Pesquisar este blog

DESTAQUE

A CIÊNCIA DO ERRO | Sobre Verdades, Veracidade e Realidade Objetiva - Parte 1: Uma resposta a Marcelo Gleiser

A CIÊNCIA DO ERRO Sobre Verdades, Veracidade e Realidade Objetiva Parte 1:   Uma resposta a Marcelo Gleiser Dedicado ao me...

quinta-feira, 30 de junho de 2011

A-HA Velvet

Porto...

Minha receita para facilitar o encontro da 'Harmonia com a Humanidade'...


por Carlos Sherman


Vidráguas...




Vidráguas, hoje, nesta noite, as 'peças de arte' aqui depositadas, estão honrando a tradição do grupo... E mais além... Muito mais... Caramba, rsrsrsrs... Mantenho-me em 'estado de orvalho', o talento brilha intenso, em cada 'pena digital'... Entre os convivas, somente poetas de fino trato...

Carlos Sherman

Vigília... Betina e a Perfeição...




foto: Catharina Suleiman

VIGÍLIA

Entre os tecidos, ali está ela,
a mulher em estado límpido!
Recém amada, corpo dormente,
alma solta, os santos à volta.

Submersa em si, longe de todos,
nas carícias que ainda lhe são
adormecidas quenturas corpóreas
em sono profundo de núpcias.

Permanece por um instante assim,
mergulhada nas águas do sonho,
abandonada aos trigos imaginários
correndo nua por um campo nu.

Ressurgirá após essa eternidade
revelando segredos difusos da luz,
sussurrando um novo dialeto
trazido da outra esfera das coisas...

Caberá a ele ler nos lábios um beijo
segundos antes de ela renascer,
de sorrir acordada, senhora de si,
definitivamente de volta para o mundo.

Betina Moraes

Meia-Noite em Paris (Midnight in Paris) - Trailer legendado

Take the Long Way Home... Roger Hodgson...

Essa vai direto para o meu amigo Rifa... 


E devo confidenciar que você sempre foi o meu 'beatle peferido'... Embora sua vida combine muito mais com The Rolling Stones, The Doors, ou Hendrix...


Sinto saudades do que ainda não vivemos... Mas temos tempo... Lembra daquela noite, eu estava em Cali na Colômbia, enquanto ' you took a long way home'; saindo de um Cela, e tendo prestigiado os HighLands... Desceu a serra, e subiu no ar... 


Minha ligação encontrou você no momento exato, no preciso momento da 'viagem', e gastei uma grana em ligação telefônica internacional, rsrsrsrsrs, 'mas valeu cada centavo'... Descemos juntos, subimos bem alto... No ar... O Supertramp também estava lá, completo, ao vivo em Paris... 1981... Show antológico...


Rifão, sempre perdendo-se para encontrar-se, e sempre servindo de batedor para nos ensinar alguma coisa... Ou somente para dar aquele abraço caloroso no final da noite, e o beijo carinhoso... Homoternura, não é? Sempre terno, carinhoso, meninão... Meio pai, meio irmão mais velho, ou o mais novo... Sei lá... Acho é somente o Rifa, e basta... Nosso Rifa...


Sinto falta daquele cheiro de cigarro, e do timbre da voz curtida no malte, meio Tom Jobim... Velho amigo... Adorei reencontrar-te, adorei ver como está bem... Sempre lúcido, íntegro, feliz... 


Venha logo pra casa, pelo caminho mais curto... Somente desta vez...


Carlos Sherman





Experimente e verá...



Querida, fixe somente em uma coisa na vida... Mire somente nisso: INTEGRIDADE... E o resto falará por si... Sua natureza simplesmente SERÁ... E paciência consigo mesma, rsrsrs... 

Mas isso é difícil pra cacete, rsrsrsrs... Experimente começar e verá, rsrsrsrsrs... O importante é caminhar neste tom... Não existe ‘podium de chegada ou beijos de namorada’... E ‘o tempo, o tempo não pára’ [Cazuza]...  E será finito... Sua busca pela integridade alcançará esta realidade... Então não desperdice a viagem... É tudo o que temos...

YOU MUST TAKE A LONG WAY HOME... SUPERTRAMP...

‘Bon Voyage’

Carlos Sherman

'..............................'

'............................................    .....................................    .....................................  ....................................................   ................   .......................'


COMO FOTÓGRAFO, POSSO DIZER QUE
 ESTA FOTO NÃO ADMITE COMENTÁRIO... 
TRATA-SE DE UMA OBRA PRIMA... 
SEM PALAVRAS... 
TALVEZ ALGUNS SUSSURROS...
QUEM SABE...
MELHOR SEM PALAVRAS... 
SEM FÔLEGO... 

REPAREM NA.... 


'LUZ'...


'NA ABERTURA'...


'AJUSTE A VELOCIDADE'...


NÃO TENHA PRESSA... ELA ESPERA...




A 'FOTO'...




Carlos Sherman

Perder-se em Lucidez...



Os modismos de ser machão, de ser a dondoca, de ser gay, passarão... Vamos na direção da instrução, da educação, da lucidez sobre onde estamos... E sem rótulos... E como tem rolado na Europa, o sentido de solidariedade prevalecerá, abraçando a diferença... Sem alarde... A diversidade natural nos salva da monotonia... A diversidade forçada é caricatura... 

'Ando onde houver espaço, o meu tempo é quando' (Vinícius de Moraes)... A essência da liberdade... Que não segue simplesmente atrás do bloco ou atrás do bando... Vamos sim, e vamos longe, sem uniformes, sem estereotipos ou clichês... Mas saber pra onde ir, implica em saber onde estamos, mesmo para perder-se, rsrsrsrs... Você sabe?

