Pesquisar este blog

DESTAQUE

A CIÊNCIA DO ERRO | Sobre Verdades, Veracidade e Realidade Objetiva - Parte 1: Uma resposta a Marcelo Gleiser

A CIÊNCIA DO ERRO Sobre Verdades, Veracidade e Realidade Objetiva Parte 1:   Uma resposta a Marcelo Gleiser Dedicado ao me...

sábado, 29 de dezembro de 2012

Quem somos nós???


Somos que somos sem intencionar sê-lo, mas somos... E responderemos por nossos atos diante dos acordos sociais vigentes, dentro das virtuais fronteiras nacionais, no vasto loteamento terrestre... Mas o livre-arbítrio é meramente uma falácia, e um velho e carcomido recurso teológico, que a Neurologia refuta...

Carlos Sherman

Natureza e Cultura


Indo do nada ao lugar algum... Uma viagem quântica...



Um grande amiga publicou o seguinte post:

Física Quântica aplicada à era da consciência lúcida
somostodosum.ig.com.br
http://somostodosum.ig.com.br/conteudo/conteudo.asp?id=7972#prettyPhoto

Trata-se de uma página pra lá de picareta, disfarçada de esotérica, uma agência de viagens na maionese, com pacotes para todos os gostos e 'circos': "almas gêmeas", "astrologia", "tarô", "vidas passadas", "numerologia", "oráculo dos cristais", "chakras e cristais", "interativo de auro-soma", "cura da alma", "radiestesia", "Feng Shui",   "Projeciologia", "EFT - Acupuntura Emocional (sem agulhas)", "Psicologia Energética" e PSICOLOGIA...

A responsável pelo 'artigo' - ou pela piada de mal gosto - era uma tal Silvia Malamud, que alardeava vendendo o seu peixe: "Interesse-se por experiências fora do corpo, vale a pena. Um desenvolvimento da consciência que tem um diferencial sobre as crenças usualmente apreendidas"... O 'artigo' estava recheado de pérolas verborrágicas do non sense, a começar pelo título:

(1) Física Quântica aplicada à era da consciência lúcida... (2) "Muitas pessoas ao redor deste planeta se questionam sobre quem se é ou sobre o que se é. São os mesmos que orbitam nessas esferas de busca, que vez por outra ouvem a sua voz interior lhes dizendo serem um algo muito maior do que este corpo físico no qual habitam."; (3) "Com o passar dos anos, nós, crianças que fomos, aprendemos na escola, que somos seres formados de células, moléculas e que estas são um aglomerado de átomos compostos por prótons, nêutrons e elétrons, etc. Tudo muito lógico, tudo muito linear, tudo muito cartesiano..."; (4) "Estamos inundados de relatos infantis sobre suas histórias de amigos invisíveis, ou sobre vivências fora do corpo, onde o viajante costuma ir para locais distantes, para lugares da imaginação(?)."; (5) "Isso ocorre até que se passe por uma experiência fora do corpo, com um maior grau de lucidez e se tem plena certeza do ocorrido..."; (6) "A partir de então, uma avalanche de questões invade o projetor. Pesquisas mostram que ao menos por uma vez durante a vida, que todos nós, sem exceção, teremos alguma experiência desta ordem."; (7) "O que somos? Seríamos nós consciências habitando um corpo físico? Quais seriam então as nossas possibilidades além corpo? Existe a morte como aprendemos? Até onde as nossas crenças ajudam a fazer de nós o que não somos?"; e arremata (8) "Somos totalmente alineares e atemporais. Coexistimos em diversas realidades ao mesmo tempo. Não se permitir é o mesmo do que roubar-se de si mesmo. Não buscar autoconsciência pode resultar em estados de apatia e depressão. Somos multimodais, criamos a nossas realidades a todo instante. O futuro da humanidade já está presente neste sentido. Ser pioneiro não quer dizer que você será o único, apenas estará abrindo novos caminhos para uma evolução que já começou."... E mais (9) "Crenças são lentes coloridas que norteiam o caminho existencial de cada um. Têm o poder de trazer saúde, alegria e vida. E se você for sério na sua autopesquisa e mudança de contexto, na certa poderá mudar a sua vida para muito, mas para muito melhor - e mais - ser e fazer tudo o que imaginar. O poder das crenças, aliado a um foco sério, somado à força da intenção de seus desejos mais genuínos tem alcance de ações e materializações ilimitadas. Experimente." 


Não costumo desperdiçar o meu tempo com tamanho delírio, mas achei que valeria à pena confrontar este Circo de Horrores, disfarçado de Jardim do Éden 'Quântico'... 

Minha amiga desafiou: Você discorda?

Desembainhei enquanto ironizava: O que você acha???

Ela, que é uma mulher inteligente e me conhece muito bem, ponderou: É bem imbecil essa matéria!

Anuí: Sim, é 100%... Aliás todo o site...

Posso explicar o fenômeno, toda a baboseira e o aproach 'quântico'... Vamos por tópicos:

1. O "oba-oba" Quântico - ou Física Quântica aplicada à era da consciência lúcida... 

Os meios 'esotéricos' teimam em utilizar o conceito "quântico", advindo da Mecânica ou da Física Quântica, sem o menor pudor, sem o menor escrúpulo, e sem a menor ideia do que signifique ser 'quântico'... Trata-se de uma manobra intencional e sórdida... Esta tentativa inescrupulosa baseia-se no seguinte truque, 'átomos estão conectados entre si no universo, logo, a partir destas conexões física - quânticas -, os átomos de nossa consciência - ou de nosso cérebro - podem emergir como consciência cósmica, já que sistemas neurais também são compostos por átomos'... Sendo assim, de forma bastante obscura, tratam de produzir uma enorme nuvem de fumaça 'quântica', de onde qualquer absurdo pode emergir, e assim podem tirar qualquer coisa da cartola... Mas não tão rápido... Primeiro porque, apesar de haver uma leitura 'quântica' para o mundo 'subatômico', isso não invalidada leitura clássica - se assim preferem - da realidade macroscópica... Por exemplo, atomicamente sabemos que a maior parte do volume de um átomo é 'espaço vazio'... Daí, se abusarmos do reducionismo, poderemos dizer que 'somos espaço vazio', assim como uma parede logo à nossa frente... Então, tentem atravessar uma parede... A experiência 'quântica' será, asseguro, bastante desagradável... De forma que, o comportamento neural está perfeitamente bem explicado até o nível dos neurônicos, sinapses, neurotransmissores e receptores, sem espaço para subterfúgios e reducionismos quânticos... A distância dos efeitos quânticos subatômicos para os sistemas macroscópicos, e portanto biológicos, é demasiada para ser vencida em viagens na maionese, e por pessoas desonestas ou doentes, absolutamente desconhecedoras da Mecânica Quântica e do Cérebro ou Mente Humana... Já havia explicado isso em vários posts anteriores, mas para um sistema ser considerado mecanicamente 'quântico' a massa típica deste sistema (m), a velocidade (v) e a distância (d) devem estar na 'ordem' ou magnitude da constante de Planck (h)... Simplificando se 'm*v*d' é maior ou muito maior do que 'h', tal sistema está fadado à interpretação clássica... Sem direito a sursis... 
E a constante de Planck é '6,626068 × 10-34 m2 kg/s'... Ou seja, um sistema neural, parte do mundo REAL, está evidentemente e inexoravelmente fadado à leitura física e mecânica, clássica... Trata-se de uma sistema Biológico...

