Pesquisar este blog

DESTAQUE

A CIÊNCIA DO ERRO | Sobre Verdades, Veracidade e Realidade Objetiva - Parte 1: Uma resposta a Marcelo Gleiser

A CIÊNCIA DO ERRO Sobre Verdades, Veracidade e Realidade Objetiva Parte 1:   Uma resposta a Marcelo Gleiser Dedicado ao me...

segunda-feira, 31 de março de 2014

Diversidade Sexual



Estreei a minha participação no grupo 'Diversidade Sexual' com os seguintes dizeres:

Bem interessante a proposta do conceito de 'Diversidade Sexual', em detrimento de outras conceituações... Parabéns ao grupo... Estudo e escrevo sobre o tema... Em breve estaremos lançando 'EVA - As Origens da Misoginia' e 'ADÃO - Sexismo e as Origens da Homofobia'... Estou tentado a mudar o subtítulo para 'Sexismo e a Repulsa pela Diversidade Sexual e de Gênero'... Termino este segundo livro com o capítulo 'O Direito ao Afeto'...
Carlos Sherman

P.S.: Rafa, na verdade o avanço é promovido pelo pleno esclarecimento 'científico', dando conta, e de forma inequívoca, que não somos um produto do meio ou de nossa vontade... Não somos uma Tábula Rasa, não somos exatos, não existe perfeição, nem papéis efetivos para macho e fêmea além do reconhecimento genital... Os papéis sociais para homens e mulheres são grosseiras aproximações sociais... Acho que estamos avançando pelo entendimento do comportamento humano promovidos pela Genética Comportamental, pela Psicologia Social e Evolucionária, assim como pela Neurociência... Somos maravilhosamente imperfeitos, somos diversos, e o direito ao afeto é inalienável...

sábado, 29 de março de 2014

Bravo!!!



"Carlos Sherman, não falamos muito no Brasil sobre a escravização de europeus, mas os números são impressionantes e tomam milhares de anos, mesmo antes do Império Romano. Um Canato na Crimeia vivia literalmente de escravizar os eslavos, que representavam uma boa parte dos cativos do Império otomano. Nem sempre os europeus e cristãos foram os mais poderosos e ricos do mundo. Essa situação começou a mudar com as grandes navegações e a expansão do comércio. e ficou clara no final do século XVII, com a derrota dos Turcos em conquistar Viena e o Império Austríaco [...]" - Carlos Teles de Paula

DEUS E O SUS...



Publicaram a foto apologética acima seguida de dizeres do tipo: 'LINDO', 'que coisa bonita', etc... 

Só existe um pequeno inconveniente, afinal tais 'preces' são ouvidas com muito mais frequência na rede hospitalar privada; com ampla vantagem para hospitais como o Albert Einstein e o Sírio-Libanês na ocorrência de milagres... 

DEUS NÃO ATENDE PELO SUS???

Eu confio na - já demonstrada - força da Ciência Médica; afinal 'deus' já estava no comando do espetáculo quando a expectativa de vida humana se mantinha próxima do limiar de 30, 35 anos - e Cristo morreu um pouco abaixo da média superior... 

Desde o homem de Cro-Magnon até o fim da Idade Média, por cerca de 50.000 anos, amargamos a mesma condição... Somente quando destronamos os deuses - todos eles - é que passamos a lutar para entender a 'verdade' por trás das enfermidades, e assim pudemos diminuir a mortalidade infantil em quase 40 vezes, e hoje estamos triplicando a expectativa de vida...

Sabemos que (Gallup 2009) quanto mais crente um país é, mais fome, mais desigualdades, mais violência, menos educação, menos tecnologia, menos Ciência Médica, mais mortos ao nascer, menor expectativa de vida... 

QUAL É O MAPA DE DEUS???

Finalmente não posso me furtar de arguir mais uma vez: 

SE DEUSES SÃO REALMENTE RESPONSÁVEIS PELAS CURAS - DE TUPÃ AO DEUS MACACO HANUMAN, DE ATHON A YAWEH - PORQUE PROVOCARAM AS ENFERMIDADES???

PENSO, LOGO ME ENTRISTEÇO...



Carlos Sherman

In Nomine Dei


Deus não faz nada, porquanto não existe... Mas, quando sua mensagem assassina e psicótica cruza o caminho da mente doentia, lavada e enxaguada em água benta, tudo pode acontecer... E foi o que se viu, e é o que se vê - ao longo da História...

