Pesquisar este blog

DESTAQUE

A CIÊNCIA DO ERRO | Sobre Verdades, Veracidade e Realidade Objetiva - Parte 1: Uma resposta a Marcelo Gleiser

A CIÊNCIA DO ERRO Sobre Verdades, Veracidade e Realidade Objetiva Parte 1:   Uma resposta a Marcelo Gleiser Dedicado ao me...

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Fool's Overture (Roger Hodgson - Supertramp) Live

Arnaldo Jabor e a Igreja Universal

Filha de Macedo Rindo da desgraça alheia

Dízimo na IURD

Bispo Edir Macedo ensinando como roubar os fiéis

Bispo Romualdo ensina arrecadar dinheiro e como fazer acordo com os band...

As "pérolas" dos líderes evangélicos

AS "PÉROLAS" DOS LÍDERES EVANGÉLICOS 2° PARTE

'O Conto de Fadas de Dilma Rousseff' e a Hipocrisia sem limites...



 


'O Conto de Fadas de Dilma Rousseff' 
e a hipocrisia sem limites da esquerda no Brasil...

Dilma Rousseff é uma cara de pau de marca maior, como outros caras de pau que infestam a nossa política, protagonistas da falácia da esquerda no Brasil... Esta criminosa, nega ter participado de ações terrorista, naquilo que costuma chamar de 'luta armada'... Mas não foi bem isso que disse seu antigo companheiro de crimes, José Dirceu: “Ela é uma companheira de lutas e, como eu disse, uma camarada de armas”... Foi assim que José Dirceu saudou a ex-terrorista ao passar a ela o Ministério da Casa Civil, depois de toda a podridão promovida por Dirceu na pasta... Um monstro está à solta, e está solto: José Dirceu... Mas falemos de Dilma: 



Dilma gosta de acusar a 'ditadura militar', mas dissimula quando o assunto é a MORTE perpetrada pelo grupo guerrilheiro à qual era filiada; e que trabalhava de forma orquestrada sob comando da mais sangrenta ditadura do século XX; ou melhor, do mais sangrento 'complexo de ditaduras' do século XX... Dilma e outros alienados e imbecilizados, empunhavam a bandeira cor de sangue, com a foice assassina, e o martelo que dilacerou o cérebro de Trotsky, para 'mudar o mundo'... Mudar ou controlar e oprimir, matar? Defendia a implantação, no nosso Brasil, de uma super ditadura, que se nutria do academicismo e da infantilidade da teoria marxista - em tempo de utopias esdrúxulas -, e dos exemplos covardes e sanguinários do leninismo, estalinismo, maoismo, e o sórdido governo de Castro, além do delinquente e esquizofrênico Che Guevara... Isso, com o pretexto de combater outra ditadura, que ainda engatinhava - se comprada ao horror bolchevique... O que é isso companheira?

DITADURA SIGNIFICA DITADURA, SEJA DE ESQUERDA, DIREITA, CENTRO, SEJA COM QUE FALÁCIA ESTIVER VESTIDA... DITADURA É A SUPRESSÃO DA LIBERDADE PELA OPRESSÃO PERPETRADA POR UM GRUPO DOMINANTE... E FIM DE PAPO...

É absurdo assistir a este cirquinho da Caça as Bruxas da Ditadura Brasileira, como o pretexto de assaltar os cofres com indenizações milionárias aos familiares dos marginais que decidiram brincar de mudar o mundo segundo os seus critérios... Tenham vergonha na cara... Vocês agora fazem o que querem, institucionalizam a corrupção, e com o mesmo cinismo hipócrita do qual se valeram para chamar de luta democrática, vossa GUERRINHA PARTICULAR... Lula e o PT transformaram este país na Casa da Mãe Joana... Ou da Mãe Dilma... Ou melhor seria WANDA, seu codinome assassino e criminoso...