Carlos Sherman

Qualquer maneira de amor valerá... Milton Nascimento & Caetano Veloso...





Para minha amiga e fonte de inspiração: VANESSA...

E a causa será: - 'cada um cuida da sua vida e o afeto merece respeito, por direito'... 'Qualquer maneira de amor vale à pena' – Milton e Caetano... 'Consideramos justa toda forma de amor' - Lulú Santos... E todos têm direito a isso... Todos... Acabando com a questão homo, hétero, de lá pra cá, daqui para lá... E a frase do século: 'Cada um no seu quadrado'... rsrsrsrs....

Desde que dentro da lei, desde que estejamos respeitando o espaço do outro, acabou... Isso vale pra tudo que esteja relacionado ao direito e à cidadania... E a palavra chave é AFETO... E o modismo também vai passar, e fica o afeto, de 'pessoa' pra 'pessoa'... Sem rótulos... Um, dois, três, dez... Ser humano, gato, cachorro, árvore, rsrsrsrs... 'Qualquer maneira de amor valerá'...

Carlos Sherman

Samba Triste - Eliane Elias Trio - Calle 54 - HD

Sting - Tomorrow We'll See (Live - Berlin 2010, HD)

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Ciência e Crença...




Dois contadores de estórias estão desafiando a atenção dos transeuntes... Um explica detalhadamente como saiu de um ponto na costa, cruzou a floresta e até chegar ao cume de uma montanha... Fornecendo detalhes, provas, e tudo de acordo com os fenômenos naturais, relevo, clima, desafios, dispostos em uma fina cronologia...

O outro diz apenas, que por ‘milagre’ chegou até o cume da montanha... Não sabia nada sobre a costa, nem sobre a floresta, e não explicou sequer como escalou a montanha... Desprezou as causas naturais, o relevo, o clima, e a cronologia... E ainda teve a pachorra de dirigir-se ao outro contador de estórias e questionar ‘mas como você foi parar na costa’?

Qual destas estórias prenderia a sua atenção? A jornada ou o milagre? Esta resposta a esta pergunta reflete muito de sua personalidade... Think about it...

Carlos Sherman

Relatividade ou Subterfúgio...




Não é tão relativo quanto você faz parecer, sobre o que é certo e errado... Existem questões objetivas, e são questões essenciais... A Terra não é plana, não tem 6.000 anos, e nem fomos projetados como um passe de mágica... Por exemplo... Mas entendo sua posição... Não tenho crenças... Se sei, trata-se de conhecimento e não de crença, se não sei, escuto e procuro aprender... Crer é o problema, enquanto professa o que não sabe... Um problema com desdobramentos de ordem ética... Porque permite e promove injustiças... Apagaram-se as fogueiras da inquisição, mas os resquícios medievais continuam prejudicando o bem viver... Até hoje... Uma linda vida...

Carlos Sherman

As Portas da Sacristia...




A Igreja Católica é o maior armário que existe... Quando as portas da sacristia forem abertas, não sobrará um pra contar a estória... Chega de hipocrisia e preconceito...

Carlos Sherman

terça-feira, 28 de junho de 2011

Afeto, eis a palavra chave...




Por 10 votos a 0 o STF, finalmente, equiparou em direitos, as uniões cíveis homo afetivas e as uniões hétero afetivas... ‘Justiça seja feita’, e pelo menos desta vez, a justiça foi feita... Leiam cuidadosamente, em nossa Constituição Federal, o Artigo 5º, onde está escrito que ‘Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes’... E segue... Pois onde se lê, que agora se cumpra...

Esta discussão bem poderia ser uma  notícia superada, não fosse pelo fato de um juiz, evangélico, ou seja, um juiz 'pastor' em um país laico, ter anulado um casamento homo afetivo, e portanto constitucional e de direito... É mole ou quer mais? Então alguns falsos moralistas, ou ignorantes de carteirinha como o imbecil do Bolsonaro, assim como a bancada evangélica no Congresso, tratam de espernear, e incorrer em CRIME por discriminação... Estes guardiães da hipocrisia, avaliam os riscos ao seu ‘negócio’, e marcham contra a inteligência, o bom senso e a liberdade... Mas aparentemente, a constitucionalidade e o estado de direito haverão de prevalecer...

Vale lembrar ainda, desmistificando o casamento cível, que o ‘matrimônio’ reza, acima de tudo, sobre a questão patrimonial... Motivo pelo qual, em um passado não muito remoto, só podiam casar-se, aqueles que dispusessem de patrimônio significativo... E vale lembrar ainda que, os estados europeus foram constituídos às custas do ‘uso inescrupuloso’ do recurso do ‘casamento de patrimônios’, e do ‘casamento por/de interesse’... O AFETO veio depois... Ou melhor, a união meramente AFETIVA, veio bem depois... Alguns dentre nós, tiveram avós ainda submetidos à união ‘hétero patrimonial’...

A Igreja foi uma grande incentivadora deste ‘esquema’, nada afetivo... Seguindo a triste tradição abraâmica, tanto judeus, quanto cristãos ortodoxos, e os new cristãos, pentecostais, crentes, e algumas facções protestantes, casam apenas entre si, e ainda baseados no carcomido arranjo familiar ou da comunidade... Assim como os islâmicos, sendo que estes últimos, além dos arranjos por interesse, praticam o velho esquema católico, com um dote que deve ser pago pelo ‘noivo’, à ‘noiva’... Melhor seria dizer, do contratante à contratada... Os hindus e seu pernicioso sistema de castas, também seguem o sistema dos dotes, sendo que desta vez, quem paga o pato é a família da ‘noiva’... Motivo pelo qual, até hoje, muitos camponeses afogam seus bebês do sexo feminino, nas águas 'sagradas' do Ganges... A motivação, apesar de toda a hipocrisia e terror, é mesmo patrimonial...