Se um átomo é composto de um núcleo, e de uma eletrosfera bem maior do que o núcleo, e habitada por poucos e minúsculos elétrons, poderíamos dizer pela análise atômica que sim, somos compostos por espaço vazio... Um átomo é composto majoritariamente por espeço vazio... Mas a sensação que experimentamos, e macroscopicamente, será medida de outra forma... Isso porque existe energia cinética e forças atuando... Mas não se trata de nenhuma magia, e isso não muda o mundo físico... 

(2) Sobre a voz interior, sobre "orbitar nestas esferas de busca",  onde "vez por outra ouvem a sua voz interior lhes dizendo serem um algo muito maior do que este corpo físico no qual habitam.": O nosso sistema neural está sujeito à ilusões, e tais ilusões são exploradas por aqueles que inescrupulosamente ganham dinheiro iludindo pessoas... Cerca de 20% dos humanos são altamente auto-sugestionáveis, cerca de 20% nunca o são, e existe uma nuvem de 60% que dependeram do truque, do mago e das circunstâncias... Tais "vozes interiores" normalmente não passam de auto-sugestão ou coisa pior... Vivemos sujeitos à alucinações auditivas e visuais sob diferentes condições e estresse... A "voz interior" pode ser induzida, sempre... Trata-se de um fenômeno bem conhecido e estudado, e ilusório... Sobre "esferas de busca", trata-se de pura 'cara-de-pau', verborragia barata, triste, desonesta...

(3) Sobre crianças, linearidade e Descartes:
"Com o passar dos anos, nós, crianças que fomos, aprendemos na escola, que somos seres formados de células, moléculas e que estas são um aglomerado de átomos compostos por prótons, nêutrons e elétrons, etc. Tudo muito lógico, tudo muito linear, tudo muito cartesiano...";
Crianças crescem e tornam-se adultas... Isso não é um passo negativo, e sim um passo natural e necessário... Adultos cuidam de crianças, e crianças tornam-se adultas para cuidarem de outras crianças, e assim seguimos em frente... E crianças vão à escola, para aprender como o mundo REAL funciona, e para que não sejam presas fáceis de criminosos inescrupulosos vendendo mentiras embaladas em papel prateado e cartões com frases feitas... E para que entendam, na escola, o que é lógica, o que é ser 'linear', e o que significa 'cartesiano'... Deveríamos nos empenhar mais, muito mais, para realmente ensinar o raciocínio lógico, e isso contribuiria para esvaziar o discurso ilógico de certos mercadores de ilusões... Depois deveríamos explicar o que exatamente significa um sistema linear, para que bandidos como Malamud não pudessem desfilar seus truques impunemente... E sobre Descartes, devo dizer que nunca houve tanta confusão... 

O oba-oba esotérico costuma usar jargões do tipo "Tudo muito lógico, tudo muito linear, tudo muito cartesiano..."... Tudo muito 'lógico' é lógico, que será de bom grado... Não podemos sugerir a adesão à coisas 'ilógicas'... E muitos fenômenos não são lineares, e inclusive a maioria deles, e isso no mundo REAL, macroscópico, e em plena Física 'clássica'... Mas os 'sonhos cartesianos' sobre a consciência foram a muito tempo desbaratados pela neurofisiologia... Descartes fala aos crentes e não à ciência, apesar de algumas contribuições ofuscadas por disparates... Descartes acentua a dualidade corpo e alma, e erra feio em suas conjecturas... É errado associar ciência com os devaneios cartesianos, como a autora, do alto de sua ignorância, teimou em fazer... Mas tudo é válido quando não existem escrúpulos... Descartes representa mais ao esoterismo do que a Ciência em sua dualidade corpo e mente - ou alma...

(4) Sobre estórias infantis e "vivências fora do corpo":
"Estamos inundados de relatos infantis sobre suas histórias de amigos invisíveis, ou sobre vivências fora do corpo, onde o viajante costuma ir para locais distantes, para lugares da imaginação(?).";
Relatos infantis são relatos infantis e como bem sabemos incorrem quase sempre em fantasia, pura e simples... "Vivências fora do corpo", são uma contradição em si... Não há vida sem um corpo... Não há vivencia sem vida... Diferentemente do que Descartes pensava, na primeira metade do século XVII, não somos uma mente que habita um corpo, somos um corpo, comandado pelo cérebro... Tudo isso é físico e REAL...

Podemos induzir "viagens astrais", "experiências fora do corpo", e podemos explicar neurofisiologicamente a 'mecânica' de tais sensações ilusórias - há muito tempo... Em 2002 a consagrada Nature publicou um artigo sensacional sobre um estudo levado a cabo pelo neurocientista suíço Olaf Blanke... Ele e seus colegas conseguiram produzir experiências fora do corpo por meio da estimulação elétrica de uma área conhecida como 'giro angular direito', no velho e conhecido pai das alucinações: 'os lobos temporais'... 

Uma paciente de 43 anos, que sofria de epilepsia, e voluntariou-se para o experimento, viu o seu próprio corpo deitado na cama... A sensação foi descrita por ela como de 'flutuação' e 'leveza', como se 'voasse pelo quarto'... Olaf descobriu que poderia até controlar a altura em que ela 'flutuava', regulando o sinal elétrico sobre os lobos temporais... Os lobos temporais sempre estão associados com crenças, e sensações ditas esotéricas... Por exemplo, após uma convulsão epilética normalmente existem relatos de experiências místicas... 