Carlos Sherman

Ato Revolucionário


Tela de Domenico Rosso ('Mercado de Escravas Brancas'; 1884)

"In a time of universal deceit - telling the truth is a revolutionary act." - George Orwell

"Almejar a integridade intelectual mesmo quando não existem podiums de chegada, trabalhando a serviço do endereçamento da verdade, constitui genuíno ato revolucionário; manter a independência em relação à ideologias e grêmios constitui condição sine qua non para tal condição..."
Carlos Sherman

Qual é a cor do poder???



Imagem: O mercado de escravos, óleo sobre tela, Jean-Léon Gérôme, c. 1867 - Instituto de Artes Sterling & Francine Clark

Publicado por 'Políbios de Megalópolis':

"ESCRAVIDÃO.Os brancos eram os mais procurados. Durante séculos, os califas islâmicos gastaram fortunas nos mercados de escravos para comprar "os melhores artigos": homens, mulheres e crianças provenientes da Espanha, da França e da costa dos Bálcãs. (...) Desde o século VII, as guerras de conquista comandadas pelos primeiros califas permitiram abastecer os mercados de escravos do Oriente, e esse movimento continuaria durante mais de mil anos. Nas sociedades muçulmanas, fundamentalmente escravagistas, a demanda por homens, mulheres e crianças era constante. No início, os brancos eram os mais procurados. (...) Se o tráfico de escravos brancos continuou um mercado muito rentável até o século XIX, os mercadores muçulmanos também se interessaram bem cedo pelos recursos humanos da África negra. Em 642, apenas um ano após a ocupação do Egito, uma primeira expedição dirigiu-se ao sul, em direção à Núbia, onde um rei local aceitou pagar um tributo anual de 360 escravos de ambos os sexos. A partir do final do século VII, tropas muçulmanas passaram a atacar os berberes do Saara ocidental e, no século XI, começaram a cruzar o deserto. Por muito tempo, essas expedições transaarianas teriam apenas um impacto limitado. Contudo, no século XVI, o paxá de Argel, Salah Rais, deu início à conquista do Império Songhai, maior reino da África ocidental na época, o que lhe abriu as para a exploração das riquezas da região. Em 1552, ele se apossou de Timbuktu, maior centro comercial do reino, e leiloou mais de l0 mil negros. Em 1591, os marroquinos ocuparam Gao, no rio Níger, e destruíram o Império Songhai: a partir de então, eles estavam prontos para controlar todo o comércio de escravos. (...) Até o século XVI, o tráfico negreiro foi praticamente monopólio do mundo muçulmano, e os mercadores, árabes ou persas, vendiam escravos negros, famosos pela sua força e seu vigor, na costa do Mediterrâneo, assim como em todo o oceano índico, e até na China, onde um mercado negreiro se desenvolveu em Cantão. A venda de escravos Ihes permitia comprar todos os produtos de luxo do Oriente, como pérolas, tecidos indianos ou porcelanas chinesas. (...) O tráfico muçulmano, no entanto, sobrevive até os dias de hoje - mesmo que a escravidão tenha sido oficialmente eliminada na Arábia Saudita em 1962 e na Mauritânia em 1981, ela ainda persiste em alguns países, em especial na Mauritânia e no Sudão. Embora uma avaliação seja muito difícil, estima-se que de 15 milhões a 20 milhões de negros, no mínimo, foram deportados desde o século VII. 

Fonte: LAURENTVISSIERE. História Viva n 88. 


Ética e Relativismo



Um grande amigo publicou o post abaixo:

A ÉTICA é uma coisinha relativa?
O sociólogo Peter Berger escreveu um livrinho delicioso:
"Introdução à Sociologia". 
Um dos seus capítulos tem um título estranho e delicioso: 
"Como trapacear e se manter ético ao mesmo tempo". 
Estranho à primeira vista. Mas logo se percebe que, na política, é de suma importância juntar ética e trapaça. Para explicar vou contar uma historieta. 
Havia numa cidade dos Estados Unidos uma igreja batista. O s batistas, como se sabe, são um ramo do cristianismo muito rigoroso nos seus princípios éticos. 
Havia na mesma cidade uma fábrica de cerveja que, para a igreja batista, era a vanguarda de Satanás. 
O pastor não poupava a fábrica de cerveja nas suas pregações.. 
Aconteceu, entretanto, que, por razões pouco esclarecidas, a fábrica de cerveja fez uma doação de 500 mil dólares para a dita igreja. Foi um auê..
Os membros mais ortodoxos da igreja foram unânimes em denunciar aquela quantia como dinheiro do Diabo e que não poderia ser aceito.
Mas, passada a exaltação dos primeiros dias, acalmados os ânimos, os mais ponderados começaram a analisar os benefícios que aquele dinheiro
poderia trazer: uma pintura nova para a igreja, um órgão de tubos, jardins mais bonitos, um salão social para festas. 
Reuniu-se então a igreja em assembléia para a decisão democrática. 
Depois de muita discussão registrou-se a seguinte decisão no livro de atas:
"A Igreja Batista Betel resolve aceitar a oferta de 500 mil dólares feita pela Cervejaria na firme convicção de que o Diabo ficará furioso quando souber que o seu dinheiro vai ser usado para a glória de Deus."
É isso aí...!

