'... Tais sementes germinarão, derivadas da mesma impulsão genética, sujeitas ao mesmo meio, no sentido de que aproveitarão dos mesmos nutrientes que a terra pode oferecer, mas devido à diferença no tempo de plantio receberão diferentes impactos do sol, da chuva e da variação de temperatura ao longo do dia... Apresentarão portanto alturas ligeiramente diferentes, maturação ligeiramente diferente, resistência à pragas similar, e diferente conteúdo de sacarose e fibra...

3) Tomemos as mesmas sementes outra vez, 'geneticamente idênticas', semeadas em meios diferentes, sujeitas portanto à condições inteiramente diferentes em termos de nutrientes, chuvas, exposição ao sol, variações de temperatura... Novamente apresentarão alturas diferentes e um pouco mais acentuadas, maturação e conteúdo de sacarose e fibras ainda mais diferentes, mas um resistência à pragas ainda similar... 

4) Tomemos agora duas sementes 'geneticamente diferentes', semeemos no 'mesmo meio' e no 'mesmo tempo'... Tais sementes germinarão produzindo plantas com alturas diferentes, maturação e conteúdo de sacarose e fibra inteiramente diferentes, e resistência à praga inteiramente diferentes...

5) Tomemos sementes 'geneticamente diferentes' outras vez, e semeemos no 'mesmo meio', mas em 'tempos diferentes', e obteremos diferenças ainda mais acentuadas, altura, maturação, conteúdo de sacarose e fibras, e resistência à pragas...

6) Finalmente tomemos sementes 'geneticamente diferentes', 'meios diferentes', tempo diferente', e então as diferenças serão extrapoladas em altura, maturação, resistência à pragas, e conteúdo de sacarose e fibra- entre outras tantas características...

O que podemos concluir destas informações, corroboradas todos os dias por agrônomos em todo o mundo: A genética tem influência crucial na vidas das plantas, mas o seu desenvolvimento depende to meio... A genética é uma 'possibilidade de', que o meio tratará de estimular ou bloquear, mas nunca poderá 'inventar a partir do nada' - o escrever em uma folha em branco... 

Agora, se extrapolarmos esta interação entre a genética e o meio para a natureza humana, bem mais complexa geneticamente, em igualmente mais complexa em relação ao meio, relações sociais e aprendizado, ainda assim obteremos mas a mesma conclusão: A genética é uma 'possibilidade de', que o meio e a cadeia de eventos da vida tratarão de estimular ou bloquear, mas o meio nunca poderá trabalhar ou 'inventar características do nada', ou inventar 'um novo homem' - como na cabeça de Marx, Lenin, e outros -, como se escrevêssemos na folha em branco do Behaviorismo watsiano - a Doutrina da Tábula Rasa...

Evidentemente somos diferentes de plantas, temos um sistema neurológico, e isso por si só poderia nos levar a descartar o exemplo acima, mas não tão depressa... Consideremos alguns reflexos diretos de nossa genética sobre o nosso comportamento...

"Um único nucleotídeo caprichoso em um gene chamado FOXP2 causa um distúrbio hereditário na fala e na linguagem" (Pinker, 2002)... Tal distúrbio certamente representará 'distúrbios' sobre a vida dos indivíduos portadores desta característica, afetando o seu aprendizado, relacionamentos interpessoais, e até mesmo a auto-estima, situação financeira, etc...

"Um gene no mesmo cromossomo, LIM-kinase1, produz uma proteína encontrada em neurônios em crescimento que ajuda a instalar a faculdade da cognição espacial: em caso de deleção desse gene, a pessoa tem inteligência normal mas não é capaz de agrupar objetos, arranjar blocos ou copiar formas" (Pinker, 2002)... Evidentemente tais características terão profundo impacto no aprendizado, e com consequências imprevistas sobre o nosso comportamento...

As proteínas, hormônios, oxitocina e vasopressina, reguladas por genes, afetam de sobremaneira a nossa tendência a estabelecer laços afetivos... Você pode estar reclamando com o seu marido sobre o descaso dele com a relação, e pode estar na realidade conversando também como um ou mais genes, responsáveis pelo comportamento em relação ao afeto, ou aos laços e relações humanas...

"Uma versão do gene IGF2R está associada a elevada inteligência geral, sendo responsável por nada menos do que quatro pontos no QI e 2% da variação em inteligência entre indivíduos normais" (Pinker, 2002)... As nossa chance de aprendizado e desenvolvimento serão afetadas por tais genes... Imaginem um processo cumulativo de aprendizado, onde conhecimento gera conhecimento... Finalmente, dois, três, quatro pontos representarão uma enorme diferença em 10, 20, 30, 40 anos...