Antes de ler a lista e a história dos mortos que a 'brincadeirinha de salvar o mundo', diversão 'bombástica' que Dilma e seus comparsas protagonizaram, devo deixar bem claro que estes assassinatos não foram perpetrados apenas contra militares - no exercício do seu dever institucional -, foram perpetrados também contra civis, e contra os que ousaram discordar de sua loucura delirante... Muitos, que não tinham envolvimento político algum, morreram em assaltos, sequestros, balas perdidas, estilhaços de bombas, ou pelo infortúnio de cruzar o caminho do cirquinho itinerante, irresponsável e louco, da Intentona Comunista... Inocentes como por exemplo um turista inglês - l9 anos - que veio conhecer o Rio de Janeiro... Quem tem o direito de arvorar-se dono da verdade quando pretende, tão e somente, trocar uma ditadura 'principiante' por uma ditadura macabra e bem crescidinha, infinitamente superior em opressão, métodos de genocídio, tortura, controle da população e supressão completa das liberdades individuais... Um partido único, pasmem, e este marginais empunhando esta bandeira para falar em ‘democracia’? Enquanto abrem uma filial do açougue marxista, com larga reputação assassina, em pleno território nacional? Com que direito, sob que pretexto? Deveriam lutar pela retorno à institucionalidade, mas isso não interessava... Porque o que eles realmente almejavam era o poder... Ditatorialmente... O poder infinito e aterrorizante...

Entre os grupos - ou quadrilhas - mais violentas estão a ALN (Ação Libertadora Nacional) - 'libertadora de de quê?' - e a VPR (Vanguarda Popular Revolucionária) - 'vanguarda?'... Curiosamente, o nosso governo, em seu terceiro mandato, esta infestado pelos bandidos que integravam estas quadrilhas... Desde a nossa presidente, passando por Ministros, deputados, senadores, etc, sendo que os principais cabeças foram capa do noticiário da corrupção - agora institucionalizada - em nosso país, nos últimos anos: Genuíno, Zé Dirceu, Tarso Genro...



Lista de mortos da brincadeirinha da Internacional Socialista no Brasil:

1 - 12/11/64 - Paulo Macena, Vigia - RJ
Explosão de bomba deixada por uma organização comunista que nunca foi identificada, em protesto contra a aprovação da Lei Suplicy, que extinguiu a UNE e a UBES. No Cine Bruni, Flamengo, com seis feridos graves e 1 morto.

2 - 27/03/65- Carlos Argemiro Camargo, Sargento do Exército - Paraná
Emboscada de um grupo de militantes da Força Armada de Libertação Nacional (FALN), chefiado pelo ex-coronel Jeffersom Cardim de Alencar Osorio. Camargo foi morto a tiros. Sua mulher estava grávida de sete meses.

3 - 25/07/66 - Edson Régis de Carvalho, Jornalista - PE
Explosão de bomba no Aeroporto Internacional de Guararapes, com 17 feridos e 2 mortos.

4 - 25/07/66 - Nelson Gomes Fernandes, almirante - PE
Morto no mesmo atentado citado acima. Além das duas vítimas fatais, ficaram feridas 17 pessoas, entre elas o então coronel do Exército Sylvio Ferreira da Silva. Além de fraturas expostas, teve amputados quatro dedos da mão esquerda. Sebastião Tomaz de Aquino, guarda civil, teve a perna direita amputada.

5 - 28/09/66 - Raimundo de Carvalho Andrade - Cabo da PM, GO
Morto durante uma tentativa de desocupação do Colégio Estadual Campinas, em Goiânia, que havia sido ocupado por estudantes de esquerda. O grupo de soldados convocado para a tarefa era formado por burocratas, cozinheiros etc. Estavam armados com balas de festim. Andrade, que era alfaiate da Polícia Militar, foi morto por uma bala de verdade disparada de dentro da escola.

6 - 24/11/67 - José Gonçalves Conceição (Zé Dico) - fazendeiro - SP
Morto por Edmur Péricles de Camargo, integrante da Ala Marighella, durante a invasão da fazenda Bandeirante, em Presidente Epitácio. Zé Dico foi trancado num quarto, torturado e, finalmente, morto com vários tiros. O filho do fazendeiro que tentara socorrer o pai foi baleado por Edmur com dois tiros nas costas.

7 - 15/12/67 - Osíris Motta Marcondes, bancário - SPMorto quando tentava impedir um assalto terrorista ao Banco Mercantil, do qual era o gerente.