Objetei:

Ética é - tão e somente - manter a coerência quando já não existem testemunhas... Trata-se de um compromisso pessoal... Um traficante que vive à margem da sociedade e enfrenta abertamente esta condição não é anti-ético... Quando um político diz "vou ajudar as criancinhas" e desvia verbas destinadas a este compromisso, é efetivamente anti-ético... Moral é outra coisa, e outras coisas são outras coisas, rsrsrsrsrs...

Os batistas não são rigorosos em seus compromissos 'éticos' e sim em seus ambíguos ditames 'morais'... A moral, nesta caso, estaria relacionada a um códice 'divino'... 

A trapaça não pode ser 'ética', e, no delicioso caso relatado, um truque moral é tentado - até porque a moral do códice cristão é ambígua... 'Não matarás', mas 'se o seu filho for rebelde mate-o a pedradas e pendure o seu corpo em um madeireiro'... Conceitualmente isso é trapaça, falsidade ideológica, moral dupla-face, e atitude flagrantemente anti-ética... Isso é na realidade 'muita cara-de-pau' - para deixar barato...

Quem defende com argumentos de ocasião o que afirma praticar por uma questão de princípios, não acredita nem nos argumentos e nem nos princípios...

Carlos Sherman

segunda-feira, 24 de março de 2014

Ode à LUCIDEZ!!!



A 'crença na crença' assegura a existência de um homem intoxicado por deuses, misticismos diversos, ideologias populistas, e muitas vezes por um complexo coquetel místico-religioso-ideológico; um homem que chama a tal embriaguez de “sentimento” ou “iluminação”... Um bêbado entorpecido, incapaz de pensar ou mesmo ‘sentir’ com lucidez e independência - o que dirá com clareza (?)... Mas a falta de lucidez não os impede de almejar palanques, e nem de voluntariem seus discursos - amiúde...

A lucidez é revolucionária - e não o contrário...

É incrível e ordinária a defesa cega e fanática de bandeiras, grêmios e corporações... Mas é humana!!! Se você é ateu deve ser marxista [sic]... Se é marxista está obrigado a defender regimes 'ditos' de esquerda - não importando que atrocidades hajam cometido... Se almoça em um restaurante 'natural' deve incluir todo o pacote, curtir astrologia, numerologia e homeopatia [sic]... Este é o padrão!!! É assim que funciona a categorização Neuropsicológica... útil, e deveras falível...


É raro cruzar com homens livres e pensantes, e que dispensem a empunhadura de bandeiras - além da disputa eloquente para que tremulem, mesmo que sem escrúpulos, acima das demais... Valendo-se, tão e somente, do solipsismo e da identidade com o ideário de outrem; encontrando eco ora aqui, ora ali, e seguindo uma suposta ‘liberdade ideológica’ - quando a 'ideologia' está em flagrante e mutua exclusão com qualquer verdadeiro anseio por 'liberdade de pensamento'... E a corporação vence!!!

Não tolerar a intolerância é tratado como uma regressão ao infinito, enquanto a negação ideológica soa como negação freudiana [sic]... O materialista também deve ser ganancioso, e - claro - pouco atido à ética [sic]... Isso enquanto Dostoiévsky sentencia que “se deus está morto, então tudo é possível”... Horroresco referens... Certeza infeliz e barata...

O comunista está endossado como cientista - principalmente porque confundem 'tecnicismo' e 'política' com ciência... Confundem o entendimento da termofusão nuclear, que nos foi ensinado pelas estrelas, com a política governamental de cunho armamentista - não importando se os decretos estão firmados por destros ou canhotos 'de pensamento'... Confundem a descoberta do grafeno com a suposta "dissolução de famílias" causada pelo consumismo dos celulares multimidiáticos... E não notam que o culto a Lenin na necrópole do Kremlin nada deve aos cultos à Virgem de Guadalupe e a Tutankamon...