"Quem tem uma versão mais longa do que a média do gene receptor de dopamina D4DR tem maior probabilidade de ansiar por emoções fortes, de ser o tipo de pessoa que salta de aviões, escala cachoeiras congeladas ou faz sexo com estranhos" (Pinker, 2002)... Não se trata de uma sentença determinista, não!!! Trata-se de um impulsão, uma forte impulsão, que poderá ser estimulada ou bloqueada... Trata-se de uma impulsão que pode chocar-se com outros genes e outros filtros, ou características... Por exemplo, sempre fui dedicado a esportes radicais, mas sempre evitando a altura, a partir de algum trauma, ou quem sabe, de outro gene... O fato é que a minha mãe e o meu avô apresentavam a mesmo repulsa pela altura... Pouco a pouco, fui superando isso, e já não tenho problemas com alturas... Surfei em mares bravios, desci de skate em rampas improvisadas, como cobaia, esquiei na água, na neve, patinei no gelo, joguei hockey, lutei artes marciais, sempre me arrisquei muito... E quanto ao sexo, rsrsrsrsrs, bem, não tem nada melhor, e sempre fui um pouco exagerado quanto à sua prática, rsrsrsrs, mas outras características, talvez uma certa overdose de oxitocina e vasopressina, tenham extrapolado o afeto em mim, de forma que apesar da forte impulsão sexual, sempre quis saber muito mais do que os nomes de minhas amantes, na verdade, sempre fui muito dedicado a ela...

"Quem tem uma versão mais curta de um trecho de DNA que inibe o gene transportador de serotonina no cromossomo 17 tem maior probabilidade de ser neurótico ou ansioso, o tipo de pessoa que se sente paralisada em reuniões sociais por medo de ofender alguém ou agir como uma tola" (Pinker, 2002)... Este impulsão, evidentemente sendo moderada, estimulada, ou filtrada por outras características comportamentais, terminará por influir decisivamente em nosso comportamento e em nossas relações...

Mas a maioria de nossas características psicológicas e comportamentais decorrem da interação entre vários genes, com efeitos diminutos isoladamente, e cujos efeitos modulados pela influência de outros genes... Essas sutilezas, e a respectiva complexidade dificulta ainda mais na análise cobre o comportamento... Genes individuais, como os citados, servem ao propósito de contribuir para o entendimento da inter-relação entre genética e experiência... 

O estudo de gêmeos monozigótico e dizigóticos, criados juntos, e submetidos ao mesmo meio ou ambiente, ou criados separadamente, por diferentes famílias, culturas, em diferentes países ou continentes, com experiências completamente isoladas, tem aportado muito ao estudo da Genética e do Comportamento Humano... Uma série de distúrbios cognitivos e emocionais, como a esquizofrenia, autismo, dislexia, atraso e deficiência na linguagem, dificuldade ou incapacidade no aprendizado, canhotismo, depressões graves, distúrbios bipolares graves, distúrbios obsessivo-compulsivos, e até mesmo a orientação sexual, são bem mais concordantes entre gêmeos idênticos do que em gêmeos fraternos, mesmo quando os primeiros são criados separadamente e sendo comprados aos segundos tendo sido criados juntos...

Mas os genes são só explicam condições excepcionais ou extremas, mas também estão por trás da diversidade considerada 'normal', impulsionando as diferenças em nosso comportamento, capacidades e temperamentos... Gêmeos idênticos, criados juntos ou separados são excepcionalmente parecidos, mas não são iguais... Estas diferenças estão relacionadas do desenvolvimento e o aprendizado... São semelhantes em inteligência verbal, lógica, matemática, satisfação com a vida, características relacionadas à personalidade como ser introvertido, extrovertido, aquiescente, serviu, neurótico, consciencioso, intenso, receptivo à experiência, reativo, polêmicos... Assumem posições políticas similares, assim como posições em relação a questões como a aplicação da pena de morte, religião, arte moderna, homofobia, racismo et cetera... São realmente muito parecidos, mas não somente preenchendo enquetes e perguntas, mas também em ação - ou comportamento 'consequencial', como no caso do comportamento frente aos esportes, jogos, relações amorosas, divórcios, cometendo crimes ou infrações, no gosto pela televisão, e o tipo de canais que assiste, na frequência com que se envolvem em acidente... Riem sem parar, juntos, são prolixos, molham o pão com manteiga no café - mesmo que nunca tenham convivido, ou até nem se conheçam... Os penhascos e vales de seus eletroencefalogramas são tão parecidos como diferentes eletros de uma mesma pessoa... As pregas nos cérebros de gêmeos idênticos, assim como a distribuição de matéria cinzenta através das área corticais também são similares...  