Um importante neurocientista, Penfield, na década de 50, operava os paciente com o crânio aberto, enquanto eles estavam despertos... E ele introduzia pequenos eletrodos para estimular as partes do corpo... Com isso ele mapeou toda a nossa parte sensorial, rsrsrsrs... Um herói... Até hoje usamos o Mapa de Penfield, ou o Homúnculo de Penfield... Seus pacientes também foram heróis, sem dúvida....

A tal experiência de 'quase morte' também está explicada, é pode ser reproduzida, com efeito túnel - ou a luz no fim do túnel - e tudo mais... Trata-se do fenômeno da HIPOXIA, ou falta de oxigênio no cérebro... As experiências fora do corpo são ilusões somatossensoriais... Nada mais... E muitas das pessoas que alegam viver diariamente tais experiências na verdade precisam de tratamento urgente... E os seus algozes estão à solta, em sites como este...

Tais "viajantes" acreditam que são eleitos, médiuns, sensitivos... Mais de 80% dos casos de epilepsia não produzem convulsões... O que significa que a esmagadora maioria dos epiléticos não sabe que tem algum problema nos lobos temporais... Descobrimos que necessitam de ajuda exatamente porque começam a exibir comportamento esotérico... Crenças exacerbadas, alegando ter uma missão, ou poderes extraordinários... E então, os familiares procuram um neurologista... Mas em famílias mais humildes, ou como foi no passado, tais pessoas são consideradas místicas, médiuns, sensitivos... Como no caso de certa família em Uberaba, rsrsrsrsrsrs...

Chico Xavier foi diagnosticado 'epilético', mas se fosse possível aprofundar o tema, poderíamos até mesmo ter constatado esquizofrenia... Se podemos associar tais fenômenos, à uma área na anatomia do cérebro, e reproduzi-lo, já não existe nada esotérico, nem quântico... 

Na Síndrome de Capgras, por exemplo, de um momento a outro, uma pessoa se vira para o seu filho e diz: "você não é meu filho, é um impostor"... E acredita piamente nisso... Dois casos são emblemáticos, os dois nos Estados Unidos... No primeiro uma mulher chega a matar o marido alegando que ele era um impostor... No outro caso, uma paciente de Oliver Sacks - o médico na vida real, encenado por Robin Williams naquele filme sobre autismo com Robert de Niro -, cochicha que 'este homem que está em minha casa é um impostor, mas tudo bem, ele faz sexo melhor que o meu marido'....

Temos a Síndrome Charles Bonnett: quando alguém enfrenta problemas a visão ou fica permanentemente cego, a parte do sistema neural responsável por receber os estímulos óticos e decodificar em imagens, fica confusa... Então, começamos a ver pessoas, personagens de estórias em quadrinhos, monstros, etc... Mas são absolutamente reais na sua cabeça... O pernalonga estava conversando com outra paciente de Oliver Sacks, mas ele estava sentado em um sofá, e o peso do corpo dele afundava o sofá... A imagem é REAL, parece REAL, mas não passa de ilusão...

Pessoas que são obrigadas a seccionar os hemisférios cerebrais assistem o lado direito do corpo, literalmente, brigar com o lado esquerdo... Tecnicamente, problemas nos lobos temporais dissociam o seu 'eu', a sua 'mente', em relação ao seu corpo... Fracassa a integração entre a complexa informação somatossensorial e o sistema vestibular, responsável também pela manutenção do equilíbrio... 

(5) Não existe lucidez na ditas experiências fora do corpo, afinal SOMOS UM CORPO... E a única certeza é a existência de uma perturbação neurofisiológica:
(5) "Isso ocorre até que se passe por uma experiência fora do corpo, com um maior grau de lucidez e se tem plena certeza do ocorrido..."; 

A análise de budistas em meditação, e até mesmo com freiras franciscanas, demonstrou que quando em meditação ou oração, havia uma enorme baixa de atividade nos lobo parietal posterior superior... Esta região também é conhecida como 'área da orientação-associação'... Tais estados profundos, reduzem absurdamente a atividade no lobo parietal posterior superior, e o resultado disso é a dificuldade em locomover-se, e orientar-se... Pessoas com problemas especificamente nesta área tem dificuldade até mesmo para orientar-se em casa, e andam esbarrando nos móveis... Mesmo que você veja o obstáculo, o seu cérebro não consegue processar esta informação e coordenar os movimentos... Ou seja, estes estados provocam certo entorpecimento, sensações ambíguas de levitação, e desconexão do corpo... Os lobos temporais estão relacionados com a dissociação do eu... Os lobos parietais estão mais ligados à orientação...

Conclusivamente, no caso das orações e meditações profundas, quando os lobos parietais estão em 'hibernação', a linha divisória entre fantasia e realidade é apagada... A experiência é descrita como mística, quando na realidade foi bem terrena... Isso explica porque monges experimentam uma integração com o Universo, enquanto freiras franciscanas se encontram com o seu 'esposo', rsrsrsrs, deus...

Esta hipótese foi pro fim provada em 2010... Cosimo Urgesi, e seus colegas na Universidade de Udine, estudaram a personalidade de 82 pacientes, antes e depois da cirurgia para remoção de tumores nos lobos parietais... Um traço em particular assombrou a todos... A 'auto-transcendência'... As pessoas passaram a ficar absortas em certas atividades, a ponto de perder a noção de tempo e lugar... O mais marcante foi o incremento dos relatos de conexão espiritual e mística... 82 pacientes a esmo, cujo o único problema comum era um tumor nos lobos parietais... Mas a Itália, o interior da Itália, é muito religioso... 

Experimentos neurocientíficos utilizam um capacete magnético, para excitar os lobos temporais e parietais... O resultado foi o seguinte, aqueles que acreditam em deuses sentem uma conexão com os seus 'respectivos' deuses... Quem acredita em uma 'força', 'energia', ou no sobrenatural, relatava experiências místicas... E os céticos relataram uma conexão com a natureza... Existe um mecanismo que nos aferra ao chão, a nós, ou nos permite 'transcender', ou seja, perder a noção de 'eu', e sentir-se conectado a outras coisas... Quando este mecanismo é burlado, rebuscamos a memória e nos 'integramos' a 'seja lá o que estiver por lá', rsrsrsrsrsrsrs... 

(6) Apenas alucinações:
"A partir de então, uma avalanche de questões invade o projetor. Pesquisas mostram que ao menos por uma vez durante a vida, que todos nós, sem exceção, teremos alguma experiência desta ordem."; 
O conceito de "uma avalanche... invade o projetor" está bem colocado, embora objetivando o efeito contrário... Uma avalanche invadindo o projetor é o diagnóstico de graves problemas envolvendo os lobos temporais e parietais, inclusive tumores...  