8 - 10/01/68 - Agostinho Ferreira Lima - Marinha Mercante - Rio Negro/AMNo dia 06/12/67, a lancha da Marinha Mercante “Antônio Alberto” foi atacada por um grupo de nove terroristas, liderados por Ricardo Alberto Aguado Gomes, “Dr. Ramon”, que, depois ingressou na Ação Libertadora Nacional (ALN). Neste ataque, Agostinho Ferreira Lima foi ferido gravemente, vindo a morrer no dia 10/01/68.

9 - 31/05/68 - Ailton de Oliveira, guarda Penitenciário - RJO Movimento Armado Revolucionário (MAR) montou uma ação para libertar nove de seus membros que cumpriam pena na Penitenciária Lemos de Brito (RJ)  que, uma vez libertados, deveriam seguir para a região de Conceição de Jacareí, onde o MAR pretendia estabelecer o “embrião do foco guerrilheiro”. No dia 26/05/68, o estagiário Júlio César entregou à funcionária da penitenciária Natersa Passos, num pacote, três revólveres calibre 38. Às 17h30, teve início a fuga. Os terroristas foram surpreendidos pelos guardas penitenciários Ailton de Oliveira e Jorge Félix Barbosa. Foram feridos, e Ailton morreu no dia 31/05/68.  Também ficou gravemente ferido o funcionário da Light João Dias Pereira, que se encontrava na calçada da penitenciária. O autor dos disparos que atingiram o guarda Ailton foi o terrorista Avelino Brioni Capitani

10 - 26/06/68- Mário Kozel Filho - Soldado do Exército - SPNo dia 26/06/68, Kozel atua como sentinela do Quartel General do II Exército. Às 4h30, um tiro é disparado por um outro soldado contra uma camioneta que, desgovernada, tenta penetrar no quartel. Seu motorista saltara dela em movimento, após acelerá-la e direcioná-la para o portão do QG. O soldado Rufino, também sentinela, dispara 6 tiros contra o mesmo veículo, que, finalmente, bate na parede externa do quartel. Kozel sai do seu posto e corre em direção ao carro para ver se havia alguém no seu interior. Havia uma carga com 50 quilos de dinamite, que, segundos depois, explode. O corpo de Kozel é dilacerado. Os soldados João Fernandes, Luiz Roberto Julião e Edson Roberto Rufino ficam muito feridos. É mais um ato terrorista da organização chefiada por Lamarca, a VPR. Participaram do crime os terroristas Diógenes José de Carvalho Oliveira, Waldir Carlos Sarapu, Wilson Egídio Fava, Onofre Pinto, Edmundo Coleen Leite, José Araújo Nóbrega, Oswaldo Antônio dos Santos, Dulce de Souza Maia, Renata Ferraz Guerra Andrade e José Ronaldo Tavares de Lima e Silva.   NOTA: a família de Lamarca recebeu indenização. De Kozel  -  que foi assassinado  pelos terroristas, quando voou pelos ares - quase ninguém mais se lembra.

11 - 27/06/68 - Noel de Oliveira Ramos - civil - RJMorto com um tiro no coração em conflito na rua. Estudantes distribuíam, no Largo de São Francisco, panfletos a favor do governo e contra as agitações estudantis conduzidas por militantes comunistas. Gessé Barbosa de Souza, eletricista e militante da VPR, conhecido como “Juliano” ou “Julião”, infiltrado no movimento, tentou impedir a manifestação com uma arma. Os estudantes, em grande maioria, não se intimidaram e tentaram segurar Gessé que fugiu atirando, atingindo mortalmente Noel de Oliveira Ramos e ferindo o engraxate Olavo Siqueira.


12- 27/06/68 - Nelson de Barros - Sargento PM - RJNo dia 21/06/68, conhecida como a “Sexta-Feira Sangrenta”, realizou-se no Rio uma passeata contra o regime militar. Cerca de 10.000 pessoas ergueram barricadas, incendiaram carros, agrediram motoristas, saquearam lojas, atacaram a tiros a embaixada americana e as tropas da Polícia Militar. No fim da noite, pelo menos 10 mortos e centenas de feridos. Entre estes, estava o sargento da PM Nelson de Barros, que morreu no dia 27.