Poderíamos então examinar a questão da seguinte forma, tais ‘acordos’, supracitados, ou seja, os casamentos por interesse, podem ser héteros, mas não são afetivos... Se por um lado temos um homem e uma mulher, o que garante o quesito ‘hétero’, de outro lado não temos AFETO algum... De forma que, o casamento em sua concepção, e dentro de nossa cultura, ainda versa primeiramente e principalmente sobre o esquema patrimonial, e esta é a verdade... Não importando o afeto... Deixemos a hipocrisia bolsonárica a um lado, encaremos a verdade...



De forma que, duas ‘pessoas’ que realmente desejam partilhar uma vida AFETIVA, devem ter o direito de compartilhar os bens produzidos por esta união... E consequentemente a questão da herança deve contemplar homo afetivos, na mesma medida em que contempla os hétero afetivos... Acredito que o presente e o futuro nos reservam um status de menos hipocrisia e interesse, e mais afeto, hétero ou homo... E isso é bom... Por que, então, haveríamos de questionar o direito ao afeto, e a qualquer cidadão brasileiro, que deseja unir-se em um acordo cível, a qualquer outro cidadão, brasileiro ou estrangeiro devidamente documentado? Não importa de que sexo for... E antevejo a discussão de permitir que uniões afetivas, de fato, possam envolver não dois, mas três ou mais pessoas... Por que não? Três ‘pessoas’ não podem decidir viver juntas? Em que princípio nos apoiaremos para negar esta comunhão?




Então, agora, duas ‘pessoas’ poderão constituir família e legitimar está união diante do estado... A questão familiar implica também em discutir sobre filhos, e sobre adoção... Este é um outro tema, que precisará ser apreciado de forma constitucional, e à luz da capacidade de educar, proteger e dar afeto... E que merece, igualmente, um destino digno e não hipócrita... Sempre e quando, uma ‘família’ demonstre condições de educar, proteger e brindar afeto condignamente, ela estará habilitada a adotar filhos... Isto é justo... Um casal hétero não garante a qualidade da educação, apenas por ser hétero... Muitas crianças foram criadas apenas pela mãe, e poucas, apenas pelo pai, e nada indica que por causa disso apresentem qualquer tipo de problema relacionado ao estabelecimento de laços sociais, ou dificuldades em encontrar o seu papel na comunidade, ou de amadurecimento emocional...


Não obstante, e espero que a minha posição até aqui, em apoiar o fato de que ‘pessoas’, cidadãos, todos, sem nenhum tipo de distinção, tem o direito de constituir família, esteja devidamente fundamentada... Neste ponto, passo a abordar o tema por outro ângulo... Tenho uma importante questão a colocar, sobre o debate ‘homo afetivo’: '- Ele exclui os hétero afetivos'... Rsrsrsrsrs... Pode parecer piada, mas não é... É uma questão nova, e bem colocada... A grande vitória do movimento, na realidade, foi bem mais ampla e profunda... Na verdade, lutamos, todos, pelo direito de todo cidadão, em unir-se perante o estado... Igualitariamente... Esta é uma vitória de todos... Devemos celebrar a IGUALDADE... Quem está contra isso? Aqueles que não reconhecem o AFETO e o DIREITO... São os que ‘marcham’ por Jesus, e os que marcham contra os homo afetivos, ou os que marcham contra ‘qualquer direito universal’... São os que marcham contra a liberdade, a igualdade, e a justiça...

Se você não acredita em deus irá para o inferno, ou será terrivelmente morto no Apocalipse... Ou já foi cozido nas fogueiras da Inquisição, ou já foi morto por toda a intolerância religiosa que varreu a história... Porque o próprio deus comandou a primeira Jihad no Antigo Testamento... 2.500.000 de mortos por não glorificar o recém criado deus de Abraão... Não podemos de forma alguma nos ver convertidos em algum tipo de credo... ‘Creio que ser homo afetivo é bem melhor do que hétero afetivo’... Bom, não estamos matando ninguém para impor isso, como os crentes de ontem fizeram, mas estamos fazendo uma ‘propaganda sectária’... E isso não é legal, e não é verdade... Ser homo ou hétero afetivo não é nem melhor nem pior... São apenas opções sexuais...

Podemos estar começando a defender a causa errada, ou a causa certa de forma errada... Não podemos excluir os igualmente ‘afetivos’, os que prezam o afeto e a liberdade, e que por acaso são héteros... Isso precisa ser reconsiderado... No passado a luta pode ter sido em trincheiras ‘homo’, ok... Mas hoje não podemos seguir assim... A Parada Gay deve servir à liberdade, porque decorre dessa luta... E portanto nem precisaria se chamar ‘Gay’, e sim ‘Dia da Liberdade, Justiça e Igualdade’... Não tem o mesmo apelo de marketing, rsrsrsrsrs, mas seria o caminho da coerência... E deve abrigar todos, sem distinção... Todos os que defendem a liberdade... E isso não pode de forma alguma excluir o héteros... Ou, melhor seria, uma parada ‘contra o falso moralismo’, sei lá... É uma questão a ser pensada...