(7) Curtinhas:
O que somos? Seres vivos, espécie Homo sapiens sapiens - uns menos do que outros...
Seríamos nós consciências habitando um corpo físico? Não, os devaneios CARTESIANOS já foram superados pela Neurociência... Somos um corpo...
Quais seriam então as nossas possibilidades além corpo? ZERO, NADA, MORTE... Qual a nosso possibilidade sem o nosso cérebro... Aliás, como piadinha, o transplante de cérebro é o único em que o beneficiado é o doador... Pense nisso...
Existe a morte como aprendemos? Morrer é morrer mesmo, i.e., deixamos de existir... Tudo que for dito em contrário é mera fantasia alimentada pelo medo ou por problemas neurais...
Até onde as nossas crenças ajudam a fazer de nós o que não somos? Crenças ocupam o espaço que poderia ser ocupado pelo saber legítimo... Sempre foram e continuam sendo nefastas...

(8) Blá-blá-blá esotérico de cabeceira:
Somos totalmente alineares e atemporais. Coexistimos em diversas realidades ao mesmo tempo. Não se permitir é o mesmo do que roubar-se de si mesmo. Não buscar autoconsciência pode resultar em estados de apatia e depressão. Somos multimodais, criamos a nossas realidades a todo instante. O futuro da humanidade já está presente neste sentido. Ser pioneiro não quer dizer que você será o único, apenas estará abrindo novos caminhos para uma evolução que já começou."... 
SÓ EXISTIMOS, RIGOROSAMENTE, NO TEMPO... FUGIR À REALIDADE É UMA FORMA TRISTE DE MORRER 'EM VIDA'... NÃO PODE HAVER NADA MELHOR DO QUE A VIDA REAL... A CIÊNCIA SERVE PARA TESTAR A NOSSA LUCIDEZ... SOBRE SER 'O ÚNICO', SE VÊ SIGNIFICADO EM SITES GROTESCOS COMO ESTE, NÃO SE SINTA MAL POIS NÃO SERÁ O ÚNICO NA SALA DE ESPERA DE SEU NEUROLOGISTA...

(9) Sobre lentes coloridas, entorpecimento e verdade...
Crenças são lentes coloridas que norteiam o caminho existencial de cada um. Têm o poder de trazer saúde, alegria e vida. E se você for sério na sua autopesquisa e mudança de contexto, na certa poderá mudar a sua vida para muito, mas para muito melhor - e mais - ser e fazer tudo o que imaginar. O poder das crenças, aliado a um foco sério, somado à força da intenção de seus desejos mais genuínos tem alcance de ações e materializações ilimitadas. Experimente.
Boa metáfora, 'lentes coloridas', para ver as coisas como elas NÃO SÃO... Consulte os preços para as 'terapias' deste Circo de Horrores... Pacotes para viagens esotéricas de todos os gostos... Entorpecidos pela fala fácil, estruturada, verborrágica, que constrói uma sólida ponte ligando 'o nada' ao 'lugar algum'... Um mudno de faz de contas com promessas fáceis, tal e qual o mundo das drogas... O site sugere que você abandone as crenças tradicionais, que já não respondem à sua necessidade de 'crer na crenças', e lentes coloridas e drogas mais pesadas, são dispostas na tela... Escolha!!! Escolha a verdade... Clique no 'x' na parte superior de sua tela... Fustigue a verdade, mesmo que para isso precise consultar um neurologista... Porque a verdade não tem adjetivos... Insiste, persiste, resiste, penetra... SEMPRE...

"Quem nada sabe, em tudo crê" - Jan Neruda

Carlos Sherman

Sobre igrejas e pára-raios...



Por que as igrejas tem pára-raios e seguro contra incêndio? Não entendemos os planos de deus ou você não entende a REALIDADE? A isnpiração bíblica depende da neurofisiologia e da ignorância de quem lê; quando lê... E quem nada sabe em tudo crê... – Carlos Sherman

Na Índia só a vaca é sagrada...


Série de estupros coletivos choca e mobiliza sociedade na Índia

Publicação: 28/12/2012 09:09
Militantes da ONG Aastha protestam em Mumbai: 'Respeitem as mulheres' (Punit Paranjpe/AFP)
Militantes da ONG Aastha protestam em Mumbai: 'Respeitem as mulheres'

Uma estudante indiana de 23 anos trava uma luta pela própria vida em um hospital de Cingapura, depois de ser estuprada por seis homens em Nova Délhi, no último dia 16. Vítima do mesmo crime, uma adolescente de 17 anos cometeu suicídio após ser forçada pela polícia a retirar as acusações e a se casar com um de seus agressores, em Patiala (norte). A cada 18 horas, uma mulher é violentada na capital da Índia, de acordo com o Escritório Nacional de Registros de Crimes. Manifestantes tomaram as ruas da cidade e acusaram as autoridades de não levarem a sério as denúncias de agressões sexuais em um país onde 228.650 dos 256.329 crimes violentos registrados no ano passado tiveram como alvo as mulheres.

O caso da estudante de fisioterapia é considerado por muitos como o estopim para uma discussão sobre a segurança pública e a legislação penal. O primeiro-ministro indiano, Manmohan Singh, classificou o caso de “atroz” e anunciou a abertura de uma investigação especial. O Hospital Mount Elizabeth, em Cingapura, omitiu a identidade da jovem e revelou que seu estado é “extremamente crítico”. Seis homens a estupraram no interior de um ônibus, a golpearam com uma barra de ferro e a arremessaram do veículo. “Antes da chegada ao hospital, ela se submeteu a três cirurgias abdominais e sofreu uma parada cardiorrespiratória na Índia”, afirmou o médico Kevin Loh, diretor do Mount Elizabeth, citado pela rede de tevê Al-Jazeera.

Moradora de Nova Délhi, a ativista Sambhavi Saxena, 19 anos, afirmou ao Correio que casos de estupro são frequentes em todo o país. “Nem todos os crimes são reportados e os criminosos que acabam condenados enfrentam um longo processo penal. O tema do estupro é muito importante porque nós, mulheres, jamais nos sentimos tão inseguras, principalmente ante a resposta da polícia: patética, lenta e não confiável”, comentou, em entrevista pela internet. Segundo Saxena, as indianas esbarram em um obstáculo cultural. “É difícil se identificar como vítima ou como uma sobrevivente de estupro. Além disso, a polícia costuma colocar a culpa na mulher, pelo modo como nos vestimos ou porque ficamos na rua até tarde da noite”, explicou. 

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Inefável...