13 - 01/07/68 - Edward Ernest Tito Otto Maximilian Von Westernhagen - major do Exército Alemão - RJ
Morto no Rio, onde fazia o Curso da Escola de Comando e Estado Maior do Exército. Assassinado na rua Engenheiro Duarte, Gávea, por ter sido confundido com o major boliviano Gary Prado, suposto matador de Che Guevara, que também cursava a mesma escola. Autores: Severino Viana Callou, João Lucas Alves e um terceiro não-identificado. Todos pertenciam à organização terrorista COLINA- Comando de Libertação Nacional.

14 - 07/09/68 - Eduardo Custódio de Souza - Soldado PM - SP
Morto com sete tiros por terroristas de uma organização não identificada quando de sentinela no DEOPS, em São Paulo.

15 - 20/09/68 - Antônio Carlos Jeffery - Soldado PM - SP
Morto a tiros quando de sentinela no quartel da então Força Pública de São Paulo (atual PM) no Barro Branco. Organização terrorista que praticou o assassinato: Vanguarda Popular Revolucionária - VPR. Assassinos: Pedro Lobo de Oliveira, Onofre Pinto, Diógenes José Carvalho de Oliveira, atualmente conhecido como “Diógenes do PT”, ex-auxiliar de Olívio Dutra no Governo do RS.

16 - 12/10/68 - Charles Rodney Chandler - Cap. do Exército dos Estados Unidos - SP
Herói na guerra com o Vietnã, veio ao Brasil para fazer o Curso de Sociologia e Política, na Fundação Álvares Penteado, em São Paulo/SP. No início de outubro de 68, um “Tribunal Revolucionário”, composto pelos dirigentes da VPR (Vanguarda Popular Revolucionária), Onofre Pinto (Augusto, Ribeiro, Ari), João Carlos Kfouri Quartin de Morais (Maneco) e Ladislas Dowbor (Jamil), condenou o capitão Chandler à morte, porque ele “seria um agente da CIA”. Os levantamentos da rotina de vida do capitão foram realizados por Dulce de Souza Maia (Judite). Quando retirava seu carro das garagem para seguir para a Faculdade, Chandler foi assassinado com 14 tiros de metralhadora e vários tiros de revólver, na frente da sua mulher, Joan, e de seus 3 filhos. O grupo de execução era constituído pelos terroristas Pedro Lobo de Oliveira (Getúlio), Diógenes José de Carvalho Oliveira (Luis, Leonardo, Pedro) e Marco Antônio Bráz de Carvalho (Marquito).   Você acha certo assassinar alguém,  na frente de sua mulher e filhos,  por discordar das idéias de onde ele trabalha ?

17 - 24/10/68 - Luiz Carlos Augusto - civil - RJ
Morto, com 1 tiro, durante uma passeata estudantil.

18 - 25/10/68 - Wenceslau Ramalho Leite - civil - RJ
Morto, com quatro tiros de pistola Luger 9mm durante o roubo de seu carro, na avenida 28 de Setembro, Vila Isabel, RJ. Autores: Murilo Pinto da Silva (Cesar ou Miranda) e Fausto Machado Freire (Ruivo ou Wilson), ambos integrantes da organização terrorista COLINA (Comando de Libertação Nacional).

19 - 07/11/68 - Estanislau Ignácio Correia - Civil - SP
Morto pelos terroristas Ioshitame Fugimore, Oswaldo Antônio dos Santos e Pedro Lobo Oliveira, todos integrantes da Vanguarda Popular Revolucionária(VPR), quando roubavam seu automóvel na esquina das ruas Carlos Norberto Souza Aranha e Jaime Fonseca Rodrigues, em São Paulo.

20 - 07/01/69 - Alzira Baltazar de Almeida - dona de casa - Rio de Janeiro/RJ
Uma bomba jogada por terroristas embaixo de uma viatura policia, estacionada em frente à 9ª Delegacia de Polícia, ao explodir, matou Alzira, que passava pela rua.

21 - 11/01/69 - Edmundo Janot - Lavrador - Rio de Janeiro / RJ
Morto a tiros, foiçadas e facadas por um grupo de terroristas que haviam montado uma base de guerrilha nas proximidades da sua fazenda.