É ridículo como os partidários da 'dita' esquerda, em seu fanatismo e fundamentalismo, traçam uma exegese de sabor marxista para explicar, por exemplo: "a moda de usar bengalas, ditada pela classe dominante"... A bengala, segundo tais devaneios, seria "usada pelos burgueses em substituição à espada" - e isso, já que estavam impedidos de fazê-lo... Reles vitimologia, ignóbil maniqueísmo... 

Todos os costumes, nas mãos de tal servidão marxista, imanam da luta pelo poder - como efeitos colaterais inalienáveis do eterno e histórico "imperativo categórico" da "luta de classes"... De onde mais poderiam vir [sic]??? Isso é como escarrar sobre a mais elementar noção hodierna de Cultura, Antropologia, Biologia, Evolução e Comportamento Humano... 

Tais devaneios 'precipitados' estiveram na boca de homens como Voltaire, de um Rousseau, ou mesmo do 'genuíno' Montaigne... E apenas por denunciar tais rosários sou automaticamente alçado à condição de partidário da tradição, família e propriedade... E muito trabalho me custará mostrar que este 'igualmente' triste rebanho mais se assemelha aos 'igualmente' tristes adoradores da causa rubra - que ceifam a liberdade pela foice, martelando a unidade 'monoteísta' no pensar, num entrecruze similar às crucificações de outras hostes...

Críticas rasteiras, velhas??? Talvez... Mas se o relicário está vivo ainda hoje, e fundamentando discursos e palavras de ordem!?! Como não invocar - e denunciar - suas origens?!?

O cartesianismo, uma vez que invoca a Geometria, 'deve' ser cientifico [sic]!?! E claro que não é!!! Afinal Descartes e Leibniz amargaram, com assoberbada arrogância, um bom lote de devaneios carolas, e de conservação das 'pedras' cristãs 'exatamente' onde estavam; muito embora valendo-se de 'novos' constructos, e pregando em outra linguagem... A tautologia, agora, também fazia contas; e isso não os tornava per si, mais 'cientes' de nada...  

Iluminismo, Humanismo, Espiritualismo, Marxismo, Socialismo, Positivismo, Freudismo, Determinismo, Existencialismo, Racionalismo, Pragmatismo, Materialismo, Neopositivimo, Estruturalismo, Ateísmo, Niilismo, Fenomenologismo, Teismo, Deismo, Agnosticismo, Ateísmo, Criticismo, Capitalismo, Liberalismo, Neo-liberalismo - CINISMO... E o pior dos ‘ismos’ modernos: o cientificismo... Meros corporativismos ideológicos e muito barulho por nada... Um banquete de rótulos e flagrante indução de radicalismos à serviço da desconstrução do debate...

O meu obséquio está posto em palavras.... Ainda precisarei de premissas, argumentos, evidências e provas... Sempre, e sempre mais... E a propósito, respondendo aos que insistem em chamar àqueles que não precisam da "crença na crença" de crentes: - Não colecionar selos não é uma coleção!!!

Carlos Sherman

terça-feira, 18 de março de 2014

Pai



Pai,

Quando Sócrates foi condenado à morte por suas reflexões filosóficas e por blasfemar contra os deuses de sua cidade - e cuja blasfêmia hoje se constituiu como mero fato mitológico -, ele escutou o veredito com resignação, e aceitou sua sentença de morte sem sobressaltos... Ele então disse algo como ‘bem, talvez ainda me seja concedida a fortuna de debater com grandes pensadores, filósofos e céticos, quem sabe após a minha morte, sobre o que seria realmente bom, belo, nobre, puro, ético, ou sobre o que seria ou não verdade'... Por que essa era, segundo Sócrates, e enquanto saia pela porta dos fundos de sua vida, a única conversa ou debate que realmente valeria a pena travar...

Não sei bem se o mundo que me sucederá, quando aquele brilho já não possa ser denotado em meu olhar, entenderá a premência de tais debates e questões; mas sei que Sócrates tinha toda a razão, e deixou uma marca indelével, enquanto, pelas minhas contas, saiu altivo pela porta da frente da História da Humanidade... O que eu sei, e bem sei, é que esta é a conversa e a reflexão mais importante com a qual devo me ocupar - enquanto ainda estou vivo... Nada pode ser mais importante do que tais questões... Nada - de fato - é!!!