FIAT LUX


Um amigo - William Souza Bernardes - publicou o questionamento acima...

Resposta de Carlos Frederico Coimbra, um dos meus grandes amigos, estudamos juntos na UnB; ele é PhD, engenheiro mecânico e cientista, e ocupa uma cátedra na Universidade da Califórnia, campus San Diego:

"A luz não acelera. Pensando em termos de fótons, que são quantizados, a luz é emitida ou absorvida já com um pacote finito de energia e com momento equivalente, e aquela velocidade associada persiste até a próxima interação com um elétron, um fóton, ou com outra partícula qualquer. Se o fóton entra em um meio opticamente denso, a redução também é quantizada, e a diminuição da velocidade ocorre por meio das interações finitas de cada fóton (provocando desvios em sua trajetória) de maneira que a média geral da velocidade decresce, mas não ha' desaceleração de cada fóton em particular porque a energia do fóton é quantizada e não continua."...

William acrescentou:

"Como a velocidade depende do índice de refração, e este depende da frequência da luz, tem-se que a luz em diferentes frequências viaja a diferentes velocidades no mesmo material. Isto pode causar distorções das ondas eletromagnéticas chamadas de dispersão. Deve-se notar que ao voltar de um meio físico para o vácuo, a luz reassume a velocidade c sem receber nenhuma energia."

E outra amiga, Meire Finelon, também acrescentou:

"Ou seja a velocidade da luz é constante e não sofre aceleração em nenhum meio físico."

Velocidade da luz no vácuo: 299.792.458 m/s

Carlos Sherman:
E importante dizer que a diminuição da velocidade da luz num meio denso é devida à dispersão... A frequência permanece, mas o comprimento de onda médio diminui, devido à dispersão...

Edemilson Lima:
A luz é uma onda de vibração nos elementos que compõem o tecido do espaço vazio. Estes elementos tem o tamanho do comprimento de Planck e a velocidade da luz é diretamente proporcional ao tempo de Planck, que é o tempo necessário para um elemento transmitir a vibração para o elemento adjacente.

Willian Souza Bernardes:
Por enquanto ninguém conseguiu responder a pergunta: o que gera força para que a luz, viaje a discriminada velocidade? Seria o vácuo?

Edemilson Lima:
 O que gera é a fonte de luz. O tecido do espaço apenas carrega a onda indefinidamente, até que ela encontre matéria para absorver e refletir.

O limite de velocidade é só o limite possível do universo. E é muito rápido para nossos padrões, se comparado com coisas cotidianas. É natural que exista um limite, caso contrário todos os eventos no universo aconteceriam em um piscar de olhos. De fato, como estamos dentro do universo e tudo ocorre em relação à velocidade da luz, inclusive o funcionamento dos nossos relógios atômicos, então não faz diferença para o universo a velocidade com que as coisas acontecem. Para um referencial externo, se existisse, poderia ser muito rápido ou muito lento.

Carlos Coimbra: 
Este tema implica em um vocabulário que não existe na Mecânica Clássica. Quando se desce ao nível da luz discreta, a dualidade destrói a noção de onda, e a vibração é associada ao fóton, do mesmo jeito que não se associa posição fixa aos elétrons. Não é necessária força, já que os fótons não tem massa, e viajam na máxima velocidade possível - sempre. É justamente porque não existe aceleração que não e' preciso força, de uma forma muito grosseira (nada rigorosa) 'm = 0 = f/a', ou seja, 'f' tem que ser identicamente zero, ou tender a zero mais rápido que 'a'. Acho que ninguém ainda entende bem as flutuações de energia do vácuo, e como elas afetam a luz, mas posso estar enganado. Não sei se é correto dizer que uma velocidade é proporcional a uma unidade de tempo (devia ser inversamente), mas acho que é mais correto dizer que a velocidade da luz é limitada pela pelo espaço-tempo, que é representada deste lado do 'quantum foam' pelas escalas de Planck.

Sobre multiversos, léptons e genética...



(..) brother, sem culpados nem inocentes.. Apenas REALIDADE CONTINGENTE... Multiversos 'ainda' não fazem parte da realidade tangível, 'léptons' é um reducionismo desnecessário para explicar a 'razão', e a genética efetivamente está associada à nossa neurofisiologia, que por sua vez se combina com o meio para produzir a resultante do comportamento humano - quer este comportamento pareça racional ou não... Somos quem somos sem intencionar sê-lo, mas somos...

Carlos Sherman

Razão para crer...


quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

'O Caminho, a Verdade, e a Luz'...



"Quase morte" é um conceito adequado mas ao mesmo tempo 'capcioso'... Adequado porque efetivamente 'ainda' não houve morte... Capcioso porque para aqueles que sugerem que a "experiência de quase morte" é um vislumbre da "pós vida" ou da "vida depois da morte"; então vale reeditar que 'ainda' não houve morte... Aliás, não precisamos nem sequer correr perigo de vida para experimentar os ditos sintomas da "quase morte"...

O aproach fantasioso e esotérico do fenômeno eclodiu em 1975, com a publicação sensacionalista de "A Vida Depois da Vida", de Raymond Moody - um 'pseudo-filósofo' esotérico, que também se dizia "parapsicólogo", e que logrou 'a posteriori' dois discutíveis títulos de "doutor", sendo um em Psicologia e outro em Medicina, mesmo sem nunca ter frequentado uma faculdade de Medicina... Moody reside, por 'mera' coincidência, no fantasioso mundo de Las Vegas... 

No livro de Moody, que se tornou best seller entre os "esoteristas de plantão" e os ditos "espiritualistas" - e para aqueles que, como todos nós, temem a morte -, a "vida após a vida" se incia com: (1) a sensação de flutuar "e ver lá embaixo o próprio corpo", ou "experiência extra corpórea", ou ainda "experiência fora do corpo"; (2) a sensação de atravessar um túnel, um corredor, ou uma câmara em espiral, no fim dos quais frequentemente existe uma luz; (3) ou a sensação de visão ou presença de entes queridos - que já morreram - ou de figuras divinas...

Um 'verdadeiro médico', o Dr. James Whinnery, chegou às mesmas evidências mas por outro caminho... Whinnery foi contrato pela Força Aérea Norte Americana para dirigir os treinamentos para os pilotos de caça... Desde o advento dos jatos e caças, os pilotos apresentaram problemas de perda súbita da consciência quando submetidos à força 'g', fenômeno conhecido como G-LOC; além de relatos de experiências místicas - quando sobreviviam para contar... Na centrífuga do Naval Air Walfare Center, na Pensilvânia, as experiências de "quase morte" foram simuladas por Whinnery e finalmente esclarecidas... 