Sou hétero afetivo, mas já estive em três edições da Parada Gay... Estávamos lá, toda a família, minha esposa, minhas filhas, e o nosso mascote, apoiando o direito ao AFETO... ‘Consideramos justa, toda forma de amor’ (Lulú Santos)... Ou seja, apoio à causa, mas não por causa da bandeira LGBT... Comparecemos por causa da verdade, da justiça, da vida... Comparecendo com o nosso apoio à liberdade, e ao direito cidadão, esteja onde estiver... Isso faz toda a diferença, porque a parada gay não pode ser convertida em uma ‘apologia’ apenas a um estilo de ‘afeto’, ou a quatro opções... Senão seremos uma outra face da mesma moeda... Tenho amigos e amigas no movimento, e coloco o meu ponto de vista abertamente, e muitos compartilham da idéia de que poderemos recair em um espécie de ‘preconceito ao revés’, ou mesmo um ‘modismo’...

Examinem a questão... Sou hétero afetivo, por acaso, e escuto George Micheal, Pet Shop Boys, Maria Cadú, da mesma forma que outros artistas héteros... Meus amigos e amigas LGBT, só freqüentam lugares LGBT, discotecas LGBT, cafés LGBT, shows LGBT... Uma reflexão mais profunda sobre o tema poderá levar a um desarme das trincheiras... Temos que defender a causa da liberdade individual, e dos direitos iguais... De fato... Na verdade não deveríamos bradar slogans do tipo ‘por um mundo gay’, como já escutei... Isso assusta tanto quanto o slogan ‘por um mundo islâmico’, e por quê? Porque os dois slogans pregam sobre um mundo que abriga somente uma opção...

Para fechar, um amigo me disse: ‘- Mas os homo afetivos estão interferindo no direito dos héteros afetivos’... Ao que retorqui com firmeza: ‘- Claro que não... Estão apenas lutando por direitos iguais, individuais’... Mas ele continuou: ‘- Não, estão fazendo apologia a homo afetividade, como trazendo vantagens e como uma melhor opção’... Como uma pregação religiosa... E concordei que, de certa forma, isso é verdade... E é isso que precisa amadurecer no movimento... Como rolou com o racismo nos Estados Unidos... 

Hoje, a causa é outra, existe uma apologia do tipo, ‘só negro com negro’, e isso não é legal... É sectário, discriminatório... É burro, como foi burro e criminoso o racismo... Estamos apagando fogo com fogo... Não podemos pregar ‘só homo com homo’, porque será sectário... Temos que mudar com o tempo, e ‘evoluir o movimento’... A luta é outra, ou melhor dizendo, a luta deveria ser outra, na minha modesta visão...

A homo afetividade não é melhor do que a hétero afetividade, é apenas diferente... Uma amiga homo afetiva, e que por sua vez caracteriza sua preferência como ‘entendida’, alega que duas mulheres se entendem melhor do que um casal hétero, porque ‘mulher entende mulher’; e que todo homem é assim, ou assado... É óbvio que não procede, nem minimamente... É uma forma de generalização, e preconceito... E digo que, duas pessoas se entenderão melhor ou pior, dependendo de muitos fatores, além do sexo... Depende da qualidade do relacionamento... Mas neste caso, existe sim uma apologia clara, porque, é ‘melhor ser entendida’, que, supostamente ‘desentendido’, rsrsrsrs... Não é por aí...

A questão está passando do ponto, e uma luta justa e digna, pode estar mudando completamente de sentido... Lembro às minhas amigas ‘entendidas’, e tenho muitas, que mesmo preferindo outra mulher, ‘o padrão hétero’ se vê representado, quando uma das partes assume claramente os trejeitos masculinos... Isso não é legal... Ou seja, retornar ao padrão hétero... A parte que assume o papel masculino está, palidamente, caricaturando o papel masculino... Como em uma relação hétero, e isso não tem o menor sentido... Uma mulher pode gostar de outra sem precisar seguir exatamente os passos de um homem... Pode reinventar-se, e de forma livre, desenhar o seu perfil... É isso que o movimento pela liberdade precisa garantir... O direito a ser diferente, viver de forma diferente, e mesmo assim merecer o mesmo respeito, e gozar dos mesmos direitos...

E o modismo fica muito evidente quando padrões de roupa, cabelo, etc, entram na dança... Para sentir afeto por alguém do mesmo sexo não preciso adotar um padrão completo, como ser EMO, Heavy Metal, Gótico, ‘entendida’... Quando toda esta poeira baixar, e pudermos relaxar o aspecto de luta por direitos, a homo afetividade deverá encontrar o seu caminho longe de clichês... A livre opção homo afetiva também precisa ser melhor entendida, e está sendo... Da mesma forma como outros traços da personalidade, existem componentes genéticos, meméticos, e comportamentais... Neste momento, identifico vários aspectos que denotam modismo... Temos um ambiente mais favorável para que as pessoas saiam do dito ‘armário’... Em vários aspectos da vida, inclusive na questão religiosa, ou melhor dizendo, ‘não-religiosa’, mas mesmo assim, estou fortemente convencido de que vivemos um modismo, que passará... Ficarão do mesmo lado os que prezam o afeto, seja ele homo ou hétero...