22 - 29/01/69 - Cecildes Moreira de Faria - Subinspetor de Polícia - BH/ MG

23 - 29/01/69 - José Antunes Ferreira - guarda civil-BH/MG
Policiais chegaram a um “aparelho” do Comando de Libertação Nacional (Colina), na rua Itacarambu nº 120, bairro São Geraldo. Foram recebidos por rajadas de metralhadora, disparadas por Murilo Pinto Pezzuti da Silva, “Cesar’ ou “Miranda”, que mataram o subinspetor Cecildes Moreira da Silva (ver acima), que deixou viúva e oito filhos menores. Ferreira também morreu. Além do assassino, foram presos os seguintes terroristas: Afonso Celso L.Leite (Ciro), Mauricio Vieira de Castro (Carlos), Nilo Sérgio Menezes Macedo, Júlio Antonio Bittencourt de Almeida (Pedro), Jorge Raimundo Nahas (Clovis ou Ismael) e Maria José de Carvalho Nahas (Celia ou Marta). No interior do “aparelho”, foram apreendidos 1 fuzil FAL, 5 pistolas, 3 revólveres, 2 metralhadoras, 2 carabinas, 2 granadas de mão, 702 bananas de dinamite, fardas da PM e dinheiro de assaltos.

24 - 14/04/69 - Francisco Bento da Silva - motorista - SP
Morto pela Ala Vermelha do PC do B durante um assalto, praticado  ao carro pagador (uma Kombi) do Banco Francês-Italiano para a América do Sul, na Alameda Barão de Campinas, quando foram roubados vinte milhões de cruzeiros. Participaram desta ação os seguintes terroristas: Élio Cabral de Souza, Derly José de Carvalho, Daniel José de Carvalho, Devanir José de Carvalho, James Allen Luz, Aderval Alves Coqueiro, Lúcio da Costa Fonseca, Gilberto Giovanetti, Ney Jansen Ferreira Júnior, Genésio Borges de Melo e Antônio Medeiros Neto

25 - 14/04/69 - Luiz Francisco da Silva - guarda bancário -SP
Também morto durante o assalto acima relatado.

26 - 08/05/69 - José de Carvalho - Investigador de Polícia - SP
Atingido com um tiro na boca durante um assalto ao União de Bancos Brasileiros, em Suzano, no dia 07 de maio, vindo a falecer no dia seguinte. Nessa ação, os terroristas feriram, também, Antonio Maria Comenda Belchior e Ferdinando Eiamini. Participaram os seguintes terroristas da Ação Libertadora Nacional (ALN): Virgílio Gomes da Silva, Aton Fon Filho, Takao Amano, Ney da Costa Falcão, Manoel Cyrilo de Oliveira Neto e João Batista Zeferino Sales Vani. Takao Amano foi baleado na coxa e operado, em um “aparelho médico” por Boanerges de Souza Massa, médico da ALN.

27 - 09/05/69 - Orlando Pinto da Silva - Guarda Civil - SP
Morto com dois tiros, um na nuca e outro na testa, disparados por Carlos Lamarca, durante assalto ao Banco Itaú, na rua Piratininga, Bairro da Mooca. Na ocasião também foi esfaqueado o gerente do Banco, Norberto Draconetti. Organização responsável por esse assalto: Vanguarda Popular Revolucionária (VPR).

28 - 27/05/69 - Naul José Montovani - Soldado PM - SP
Em 27/05/69 foi realizada uma ação contra o 15º Batalhão da Força Pública de São Paulo, atual PMESP, na Avenida Cruzeiro do Sul, SP/SP. Os terroristas Virgílio Gomes da Silva, Aton Fon Filho, Carlos Eduardo Pires Fleury, Maria Aparecida Costa, Celso Antunes Horta e Ana Maria de Cerqueira César Corbusier metralharam o soldado Naul José Montovani, que estava de sentinela e que morreu instantaneamente. O soldado Nicário Conceição Pulpo, que correu ao local ao ouvir os disparos, foi gravemente ferido na cabeça, tendo ficado paralítico.

29 - 04/06/69 - Boaventura Rodrigues da Silva - Soldado PM – SP
Morto por terroristas durante assalto ao Banco Tozan.