Whinnery descobriu um fenômeno notável, a quase totalidade dos pilotos submetidos aos testes experimentaram o 'efeito túnel', acompanhado da 'visão de uma luz', e a sensação de 'flutuar acima do próprio corpo', além de experiências místicas - dependendo do grau de religiosidade -, e quase sempre experimentando uma indescritível sensação de euforia, paz e serenidade, no retorno à consciência... Parece familiar???

Whinnery foi capaz de induzir tais sensações mais de mil vezes, em 16 anos de pesquisa e estudos controlados em uma centrífuga, e registrou tais experimentos em filmes... Observou o momento exato em que os pilotos perdiam a consciência, não deixando dúvidas sobre as causas de tal fenômeno: a HIPOXIA...

Sob a pressão exercida pela força 'g' o 'sangue escoa da cabeça em direção ao centro do torso', explica Whinnery... Tudo isso em uma questão de segundos... Quando o experimento era procedido de maneira gradual, pela aceleração constante da centrífuga, o sujeito experimentava primeiro a sensação de túnel, depois a luz, a cegueira, e o desmaio; fenômeno este causado pela perda de oxigênio na retina, seguindo o trajeto em efeito cascata até o córtex visual, produzindo o 'efeito túnel', à medida que os neurônios vão se fechando de fora pra dentro... 

Outro médico e neurocientista - este também de verdade -, o Dr. Comings, observa que: 'a sensação de paz e serenidade provavelmente é gerada pela liberação de vários neurotransmissores, como a endorfina, serotonina e dopaminas (..) as experiências de quase morte provam apenas que, quando o cérebro é privado de oxigênio por períodos prolongados, imediatamente antes do dano cerebral ocorrer, desencadeia uma série de eventos neurofisiológicos que caracterizam a experiência descrita como de "quase morte"'... Só isso... Experiências “sobrenaturais” de quase morte são na verdade truques da mente...

Em 2001, o jornal britânico Lancelot publicou o estudo do neurocientista holandês Pim Van Lommel, que analisou 344 casos de pacientes cardíacos que passaram por procedimentos de 'reanimação cardiopulmonar' - lembrando que morte precisa ser cerebral - , sendo que 12% deste grupo relatou experiências de "quase morte", e em alguns casos relatos de encontros com "parentes mortos"... O doutor Mark Crispin, médico da emergência em um hospital em Portland, Oregon, analisou o eletrocardiograma de pacientes com parada cardíaca, e dados como "mortos", concluindo que na verdade "o que eles mostraram foi uma diminuição, uma atenuação" na atividade cardíaca, e que "somente uma minoria experimentou uma parada cardíaca por mais de 10 segundos"... Na verdade, de acordo com a ciência médica - e forense -  "ninguém teve morte clínica", ressalta Crispin, pontuando que "nenhum médico deve declarar morto um paciente num código 99. Ter uma parada cardíaca no intervalo de 2 a 10 minutos e ser prontamente reanimado não torna uma pessoa 'clinicamente morta'. Significa que o seu coração - neste intervalo [grifo meu] - não está batendo e que a pessoa pode não estar consciente"... Como o cérebro opera confiando nos estímulos externos relativos à nossa cognição, quando uma parte deste complexo gera um quadro ilusório, outra parte do cérebro - provavelmente o hemisfério esquerdo - pode interpretar tais ilusões como um acontecimento REAL, externo, e captado regularmente por nossa cognição...

Com diferentes nuances e por diferentes motivos, e até mesmo em função de neuropatologias, todo processo supranormal ou paranormal, pode ser resumido por este fenômeno... As nossas vias cognitivas estão embotadas, uma ou muitas partes do nosso cérebro codificam ilusões, enquanto outra parte ainda consciente trata de considerá-las parte inexorável da realidade...

Drogas alucinógenas como a atropina e outros alcaloides  - provenientes da beladona, mandrágora, e na Datura stramonium (ou estramônio) - também desencadeiam estas experiências ditas "sobrenaturais", como a sensação de flutuar fora do corpo... Feiticeiras eurasianas e xamãs americanos também utilizavam estes 'recursos' para suas viagens 'extra-corpóreas'... Não verdade os seus pés ficavam bem plantados na terra, enquanto suas mentes entorpecidas vivenciavam um estado ilusório... 

Anestésicos dissociativos, que promovem a depressão da função neuronal no sistemaneurocorticotalâmico (dissociação) e dos neurônios nociceptivos (analgesia), também induzem as ditas viagens "corpo-astral"... Os anestésicos dissociativos promovem um estado de catalepsia, onde estará presente o aumento do tônus muscular, manutenção dos reflexos protetores e permanência dos olhos abertos... As cetaminas são o maior grupo representante dessa categoria... A ingestão da metilenodioxianfetamina (MSA) pode ativar lembranças antigas e produzir a sensação ilusória de 'regressão'... A dimetiltriptamina (DMT) - também conhecida como "molécula do espírito" -, muito utilizada pelos xamãs sul-americanos com o nome de ayahusca, causa a sensação ilusória de dissociação entre "a mente e o corpo", tipificando relatos como "eu estou fora do meu corpo", "eu já não tenho um corpo", "estou flutuando", "estou voando", "estou subindo"... 

Tais viagens, ditas "espirituais" ou de "consciência intensificada", quando comparadas com a operação normal ou racional do cérebro, não deixam dúvidas de que drogas psicodélicas como o DMT são capazes de produzir a sensação de "contato" como o sobrenatural ou com seres inumanos... Pessoas inteligentes e sofisticadas submetidas a testes, e mesmo sabendo que estas sensações são induzidas por drogas, não foram capazes de discernir entre fantasia e realidade... O gravador emocional do sistema límbico, localizado nos lobos temporais, pode ser engando por estas drogas ou em caso de neuropatologias, não conseguindo distinguir acontecimentos reais, gerados por experiência reais, produzidas externamente, de experiências irreais, ilusórias, geradas internamente...  

Um grupo de psicólogos formados por membros da Universidade de Edimburgo e de Cambridge, publicaram um recentemente estudo no jornal Trends in Cognitive Sciences, onde o 'fenômeno' também foi explicado... O título do texto foi 'There is nothing paranormal about near-death experiences: how neuroscience can explain seeing bright lights, meeting the dead, or being convinced you are one of them', i.e., 'Não há nada de paranormal em experiências de quase morte: como a neurociência explica luzes brilhantes, encontro com mortos e o fato de você se convencer de que é um deles'...
    