A Parada Gay, representa, inegavelmente, o maior fenômeno comercial da cidade no momento... Um esquema festivo, muito similar ao impacto do Carnaval, que é importante para a economia da cidade... Mas como movimento, a Parada precisará amadurecer, e o ponto de inflexão, e de reflexão, é agora... Para que não se converta também, em uma colorida caricatura... O movimento deverá separar o homo afeto de fato, do modismo puro e simples de ocasião... O tempo será o melhor remédio, também neste caso... Mas as importantes conquistas do movimento permanecerão... Este debate, e os felizes desdobramentos, estão contribuindo, e digo mais uma vez, para uma sociedade mais livre, justa e igualitária... Mas teremos chegado ao fundo da questão, quando não mais pronunciarmos as palavras-conceito homo e hétero... Quando qualquer forma de amor e de afeto, for simplesmente respeitada... INDISTINTAMENTE... Sem bandeiras, sem marchas, sem paradas, sem gênero...

Termino dizendo, com o bom humor que caracteriza e parada, que até os Incas apoiaram o movimento, em seu tempo [pela bandeira]... Então a luta é antiga, dizem que Atahualpa era ‘entendidíssimo’, e o helênico Alexandre, o Grande, sem comprometer a valentia, cantava: ‘It´s raining man, aleluia’...

Carlos Sherman

Atahualpa liberando geral...

Bandeira INCA...


Mortais...




Bonito... E parafraseando Gil, 'o melhor lugar do mundo é aqui e agora'... Mas na realidade, o passado, a memória de nossa vida, está em nosso presente e responde por nossos atos... De forma que 'o passado está no presente, e na verdade não existe passado'... Não temos escolha... Somos nossa vida...

Também não existe futuro, no tempo presente, ou seja, ‘o aqui e o agora’ é tudo o que temos, de fato... Para complicar a questão, as pessoas alimentam uma idéia absurda de vida eterna ou infinita, que confere ainda mais confusão ao tema, ou seja, o presente perde o seu poder, porque 'na vida eterna será melhor', e não raro, vivem como se 'realmente' fossem infinitos... Nos eternizamos pelas nossas obras, nosso legado, o exemplo que vai em nossos filhos e amigos, ou pela força do amor que despertamos, e sobretudo, pela força do amor que dedicamos... Mesmo sabendo que somos, irremediavelmente, Mortais... 

Carlos Sherman

Siddhartha Gautama...




A raiva não pode destruir a raiva... O fogo não pode destruir o fogo...

Siddhartha Gautama

Sobre os riscos de julgar...




Você considera os riscos de julgar, e sei que isso está dirigido a mim, rsrsrsrs... Indevidamente... Pensar diferente, ou ao menos pensar, não constitui ‘julgar’, ‘per si’... Pensar é uma medida apropriada para servir melhor à humanidade... É o recurso para não cometer injustiças... A questão sobre, os perigos de julgar, deve ser dirigida ao deus que virá para assassinar os 'infiéis' e 'apostatas' no Apocalipse... Deve ser discutida com o deus judaico-cristão-islâmico, e com seu capataz, Moisés, antes que protagonizassem 2.500.000 de mortes devidamente documentadas na Bíblia... E qual o crime dos executados? Não crer no recém criado deus de Abraão...

Pensar diferente é inteiramente diferente de julgar... Mas se for necessário julgar, instrução e evidências serão peças chaves para estabelecer JUSTIÇA... Queimar e matar pessoas, sem julgamento, mas por 'pré-julgamento', isto sim envergonha a nossa humanidade... E concordo, o tempo não volta, e nem se estenderá... Então cuida de viver bem e sabiamente, aqui e agora... E concordo também que podemos, pelo humilde aprendizado, ir muito mais longe... E não devemos subestimar a capacidade de aprender... E não devemos temer abandonar velhas e recalcadas crenças...

Sempre aprendemos... E a vida é tudo... Nada vale tanto quanto a vida... Entendê-la, aceitá-la como é, apaixonar-se por ela... Como realmente é... Este é o grande lance... E mais uma vez, como disse Mark Twain: "O maior problema não é de as pessoas saberem pouco, mas de acreditarem que ‘sabem’ muito sobre coisas que não estão certas"... Beijos e uma linda vida...

Carlos Sherman

C´est La Vie...




(..) Você lamenta que, necessitemos recorrer à memória, ou seja, às nossas lembranças, quando lembrei a você de que na realidade ‘não temos escolha’... Pois a memória é involuntária, recuperá-la também... Na verdade, acho que a questão está mal colocada... Devemos nos preocupar, sem idéias pré-concebidas, em entender primeiro 'como a mente funciona'?... Como a memória funciona... Para então, e pelo entendimento, ‘saber’... E finalmente 'aceitar', por trata-se - simplesmente - da realidade... E aí já não cabe recurso, ou seja, ‘a vida é assim e pronto, então que legal, vamos nessa, vamos surfar esta onda’... Ou seja, não escolhemos como a vida é, assim como não escolhemos como funciona o nosso cérebro...

Precisamos antes disso, claro, validar o processo, ou os processos de investigação sobre ‘como a mente funciona’, ou ‘o que é a mente’, ou até mesmo ‘o que é a vida’... Mas dispomos de tais processos, eles são objetivos, exatos? Sim, dispomos de tais processos, pela Neurociência, pela Genética... E sim, tais processos são objetivos, e de certa forma são 'exatos', ou estão evoluindo rapidamente para refletir padrões exatos, ou melhor seria dizer ‘úteis’, ou ‘suficientes’...