30 - 22/06/69 - Guido Boné - soldado PM - SP
Morto por militantes da ALN que atacaram e incendiaram a rádio-patrulha RP 416, da então Força Pública de São Paulo, hoje Polícia Militar, matando os seus dois ocupantes, os soldados Guido Bone e Natalino Amaro Teixeira, roubando suas armas.

31 - 22/06/69 - Natalino Amaro Teixeira - Soldado PM - SP
Morto por militantes da ALN na ação acima relatada.

32 - 11/07/69 - Cidelino Palmeiras do Nascimento - Motorista de táxi - RJ
Morto a tiros quando conduzia, em seu carro, policiais que perseguiam terroristas que haviam assaltado o Banco Aliança, agência Muda. Participaram deste assassinato os terroristas Chael Charles Schreier, Adilson Ferreira da Silva, Fernando Borges de Paula Ferreira, Flávio Roberto de Souza, Reinaldo José de Melo, Sônia Eliane Lafóz e o autor dos disparos Darci Rodrigues, todos pertencentes a organização terrorista VAR-Palmares.

33 - 24/07/69 - Aparecido dos Santos Oliveira - Soldado PM - SP
O Banco Bradesco, na rua Turiassu, no Bairro de Perdizes, foi assaltado por uma frente de grupos de esquerda. Foram roubados sete milhões de cruzeiros. Participaram da ação:
- Pelo Grupo de Expropriação e Operação: Devanir José de Carvalho, James Allen Luz, Raimundo Gonçalves de Figueiredo, Ney Jansen Ferreira Júnior, José Couto Leal  (Raimundo Gonçalves Figueiredo baleou o soldado Oliveira. Já caído, ele recebeu mais quatro tiros disparados por Domingos Quintino dos Santos);
- Pelo Grupo do Gaúcho: Plínio Petersen Pereira, Domingos Quintino dos Santos, Chaouky Abara;
- Pela VAR-Palmares: Chael Charles Schreier, Roberto Chagas e Silva, Carmem Monteiro dos Santos Jacomini e Eduardo Leite.

34 - 20/08/69 - José Santa Maria - Gerente de Banco - RJ
Morto por terroristas que assaltaram o Banco de Crédito Real de Minas Gerais, do qual era gerente.

35 - 25/08/69 - Sulamita Campos Leite - dona de casa, PA
Parente do terrorista Flávio Augusto Neves Leão Salles. Morta na casa dos Salles, em Belém, ao detonar, por inadvertência, uma carga de explosivos escondida pelo terrorista.

36 - 31/08/69 - Mauro Celso Rodrigues - Soldado PM - MA
Morto quando procurava impedir a luta entre proprietários e posseiros, incitada por movimentos subversivos.

37 - 03/09/69 - José Getúlio Borba - Comerciário - SP
Os terroristas da Ação Libertadora Nacional (ALN) Antenor Meyer, José Wilson Lessa Sabag, Francisco José de Oliveira e Maria Augusta Tomaz resolveram comprar um gravador na loja Lutz Ferrando, na esquina da Avenida Ipiranga com a Rua São Luis. O pagamento seria feito com um cheque roubado num assalto. Descobertos, receberam voz de prisão e reagiram. Na troca de tiros, o guarda civil João Szelacsak Neto ficou ferido com um tiro na coxa, e o funcionário da loja, José Getúlio Borba, foi mortalmente ferido. Perseguidos pela polícia, o terrorista José Wilson Lessa Sabag matou a tiros o soldado da Força Pública (atual PM) João Guilherme de Brito.

38 - 03/09/69 - João Guilherme de Brito - Soldado da Força Pública/SP
Morto na ação acima narrada.

39 - 20/09/69 - Samuel Pires - Cobrador de ônibus - SP
Morto por terroristas quando assaltavam uma empresa de ônibus.

40 - 22/09/69 - Kurt Kriegel - Comerciante - Porto Alegre/RS
Comerciante Kurt Kriegel, morto pela Var-Palmates em Porto Alegre.

41 - 30/09/69 - Cláudio Ernesto Canton - Agente da Polícia Federal - SP
Após ter efetuado a prisão de um terrorista, foi atingido na coluna vertebral, vindo a falecer em conseqüência desse ferimento.