Os pesquisadores analisaram os mesmos fenômenos - efeito túnel, luz, e encontros com parentes mortos - e concluíram que tais  sintomas 'estão bem longe de um vislumbre da vida após a morte. Na verdade, são truques da mente e têm uma base biológica.'...

As experiências de "quase morte" são relatadas em todas as culturas, desde a Grécia Antiga... 'De acordo com uma pesquisa feita pelo Instituto Gallup, cerca de 3% dos americanos já passou por algo similar'... Para os pesquisadores, isso pode ser provocado pela tentativa do cérebro de dar sentido às sensações e percepções incomuns que ocorrem durante um evento traumático...

Além da HIPOXIA, e do caos bioquímico causado pela liberação de neurotransmissores, outro responsável por tais delírios é a noradrenalina, liberado no mesencéfalo, e que, quando acionada, pode evocar emoções positivas, excitação, alucinações e outras características da experiência de "quase morte", como o encontro com entes queridos...

Mais uma vez fica claro que fenômenos "esotéricos" são na verdade bem 'terrenos'... No caso da experiência de "quase morte", a HIPOXIA e suas decorrências bioquímicas são 'o caminho, a verdade, e a luz', sem direito a subterfúgios... No caso do senhor Raymond Moody, o problema pode estar nos lobos temporais ou  nos lobos parietais, como veremos em outro post... No caso de seus ávidos leitores, a explicação pode estar na cultura da 'crença na crença'... Parafraseando Shermer: 'primeiro acreditamos por motivo torpe - ou neurofisiológico [grifo meu] -, e depois procuramos razões para sustentar tal crença'... Temo que a grande maioria dos leitores de absurdos esotéricos também mereçam uma revisão de seus lobos temporais e parietais, córtex cingulado, e parte anterior dos lobos frontais...



Vida longa à Ressonância Magnética!!!

Carlos Sherman  


  


Sobre amor, ódio, e o maniqueísmo...





Publicaram - reativamente:

Refletindo descobri que todo mundo me ama....
O ódio também é uma forma de amor... ;)

Vieram os colaboradores:

Pensei semelhante uma vez - o despeito ainda é uma forma de paixão...

O ódio é o amor que adoeceu...

Levantei-me sozinho:

Não vejo como... O que vejo é uma confusão sobre amor e ódio... O amor é o ato de dar sem esperar por um payback... Não vejo como 'odiar' seja equivalente a isso... Nem minimamente... Mera confusão, enorme confusão....

Ela insistiu:

ninguém odeia ninguém que não tenha muita importância para ele. Por exemplo eu não odeio seus vizinhos não os conheço(não tem importancia para mim). O ódio é o lado negro do amor, alguém que não teremos de forma branca e o temos na forma negra.

[ai ai, 'lado negro', 'lado branco', o maniqueísmo forçado, só falta falar em 'opostos', a falácia retórica e lógica da Falsa Dicotomia...] 
Não concordo, você está postulando este conceito a partir de sua perspectiva... Não vale como regra geral... Você odeia políticos, e personalidades que não conhece... Se tem a capacidade de odiar, neurofisiológica, odiará a quem te roubou na rua, a quem te enganou no trabalho, mesmo que nunca tenha amado tais figuras...

Ninguém odeia ninguém com quem se importe... Insisto, você está confundindo o que seja 'AMOR'... Querer alguém para si não significa amá-lo... Pense sobre isso... Quando não temos quem amamos ainda assim continuamos amando - se amor for...

E mostrou sua cara:

Não tenho perspectiva de que as pessoas me ame.... pelo contrário kkkk GOSTAR DE MIM É 1 FAVOR QUE ME FAZEM, NÃO GOSTAR SÃO 2

Insisti em perder o meu tempo:

[uma conferida na atividade do gene MAOA, certamente confirmaria a baixa atividade...] Agora está tudo claro pra mim agora...

Ela seguiu em sua sandice:

É a mais pura verdade. O que é o ódio? Um sentimento de raiva e desprezo estremo. Somente por aqueles que conhecemos e significam algo de alguma forma para nós. O que é o amor? Sentimento por aqueles que conhecemos e significam algo de alguma forma para nós. Só que o ódio é o sentimento negro, o amor o branco.... no fundo o mesmo sentimento dividido em yin yang

Segui dando murro em ponta de faca:

['yin yang', tava demorando para confirmar a Falsa dicotomia] Não Roberta, não é a mais pura verdade, é meramente a sua perspectiva... E daqui vejo claramente enorme confusão... Não projete a si sobre os demais... Se odeia a alguém que julgou amar, posso assegurar que nunca amou.... Amar, verbo intransitivo, é dar... Dar sem esperar receber nada em troca... Amar é empenhar seus esforços para fazer outra pessoa feliz... O bem de amar está na sensação que sentimos...
É pessoal e intransferível, e fica retido na fonte por quem DÁ... Fazer o bem a alguém pelo bem de fazer...

Não pode haver frustração... Esperar que algo suceda é outra estória: relação simbiótica.... É humano, natural... mas não é amor, é troca... 

E ela insistindo em seus absurdos à luz do dia:

A verdade não odiamos ninguém que não tenha valor para nós, se bem analisarmos poderíamos amar muitos dos quais dizemos odiar. Não tenho costume de me projetar sobre ninguém apenas reflito. Desculpe não odeio ninguém...principalmente alguém que um dia ...

Segui:

Por quê? Que ideia absurda... ÓDIO POR QUEM TEM VALOR PRA NÓS??? Uma contradição em si... Por quê? Explique este conceito... Parece um dogma e não um conceito que precise fazer o o menor sentido... Mas tudo bem, já percebi que não é algo discutível pra você, de forma que não adianta seguir argumentando, dando explicações e exemplos, afinal já está estabelecido, e assim será pra você... Insisto que tal visão te levará por um sendero de confusão... E desejo uma linda vida, um lindo 2013... Com muita saúde - e sem ódios... Aquele papo furado sobre o amor estar ao lado do ódio em um círculo de sentimentos, é tão válido quanto os postulados da astrologia... Mera verborragia, indo do nada a lugar algum, de forma circular e dicotômica... Sem deixar por um instante de ser completamente non sense....

Carlos Sherman

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Wilder Penfield - Um Herói para a Humanidade...




Acima o Homúnculo e Mapa de Penfield - para a sensibilidade -, The Penfield Map... Considerando a figura da direita como o Córtex cerebral, o mapa mostra onde sentimos cada membro, e com que intensidade... O Homúnculo por sua vez, à esquerda, representa, simbolicamente, a nossa sensibilidade ao longo do corpo... Acho que o pênis foi esquecido, ou não está ereto, rsrsrsrs, mas Penfield sabia o que fazia... 