A oferta da salvação deitada sobre alguns covardes, eleitos às custas do sofrimento de muitos mais; esta certeza cega de uma imortalidade fantasiosa, o apelo ao dogma da submissão, em um ato de fé deplorável e sinistro, uma fé que não pode ser sequer permeada pela verdade; toda esta liturgia de morte ao pensamento não seduz a minha integridade intelectual... Estas são oferendas e bênçãos que não valem a pena possuir...

Aceito os risco de pensar, insaciável, sedento por um saber que nunca será o bastante, ciente de que nunca terei aprendido o suficiente; faminto, e isso sim ad eternum, pela possibilidade de uma nova colheita de experiências e conhecimento, que ainda assim não poderá aplacar a minha curiosidade... Dirigindo-me a um lugar sempre mais claro, mas irremediavelmente sem fim...

Eu os exorto, homens de bem, a desconfiar daqueles que pretendem negociar vossa pretensa salvação cobrando vossa liberdade... Invocando a pulsão de morte apocalíptica, e mostrando o porrete, enquanto recitam versos caquéticos... A humanidade é tão jovem, somos tão jovens!!! Vocês não estão mortos ainda, a pulsão de vida vos atravessa... Eu os exorto a repudiar a repetição nauseante orientada para que capitulem de joelhos, e aceitando as crenças deles - todos eles...

Por que o desespero de crer se podemos esperar para saber??? Pelo bem comum, pelo bem da humanidade!!!

Desconfiem do apelo excessivo às tradições... É certo que algumas poucas pedras devem permanecer onde estão, mas não por amor às pedras, e sim pelo apreço que sentimos pelos homens... Horror maior não há, do que a sentença de que só poderemos viver se curvados à uma autoridade absoluta... 

Não pensem nisso como uma dádiva, este é genuinamente um cálice de cicuta... Afastem este cálice, tomem os riscos da liberdade de pensamento, afinal, só existe grandeza e humanidade neste ato... Orientem-se pela integridade intelectual... Só assim endereçaremos alguma verdade, e só assim produziremos alguma beleza, justiça, e bem comum...

Por certo enfrentarei desafios até os meus últimos instantes... E espero ainda, e em função das decisões que precisei tomar, que a vida não dure além da conta... Parafraseando Chico Anysio, posso dizer que não temo a morte, embora sinta um enorme pesar pela partida... Fica uma sensação de desperdício... E ainda mais quando os terços são recitados...

É verdade, meus amigos e detratores, este é  único assunto em que consigo pensar, o único que realmente me provoca tratar, o mais importante e urgente!!!

Pai, eu sei que passo a maior parte do meu tempo sozinho, poucos alcançam estas altitudes... Mas eu entendo o processo, e já me acostumei com a vertigem e a paisagem... Esta é minha sina, e ainda assim gosto de pensar que herdei o melhor de vocês em meus genes... Não é irônico?!?


      Carlos Sherman ‘Junior’ (Inspirado por Hitchens, Harris e Russell) 

Pense por si mesmo - Christopher Hitchens

Richard Wagner, o Nazismo e o Holocausto - Stephen Fry (legendado)

domingo, 16 de março de 2014

Todos 'eles'???