Em 2001 publicamos pela primeira vez a sequência completa do Genoma Humano... Poderíamos substituir - por exemplo - a celebração de São Cosme e São Damião por este feito... 'Sexta é feriado, dia do Genoma Humano'... Ou 'Dia do DNA'... Um dia de descanso, onde celebramos mais uma indelével proeza da saga humana - demasiado humana... Mas estudamos também os genes dos Chimpanzés, comuns e Bonobos, que diferem apenas em 1% de seus genes... Isso é suficiente para que os Chimpanzés, majoritariamente, estejam entre os animais mais agressivos da natureza, enquanto os Bonobos estão entre os mais pacíficos... Os Chimpanzés comuns dominam a fêmea, e Bonobos são dominados por elas... Chimpanzés comuns fazem sexo pela procriação, enquanto os Bonobos fazem sexo por prazer, como nós... Mas a objeção lógica seria: 'tão similares geneticamente, mas tão diferentes no comportamento? Ôpaaaaa... Só que pequenas diferenças nos genes, na posição destes genes, no sequenciamento, podem afetar de sobremaneira o tamanho e a forma de diferentes partes do cérebro, suas conexões, assim como todo o complexo bioquímico e hormonal dos neurotransmissores... 

Um estudo mostrou substanciais diferenças no cérebro de Albert Einstein, por exemplo em relação aos lobos parietais inferiores, responsáveis pela inteligência espacial, intuitiva, e matemática... Problemas nos lobos temporais induzem as experiências místicas - e epiléticas -, comprometendo a sensação de individualidade, e induzindo a uma estado de 'expansão', que para religiosos são correlacionados com um 'encontro com o divino', enquanto os céticos sentem-se em contato com a natureza... A obsessão ou fervor religioso tem forte impulsão genética, enquanto a religião escolhida dependerá do meio... Em um meio cético, tal tendência obsessiva poderá ser recanalizada, para a ciência por exemplo... A esquizofrenia de John Nash, doutrinada pela ciência conduziu à 'Uma Mente Brilhante' e ao 'Nobel de Ciências Econômicas'... Wellington Menezes, também esquizofrênico, doutrinado pela bíblia, matou crianças em Realengo, antes de tirar a própria vida... A tendência ao suicídio também é fortemente impulsionada pela genética...

"Os homens homossexuais tendem a possuir um núcleo intersticial 3 do hipotálamo anterior menor, e sabemos que este núcleo tem um papel na diferença entre os sexos" (Pinker, 2002)... Mas está não é a única razão pelas quais um homem sentirá afeto por outro homem, e mais, mesmo que a decorrência deste 'impulso' seja genética, toda a experiência humana servirá para bloquear ou estimular tal tendência... Existem modismos correntes, onde outras características comportamentais, igualmente genéticas, poderão encontrar um campo de ação para certas tendências comportamentais... Tendências à adesão a causas polemicas, ou à promiscuidade, poderão encontrar estímulo em um comportamento ainda discriminado, que está na moda... Não podemos pensar em Genética, quando reprisamos a situação ateniense, onde o homossexualismo era considerado socialmente aceitável, e mais do que isso, foi estimulado, e considerado 'superior'... Havia uma apologia ao 'amor entre homens', considerado 'mais puro'... Este fenômeno desapareceu tão rapidamente quanto os seus conceitos...

Quero deixar claro que respeito toda forma de amor e afeto, e os direitos individuais, o que inclui o direito e o respeito à homoafetividade... Aliás, trata-se de uma condição íntima, de fora pessoal, tão natural quanto o relacionamento heteroafetivo, isso posto, na perspectiva de que o sexo e as nossas relações afetivas, há muito atendem sobretudo ao nosso prazer e à nossa alegria de viver, sendo a procriação - em um mundo superpovoado - um decorrência secundária...

Mas existem outras investigações interessantes... Existem vários genes que se expressam somente em meninos - machos -, e podem produzir reação imunológica na mãe... "Uma nova e intrigante possibilidade é um gene chamado PCDH22, que está no cromossomo Y, e é portanto específico em homens, e provavelmente envolvido na construção do cérebro. (...) Uma reação imunológica materna pode ser suficiente para enviar a ativação da parte do cérebro que mais tarde estimularia um fascínio pelo corpo feminino. (Ridley, 2008)... Este seria um exemplo da importância da Ontogenia, ou vida gestacional, e da interação entre a genética materna e do feto em desenvolvimento, afetando a preferência heterossexual, ou não permitindo que seja bem demarcada... Este poderá ser um caminho para imprintngs da experiência sobre o cimento fresco da genética...