Tal mapeamento foi procedido em cirurgias com o cérebro exposto, enquanto Penfield estimulava com pequenos eletrodos cada região, e os pacientes, ACORDADOS, eram solicitados a indicar o que estavam sentindo... Representa um marco na Neurociência... Isso nas décadas de 30, 40 e 50... O seu legado perdura até os nossos dias, e o Mapa de Penfield ainda é ensinado nos cursos de Neurofisiologia por todo o planeta...

Wilder Penfield foi considerado por sua nação, o Canadá, como o seu maior representante de todos os tempos... Uma honraria justa para um grande e corajoso homem... Embora desconhecidos por muitos...

Carlos Sherman

Wilder Penfield, The Great...



Neurônio, Neuron...



Militância Ateísta...



Sobre um excelente vídeo debatendo a 'militância ateísta':

Brother, fui o primeiro a elogiar... Mas acho que faltou um aspecto fundamental: 'ateísmo' não é uma proposta positiva... Não é uma proposição positiva, e sim negativa... Ou seja, não acreditar em deuses - e no sobrenatural - não é uma proposição e sim uma negação... Melhor dito, não posso definir a minha vida por uma negação... Defino a minha vida como uma trajetória pensante, em um mundo natural, sem subterfúgios sobrenaturais, e para isso posso 'esperar para saber'... Ou seja, esta é uma proposição de vida, ativa, clara... Pretendo, pela clareza, pelo conhecimento, diminuir a confusão vigente, e diminuir o sofrimento humano... Este é o ponto fundamental... 

De forma que não pode existir identidade somente sobre a negação... Precisamos examinar as propostas positivas de cada um para avaliar a identidade... É por isso que questiono a 'militância ateísta', e que normalmente se manifesta na forma de deboche... Existe uma biologia para a crenças, e você sabe disso... Crentes são vítimas, e os seus algozes estão no púlpito.... Estamos falando de problemas e características neurofisiológicas, acentuadas pela falta de educação específica... 

Não necessitamos de militância para uma negação... Precisamos incentivar o pensamento, questionar atos de submissão, alardear sobre a melhoria de vida promovida pela ciência, demonstrar a correlação entre pensabilidade e ética, divulgando - como você bem diz - sobre como a mente funciona, explicando o comportamento humano, etc... Eliminar a ilusão dos deuses é importante, mas como você assinala, não é tudo, e na verdade não é nada... Precisaremos de muito mais... Ainda existirão ETs, os partidos políticos, times de futebol, 'paulocoelhismo', freudismo, 'marxianismo', conspiracionismos animistas, zeitgeist, matrix, astrologia, etc... E mesmo que varrêssemos o sobrenatural do planeta, ainda precisaríamos de ÉTICA e boas práticas de convívio... 

Acho que o vídeo foi sensacional como 'brain storm' - ou 'toró de parpite', rsrsrsrs - mas acho que você foi ambíguo em sua conclusão... Na verdade você efetivou um tremenda ponderação, e não concluiu sobre suas ponderações... Não subtraio um grão de suas valiosas ponderações, que também são minhas ponderações, mas acho que você concluiu - sem concluir - exatamente o contrário, ou seja: 'não precisamos de uma militância ateísta'... Precisamos de outras ações, que não são dependentes do ateísmo, e sim da atitude cética e bem intencionada, 'humana, troppo umana'... Um forte abraço...

Carlos Sherman

Pondé, um fanfarrão...



Publicaram uma crítica ao pseudo-filósofo e fanfarrão Luiz Felipe Pondé...

E endossei:

Pondé é fraquíssimo, e só quer aparecer... Está mais para colunista social que filósofo... Aliás, Pondé, de filósofo, só tem o título... Vai do nada ao lugar algum em muitas páginas ou palavras... Isso não é um problema filosófico, e sim um problema do canastrão 'Pondé'... 

A filosofia lida com a questão da epistemologia, uma questão meticulosa, complexa... São discussões pesadas, conceituais, detalhadas... O cético fustiga os detalhes, e este é o meu caso, de forma que preciso dispor de paciência para aprender com a genialidade de pensamentos como Karl Popper, que estou lendo 'palmo-a-palmo' pela terceira vez - A Lógica da Pesquisa Científica... Duas páginas por dia... 

Discussões como 'os princípios dedutivo e indutivo', para culminar no 'princípio dedutivo baseado em prova', podem requer centenas de páginas, sem caminhar em círculos - jamais... A refutabilidade desta questão põe em cheque a refutabilidade do Método Científico, de forma que é assunto para gente grande, e para quem pode 'esperar para saber'... 

Perguntas complexas clamam por respostas complexas... Duvide sempre que apresentarem respostas simplistas para perguntas complexas... Certamente haverá um truque, ou muitos, envolvidos... Isso é matéria do ilusionismo, e não do pensamento responsável e honesto...

Pondé está mais para Macaco Simão que Filósofo, e só posso dizer que tudo isso é lamentável, afinal, é este cara que ocupa o diminuto espaço filosófico na mídia...

Carlos Sherman

Christopher Hitchens - Destruindo o Monoteísmo em 10 Minutos (LEGENDADO)

Ateus e Agnósticos do Brasil


Galera, serei direto e sincero - sendo por razões óbvias ATEU: muita agressividade e pouco uso de nossa suposta racionalidade... Escarnecer sobre pessoas que por problemas diversos, e sobretudo em função de sua neurofisiologia, acreditam em crenças - todas elas -, não é uma tarefa nobre para seres inteligentes e LÚCIDOS... Compartilhamos a negação de deuses e do sobrenatural, mas não compartilhamos muito mais do que isso... E lamento... Pretendo utilizar a minha clareza para diminuir o sofrimento humano, e não para o deboche indiscriminado... Crentes são vítimas e os caras do púlpito são os seus algozes... Existe uma 'biologia da crença', estudem e saberão... Considerem os argumentos expostos e, se possível, reordenem suas ações... Afinal, o que faremos com a nossa suposta LUCIDEZ??? Obrigado por perguntar, e esta é a minha sincera resposta...

Carlos Sherman

Respeito...


Em caso de TPM: Fluoxetina...


Against all gods...



Publicaram:


‎"I can't believe that God put us on this earth to be ordinary." -Lou Holtz

E respondi:

"I can´t believe you still believe in gods making magic." - Carlos Sherman

Mylene Jampanoi - Beleza 2012