"Os homens não conseguem desejar a mulher que amam, nem amar a mulher que desejam."
Jacques Lacan
E a vida mostra isto mais dias menos dias. Questão de tempo.
Curtir ·  ·  · há 3 horas · 
  • 10 pessoas curtiram isso.
  • Zana Otto Q CONFUSÃO!!! KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
  • Angela Vieira hum hum amiga.
  • Carlos Leger Sherman Palmer Todos eles??? Rrsrsrs, esqueçam Lacan...
  • Angela Vieira nada é unanimidade, mas digamos que a maioriaCarlos
  • Carlos Leger Sherman Palmer Rsrsrsrsrsrs, isso depende, e pode rolar de mulher para homem também... Gostar, desejar, amar, são questões bem complexas para resumirmos com aforismos... E Lacan não parece ter entendi do muito sobre o comportamento humano... Querida, acho que estes aforismos rompantes, 'a mulher é isso', 'o homem aquilo', não levam a absolutamente nada... Perdão que o diga... E obviamente podemos discordar... Mas pense no objetivo de publicá-los... Pense bem... Se existem bons motivos, acho que seria imperioso estudar o comportamento humano para contribuir ainda mais... O 'achar que' precisa estar acompanhado do 'saber como'... Homens e mulheres tem mais similaridades do que diferenças - embora possuam tocantes diferenças... E homens e mulheres são humanos, têm personalidades 'humanas'... Insisto que existem homens e mulheres de todo o tipo... Precisamos encarar os aspectos evolucionários, genéticos, gestacionais, imprintings, meio compartilhado e não-compartilhado, papéis sociais, aprendizado... E teremos humanos.. O sexismo não conta toda a estória sobre homens e mulheres, e na verdade não conta estória alguma - e desfarei esta confusão em meu livro 'ADÃO - O Sexismo e As Origens da Homofobia'... Se concordamos, você e eu, que não existe essa dualidade de gênero quando tratamos da questão homoafetiva, por que nos aferrar à questão de gênero para outros propósitos??? Não lhe parece contraditório??? Pense bem... Existem diferenças entre homens e mulheres, mas cuidado quando ressalta tais diferenças, porque boa parte dela simplesmente não existe, e boa parte vem de discursos feministas e homofóbicos... O que denotamos como 'mulher'??? Estamos nos referindo ao aparelho genital??? Se assim é, como ficaremos na questão homoafetiva??? Existem 'homens' - pelo critério genital - que sentem-se como mulheres... E aí??? O 'gênero no cérebro' é tão complexo que permite que os genitais sejam deixados de lado quando encaramos a questão do afeto... E sendo assim quem são os homens e mulheres???
  • Carlos Leger Sherman Palmer Homens acusam mulheres de serem interesseiras, de pensar em carro, grana, etc... E podemos concordar que as mulheres se aferram mais à condição econômica do candidato do que o homem... Isso é evolucionário...
  • Angela Vieira Carlos...eu nao preciso estudar meu querido pra ver isto. Eu já vejo isto em muitos casais, passei por isto e nao tenho tantas reservas quanto à Freud Lacan e Deus como vc tem. Mas esteja ciente que aqui vc pode dar toda opinião que vc quer.Leio todas por considerar vc uma pessoa com cultura e que gosto disso. Fique a vontade.
  • Carlos Leger Sherman Palmer Da mesma forma homens têm uma tendência evolucionária à 'escapadinha'... Não estou defendendo isso, estou explicando este vetor no cérebro dos machos mamíferos - todos eles...
  • Carlos Leger Sherman Palmer Sobre o comportamento humano virão miríades de acordos sociais, e então não podemos invocar a tendência da mulher à solidez financeira, nem do homem à multiplicidade de parceiras... E nos dois casos, se rotularmos homens e mulheres de tais comportamentos estaremos sendo muito infelizes...
  • Carlos Leger Sherman Palmer Ou seja, sugiro de fato pensar melhor na motivação dos aforismos, e sendo assim procurar aprofundar a questão... Vou dedicar um capítulo de meu livro a você, rsrsrsrsrsr...
  • Carlos Leger Sherman Palmer Querida diz que não precisa estudar mas deseja opinar, só posso silenciar e não perder o meu tempo... Não é uma questão de 'reservas' quanto a Freud e Lacan, é uma questão FACTUAL... Freud estava absurdamente equivocado, Lacan seguiu no mesmo barco... Até certo ponto... Mas é isso, você pretendo o direito de opinar, e eu não deveria abrir o Facebook, pois fico tentado a endereçar a verdade... Você 'acha que' e não precisa 'saber como'... Só posso deixa-la na companhia de Lacan: 

    "Nossa prática é uma trapaça, blefar, fazer as pessoas pestanejarem, impressioná-las com palavras astuciosas, é de qualquer forma o que se costuma chamar de engodo. [...] Do ponto de vista ético, nossa profissão é insustentável; é, aliás, justamente por isso que eu fico doente só de pensar nela, porque eu tenho um supereu como todo mundo.[...] Trata-se de saber se Freud é ou não um acontecimento histórico. Acredito que ele fracassou no seu golpe. É como eu; em muito pouco tempo ninguém mais se importará com a psicanálise"
    Jacques-Marie Émile Lacan

    Lacan fez a 'mea culpa', em uma conferência proferida em Bruxelas em 26 de Fevereiro de 1977, transcrita na íntegra pela revista Le Nouvel Observator, no. 880, de Setembro de 1981, p.88... Lamento informar, e este é o resumo da Ópera... Boa noite...