Experimentos com aves em cativeiro, tem mostrado que em muitas espécies, o filhote macho criado por uma mãe adotiva de uma espécie diferente, sofre imprinting sexual por aquela outra espécie, e ficando claro também, através destes experimentos, que existe uma período crítico durante o qual o filhote adquire sua preferência sexual... Está cada vez mais claro, e não estamos falando dos modismos, que evidentemente existem, que as preferências sexuais humanas não somente são difíceis de mudar, mas como também são fixadas no início da vida... A adolescência - meramente - revela o negativo da película, ou expõe e exacerba outras características, que também podem redundar no comportamento 'desafiador', 'polêmico', 'radical', que porventura pode encontrar o seu caminho também através da homoafetividade...   

"E os assassinos e outras pessoas anti-sociais violentas tendem a possuir um córtex pré-frontal menor e menos ativo, sendo essa a parte do cérebro que governa tomada de decisões e inibe os impulsos" (Pinker, 2002)... Isso evidentemente não significa que estas características 'formam' um assassino, mas a dificuldade de inibir impulsos, aliada à outras características genéticas relacionadas à violência, neuroses, entre outros comportamentos, podem produzir com mais frequência um assassino... E o meio desempenha o seu papel, induzindo tal tendência à morte de hereges, ou ao Octógono do MMA... A fúria pode ter sido importante em confrontos militares homem-a-homem, ou no Coliseu Romano... Mas pode ser uma característica comportamental em baixa em nossos dias...



Mas existe outra peça fundamental neste tabuleiro... Um criança vem ao mundo herdando a genética que conduziu o seu desenvolvimento neurofisiológico, e abrirá espaço para  seu aprendizado... Mas apenas 5% do nosso DNA difere do Gorila... É quando algo mais entra em cena: o conhecimento cumulativo e organizado, extra-corpóreo, que pela capacidade de aprendizado potencializada por este 5% de diferenças, será assimilado rapidamente... Isso nos permitirá produzir o que chamamos de cultura, definir contratos sociais, associações comerciais, através dos mares e continentes, por gerações... O papel da fala e da escrita será essencial neste processo...

Convivemos com mais ou menos 6.000 línguas e dialetos, e todas estas codificações coincidem na identificação de um sujeito, uma ação, objetos ou coisas, e adjetivos... Em inglês dizemos 'red car', em português será 'carro vermelho', mas apesar de outro esquema combinatório, as 'partes' - intuitivamente falando - são as mesmas... Isso decorre de uma prévia 'programação', genética, de nossos cérebros para a linguagem... E consequentemente para a escrita, ou seja, para o registro do conhecimento... Este passo foi fantástico na evolução cultural humana... A vida de um humano primitivo guarda mais semelhanças com outros primatas do que o homem dito civilizado...

As asas do João-de-Barro tem origem genética, isso parece claro... Mas a construção de abrigo 'também'... E isso pode gerar acaloradas discussões... Não existem instruções ou classes para a engenharia do ninho, ou da casinho do pássaro... "Em meu jardim, e em toda a Grã-Bretanha, os tordos canoros demarcam seus ninhos com lodo, os melros com grama, o papo-roxo com pêlos e os tentilhões com penas, geração após geração, porque a construção do ninho é uma expressão dos genes. Richard Dawkins cunhou a expressão 'o fenótipo estendido', para esta ideia. (...) As caderinas e sua família estão atualmente entre as mais glamourosas moléculas da biologia. Sua reputação se deve ao papel que provavelmente desempenham ao permitirem que os neurônios se encontrem durante a formação da rede do cérebro" (Ridley, 2008)...

O homem é resultante inequívoca da interação entre a genética, da ontogenia, dos imprintings dos primeiros dias, semanas, meses e anos - escrevendo sobre o cimento fresco do desenvolvimento - e a experiência, o aprendizado, a força do zeitgeist, da cultura, e da cadeia de eventos de sua vida, e do conhecimento - ou desconhecimento, rsrsrs - cumulativo... Nem Galton nem Watson, muito menos Freud... Nem Platão nem Rousseau, muito menos Marx... Nem deuses, nem demônios... A teoria da mente está emergindo da Neurociência Cognitiva, da Genética Comportamental, e da Psicologia Cognitiva... Estas são as fronteiras, aí estará o homem novo, um velho conhecido, mas desta vez REAL - nem tábula rasa, nem bom selvagem, nem fantasma na máquina... Real, Humano, Demasiado Humano... 

Onde muitos veem mistério, poucos mais valorosos humanos veem 'apenas' complexidade e desafio... Eu vejo a vida como uma miríade de possibilidades, graças aos meus genes, graças ao meu aprendizado, graças ao encontro com homens notáveis... 

Carlos Sherman