E partindo deste conhecimento, ou deste entendimento, devemos aceitar a vida como ela realmente é, e sem lamentar-nos, jamais... Pra quê, por quê? Não bate com nosso sonho encantado? Mas quem induziu tal sonho? Disney, Marvel? Talvez estas fantasias, dependam diretamente da cultura à qual pertencemos, e do tempo em que vivemos... ‘Think about it’!!! Isso é elementar, e fundamental, para que logremos certa harmonia com a própria vida... Aceitá-la e celebrá-la... Como ela é... Desejar que fosse diferente, não ajuda... Entende o meu ponto de vista? Parafraseando Francisco de Assis, ‘trate de mudar o que pode ser mudado, aceitar o que não pode ser mudado, e desenvolver a maturidade, e a capacidade, para discernir uma situação da outra’... Sem a ajuda de forças sobrenaturais, rsrsrsrsrs, claro... Sem deuses, nem demônios...

E posso assegurar que a vida, assim como ela realmente é, é maravilhosa e muito mais instigante que qualquer fantasia ou desejo... E é tudo o que temos, e lamento informar... Também 'sabemos', hoje em dia, sobre o papel e a impulsão que a Genética exerce, sobre as nossas vidas e ações... O nosso afeto é em grande parte 'determinado' pela Oxitocina e pela Vasopressina... A Dopamina também entra neste complexo de: apaixonar-se e desapaixonar-se, de querer ou não ter filhos, ou de cuidar muito ou pouco dos filhos, ou mesmo de ser mais sociável ou menos... Para alguém que vive apaixonado, tudo bem; mas quem não consegue expressar sentimentos, ou mesmo emocionar-se com frequência, costuma rolar uma sensação de culpa do tipo: 'sou insensível', ou 'você não estabelece laços', 'não expressa o que sente'... Ou mesmo ‘não quer ter filhos porque não é uma boa pessoa’, ou ‘não desenvolve um grande interesse pelos filhos que tem’...

Por acaso, e apenas por acaso, remo a favor da corrente, e isso porque naturalmente sou muito afetuoso, sensível, super pai, super 'mãe', rsrsrsrsr... Grudado e apaixonado pela vida, e pelas pessoas... Muito amoroso e protetor... Um viciado em Oxitocina... Talvez um desequilíbrio acentuado pela retirada precoce de minhas amígdalas, muito em voga nos anos 60 e 70, rsrsrs... Mas hoje entendo, como as pessoas que remam contra a corrente se sentem... E sei - pelo conhecimento - que 'ninguém é culpado por ser quem é'... São apenas diferentes do padrão que está na moda... Você por exemplo difere do padrão, a por vezes até acho que segue outro voluntariamente outro padrão, ou seja, ‘ser diferente’, rsrsrsrs... Mas sabe muito bem o preço que paga por isso... Você não é assim porque quer ser... Você simplesmente é assim e pronto...

O nosso afeto, por exemplo, começa a sendo regido pela Genética, e pela subsequente conformação neurofisiológica, anatômica, e na quantidade e localização dos  neuroreceptores para a Oxitocina e Vasopressina; assim como, em decorrência de fatores bioquímicos - e que também tem origem na Genética -, no equilíbrio ou na produção de tais hormônios (proteínas), além da Dopamina, da Serotonina, e outros hormônios correlatos... E isso é só o começo... Aí entra a cultura e a cadeia de eventos particular de nossas  vidas; o lado comportamental, a memória, o aprendizado; e finalmente, 'somos quem somos sem intencionar sê-lo... mas somos, e responderemos legalmente por nossos atos'... 

Isso esvazia a culpa medieval da falácia do livre-arbítrio, e lança um olhar realmente humano, solidário e realista, sobre a natureza de nossos comportamentos...  E se soubermos onde - realmente - estamos, será muito mais fácil decidir pra onde ir... Parafraseando - por exemplo - Mark Twain, e muitos outros, e bons, trataram desta questão, 

'O maior problema não está na ignorância, ou no fato de algumas pessoas saberem pouco... O problema, é acreditarem que sabem muito, e com arrogância, quando estão fragorosamente enganadas'...

Carlos Sherman

Evolução




Um velho amigo que não encontrava há 24 anos me perguntou atônito: - Mas Sherman, você era super católico, participava de encontros de jovens com Cristo, era super dedicado a sua crença, o que aconteceu?

Respondi: - É verdade, e acho que também já chupei chupeta, já acreditei piamente no Papai Noel, e metaforicamente no Coelhinho da Páscoa... Pensei que o National Kid e o Ultraseven pudessem realmente existir, e que super heróis ou super deuses pudessem compor a realidade... Tremi de medo com filmes de terror acreditando existirem espíritos, demônios, etc e tal... Estava equivocado... E você, além de seguir acreditando em deuses ainda chupa chupeta?

Carlos Sherman

Nada Além do Prosaico...




Deitamos nossas vidas sobre nossas lembranças, sobre nossa memória... Deitamos nossas vidas sobre nossa natureza e impulsão genética...

Não há nada além do prosaico... Não há nada além da realidade...

Carlos Sherman

Beleza é Verdade...




Hoje topei com uma frase de John Keats, escrita em 1819, ‘Beleza é Verdade’... E entendi porque não me seduzo por silicones, lipoesculturas, e fisiculturismos plásticos... Porque desprezo a ‘beleza artificial’ do Dr. Hollywood... Porque desprezo o que ‘não é verdade’... Porque desprezo a beleza padrão...

E porque prezo tanto a beleza natural, madura, e completa... Que começa no ser, e termina em suas curvas e cores...

Carlos Sherman

Beleza é Verdade...
John Keats, 1819

Sutis Diferenças...




Sutis Diferenças

Pra você felicidade é
Relva tenra que cresceu no chão
Mas pra mim é fruta que no pé
Se oferece ao olho, à boca, à mão
Pra você toda a tristeza vem
Quando o sol descamba para o mar
Mas pra mim só quando não se tem
Para onde dirigir o olhar
Então nós dois
Sutis diferenças
Vamos combinar
Não pra saber
Quem vence ou não vence
Mas que luz vai dar
Pra você a vida deve ser
Como um rio que corre sem parar
Mas a mim não importa o correr
E sim o refletir, o luar
Pra você o medo vem do céu
Ou do Deus que não se mostrará
Mas pra mim o medo vem de eu
Não saber sequer se algum Deus há
Então nós dois
Sutis diferenças
Vamos combinar
Não há no amor
Quem vença ou não vença
Mas que luz vai dar

Caetano Veloso/Vinicius Cantuária

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Minha Sina...



Enquanto mantenho a argumentação pura, conquisto a antipatia de muitos, sou ofendido por alguns, mas ninguém oferece argumentos em troca... Ninguém... Acho que o saldo é positivo... 



Carlos Sherman
Aos amigos do Vanilla Caffé, Rodrigo e Milton...

Jose Feliciano - Light my fire

Rê e Johnny... 50 + 50 = 1... 1 Lindo Amor...




Rê e Johnny... 50+50=1... 1 Lindo Amor... Linda Família + Linda Vida...

A festa foi maravilhosa, e mais uma vez, o nosso desejo de que vocês cumpram mais 50, no mesmo astral, na mesma 'pegada'... Linda família, lindos amigos, linda vida... Não esqueceremos a noite... Obrigado por compartilhar este tesouro conosco... Estava tudo 1.000%... Como vocês...

Carlos Sherman

Contando 'carneirinhos'...




Curto todas as estações... Não tem essa de não gosto de chuva, frio ou calor... Curto estar na natureza, e aceito a transição... De bom grado... Curso inevitável da vida...  Depois me acostumo, até que mude outra vez... E curto também, e celebro a transição outra vez... Mudança é renovação... Curto a vida, seus ciclos... 


Gostei da sensação térmica de 'morri', rsrsrsrsrs, muito bom... 'Cobertores pra que te quero'... Lareira somente para iniciados... Vinho sempre...


Carlos Sherman

domingo, 26 de junho de 2011

Beleza Brasileira em Parentins...







O 'saber'...




O maior problema não é de as pessoas saberem pouco, mas de acreditarem que ‘sabem’ muito sobre coisas que não estão certas.

Mark Twain

Por outro ângulo... Isso se você quiser ver...




Por outro ângulo...

Quando cessam os argumentos em um debate aberto sobre ‘crenças’, o lado dogmático sempre escolhe um entre dois caminhos: 1. A disputa eloqüente e agressiva, baseando-se apenas no seu fundamento; 2. A alegação de que ‘você não sente’, ‘você não tem fé’...

Colocando o tema sobre outra perspectiva, lembro que os ‘deuses e as crenças vieram de livros ditos sagrados’... Mas como tais livros foram acreditados como sagrados? ‘Bom, são sagrados porque os deuses disseram que são’... Isso constitui um argumento circular, e poderíamos encerrar a discussão por aqui, sendo então que, nada existe a ser discutido... Não existe objeto... Isso porque o ‘sagrado’ é indispensável para ‘sagrar’ um deus como deus... Se não podemos ‘sagrar’ o ‘sagrado’, senão por um deus, como ficamos? Em círculos, e correndo atrás do rabo... Assim não podemos ir a nenhuma parte...

Outro exemplo de argumento circular, ou absurdo, que presenciei enquanto estive no Irã, em uma de minhas 7 viagens ao mundo persa; foi quando o Aiatolá Ali Khamenei conclamou que ‘todos aqueles que querem discutir o relaxamento da pena de morte devem ser executados’... De forma mais suave, sinto como se, por dispor-me a entender a ‘crença na crença’, estivesse sendo sentenciado a ser ‘insensível’... Executado em minha sensibilidade... Na verdade são temas bem distintos como tratarei de ‘demonstrar’, e não são de nenhuma forma 'mutuamente exclusivos'...

Tipicamente, costumo responder a esta questão de ‘você não sente’, lembrado aos ‘crentes’, que enumerem qual dentre os seguintes nomes [com os quais compartilho sentimentos e idéias],  ‘não sentem’ ou ‘não pensam’: Drummond, Pessoa, Mário Quintana, Neruda, Borges, Vargas Llosa, Garcia Marques, Picasso, Da Vinci, Humberto Eco, Jorge Amado, Chaplin, Caetano Veloso, Chico Buarque, David Gilmour, John Lennon? Acho que fica fácil perceber que o sentimento não anula o pensamento e vice-versa...

O conceito filosófico de ‘Reductio Ad Absurdum’ (latim), ou 'redução ao absurdo', tem origem grega; e significaria que podemos reduzir um conjunto de proposições, até chegar a uma ‘redução ao impossível’... Este conceito foi  muito utilizado por Aristóteles... Também é conhecido como argumento ‘apagógico’, ou ‘reductio ad impossibile’ ou, ainda, ‘prova por contradição’... Trata-se de uma argumentação lógica e na qual são assumidas uma ou mais hipóteses e, a partir destas, derivamos até uma consequência dita ‘absurda’ ou ‘ridícula’, e então podemos concluir que a suposição ou proposição original deve ser falsa... Vale-se da ‘Lei da Não-Contradição’, onde ‘uma declaração não pode ser concomitantemente verdadeira e falsa'... Também podemos lançar mão da ‘Lei do Meio Excludente’, onde 'uma sentença não deve ser igualmente verdadeira e falsa'...

Há uma concepção equivocada de que o ‘Reductio Ad Absurdum’ simplesmente denota um ‘argumento bobo’, o que seria por si só, uma ‘falácia lógica’... Na realidade, uma ‘redução ao absurdo’ apropriadamente estruturada constitui um argumento válido e, portanto, uma prova ou demonstração cabal...

Examinemos, pois, à luz do ‘Reductio Ad Absurdum’ as seguintes proposições:
A - ‘A Bíblia é um livro sagrado porque contém verdades';
B – ‘Deus é verdadeiro porque a Bíblia o descreve como verdadeiro’;

Tudo bem até aqui? Acho que sim... A Bíblia é sagrada porque tem autoridade para tal, dizendo apenas a verdade, e Deus é Deus porque a Bíblia diz que ele é Deus... Como a Bíblia está certa, Deus deve ser Deus mesmo, certo?

Então temos:
A - ‘A Bíblia é um livro sagrado porque contém verdades’;
B – ‘Deus é verdadeiro porque a Bíblia o descreve como verdadeiro’;

Mas:
C1 – ‘A Bíblia diz que a Terra é plana, a Terra não é plana, pela Geologia, pela Geografia, pela Astrofísica, et coetera’;
C2 – ‘A Bíblia diz que a Terra está no centro do universo, e que foi criada antes do Sol e das demais estrelas, e não é verdade, pela Astrofísica, Física Nuclear, Química, et coetera’;
C3 – ‘A Bíblia diz que a Terra tem um pouco mais do que 6.000 anos, e isso não é verdade, pela Geologia, pela Astrofísica, Arqueologia, História, et coetera’;
C4 – ‘A Bíblia diz que o Homem [assim como todos os demais animais, insetos, invertebrados, microrganismos] foi criado por Deus diretamente, sem etapas intermediárias, há 6.000 anos, e sabemos que não é verdade pela Genética, Biologia, Neurociência, Antropologia, Paleontologia, et coetera’;
C5 – ‘A Bíblia diz que a mulher foi criada da costela do homem, e sabemos que não é verdade, pela Genética, Biologia, Neurociência, Antropologia, Paleontologia, et coetera’;
C6 – ‘A Bíblia diz que TODAS as doenças são possessão demoníaca, e sabemos que não é verdade pela Medicina, Genética, Biologia, Neurociência, et coetera’;

Então, não apensas por uma contradição (‘C’), mas por 6 contradições acachapantes, podemos dizer que a proposição ‘A’ está errado, ou seja, ‘‘A Bíblia é um livro sagrado porque contém verdades’... Ou seja, a Bíblia contém muitas falsidades ou erros, de forma que não podemos reconhecer sua autoridade e o seu ‘sagrado’, por conter verdades... E logo, a proposição ‘B’, de que ‘Deus é verdadeiro porque a Bíblia o descreve como verdadeiro’, também não se sustenta, sem 'A'... Então significa que ‘a Bíblia não é suficiente para descrever a existência de Deus’... Sem contar que,  quem ‘supostamente’ protagoniza a Bíblia é Deus, ou o seu filho, que também é ele mesmo (!?!)... E como acabamos de demonstrar, em 6 questões ESSENCIAIS para a vida, a Bíblia está completamente errada... 

Logo, antes de adotar uma posição arrogante sobre sua crença, seja ela qual for, esteja ciente de que nada sustenta sua crença além da sua vontade, sua fantasia, ou a fantasia da cultura da qual você faz parte... Pode decorrer também de caprichos, interesses, mas não será um argumento racional... Sobre a racionalidade 'vs' a sensibilidade, acho que também ficou bem claro não haver a mínima relação...

Crer não é nobre... É frágil, desesperado... Vazio...

Finalmente, sim, discutir crenças envolve temas objetivos; como ficou demonstrado... Envolve Física, Astrofísica, Astronomia, Química, Biologia, Genética, Antropologia, Paleontologia, Geologia, Medicina (Fisiologia, Endocrinologia, Neoruologia, et coetera), Neurociência Cognitiva, História, Geografia, et coetera...  

Um último 'toque', refere-se ao conceito de 'Mitologia'... Segundo o maior mitologista que já existiu, Joseph Campbell, 'a Mitologia são os deus dos outros... Sim, porque 'o seu deus é sagrado', e o dos outros não... Então repare como, em relação a Thor, Odin, Hórus, Krishna, Ogúm, Oxossi, Yemanjá, Juju da Montanha, somos todos descrentes... Eu e você... A nossa diferença básica está no fato de que eu não acredito apenas em um deus à mais do que você... Eu 'também' não acredito no 'seu deus'... Ou seja, coincidimos em 'não crer' para os milhares de deuses criados e adorados pelo homem, em 150.000 anos de crenças, só que eu não acredito no seu deus também... Diferimos apenas em um deus em quase 4.000... Discordamos apenas em um deus em 4.000... Isso não é nada, não é verdade?

Continue fugindo de entender... Continue, então, fugindo da verdade... Continue agarrada aos seus fantasmas, e reagindo com subterfúgios... Só porque a vida não é como você gostaria que fosse... Solte a corda, deixe-se cair de encontro à liberdade... Esteja de pé e não mais de joelhos... Basta de súplicas, use os seus braços para construir sobre a realidade... Seja útil, tenha uma vida digna... Eternize-se por seus feitos e não por seu medo...

Carlos Sherman




O milagre não é dar vida ao corpo extinto,
Ou luz ao cego, ou eloqüência ao mudo...
Nem mudar água pura em vinho tinto...
Milagre é acreditarem nisso tudo!
Mário Quintana