42 - 04/10/69 - Euclídes de Paiva Cerqueira - Guarda particular - RJ
Morto por terroristas durante assalto ao carro transportador de valores do Banco Irmãos Guimarães

43 - 06/10/69 - Abelardo Rosa Lima - Soldado PM - SP
Metralhado por terroristas numa tentativa de assalto ao Mercado Peg-Pag. Autores: Devanir José de Carvalho (Henrique), Walter Olivieri, Eduardo Leite (Bacuri), Mocide Bucherone e Ismael Andrade dos Santos. Organizações Terroristas: REDE (Resistência Democrática) e MRT (Movimento Revolucionário Tiradentes).

44 - 07/10/69 - Romildo Ottenio - Soldado PM - SP
Morto quando tentava prender um terrorista.

45 - 31/10/69 - Nilson José de Azevedo Lins- civil - PE
Gerente da firma Cornélio de Souza e Silva, distribuidora da Souza Cruz, em Olinda. Foi assaltado e morto quando ia depositar, no Banco, o dinheiro da firma. Organização: PCBR (Partido Comunista Brasileiro Revolucionário). Autores: Alberto Vinícius Melo do Nascimento, Rholine Sonde Cavalcante Silva, Carlos Alberto Soares e João Maurício de Andrade Baltar.

46 - 04/11/69 - Estela Borges Morato - Investigadora do DOPS - SP
Morta a tiros quando participava da operação em que morreu o terrorista Carlos Marighela.

47 - 04/11/69 - Friederich Adolf Rohmann - Protético - SP
Também morto durante a operação que resultou na morte do terrorista Carlos Marighela.

48 - 14/11/69 - Orlando Girolo - Bancário - SP
Morto por terroristas durante assalto ao Bradesco.

49 - 17/11/69 - Joel Nunes - Subtenente PM - RJ
Neste dia, o PCBR assaltou o Banco Sotto Maior, na Praça do Carmo, no subúrbio carioca de Brás de Pina, de onde foram roubados cerca de 80 milhões de cruzeiros. Na fuga, obstados por uma viatura policial, surgiu um violento tiroteio no qual Avelino Bioni Capitani matou o sargento da PM Joel Nunes. Na ocasião, foi preso o terrorista Paulo Sérgio Granado Paranhos.

50 - 18/12/69 - Elias dos Santos - Soldado do Exército - RJ
Havia um aparelho do PCBR na rua Baronesa de Uruguaiana nº 70, no bairro de Lins de Vasconcelos. Ali, Prestes de Paula, ao fugir pelos fundos da casa, disparou um tiro de pistola 45 contra Elias dos Santos.

51 - 17/01/70 - José Geraldo Alves Cursino - Sargento PM - São Paulo / SP
Morto a tiros por terroristas.

52 - 20/02/70 - Antônio Aparecido Posso Nogueró - Sargento PM - São Paulo
Morto pelo terrorista Antônio Raimundo de Lucena quando tentava impedir um ato terrorista no Jardim Cerejeiras, Atibaia/SP.

53 - 11/03/70 - Newton de Oliveira Nascimento - Soldado PM - Rio de Janeiro
No dia 11/03/70, os militantes do grupo tático armado da ALN Mário de Souza Prata, Rômulo Noronha de Albuquerque e Jorge Raimundo Júnior deslocavam-se num carro Corcel azul, roubado, dirigido pelo último, quando foram interceptados no bairro de Laranjeiras- RJ por uma patrulha da PM. Suspeitando do motorista, pela pouca idade que aparentava, e verificando que Jorge Raimundo não portava habilitação, os policiais ordenaram-lhe que entrasse no veículo policial, junto com Rômulo Noronha Albuquerque, enquanto Mauro de Souza Prata, acompanhado de um dos soldados, iria dirigindo o Corcel até a delegacia mais próxima.  Aproveitando-se do descuido dos policiais, que não revistaram os detidos, Mário, ao manobrar o veículo para colocá-lo à frente da viatura policial, sacou de uma arma e atirou, matando com um tiro na testa o soldado da PM Newton Oliveira Nascimento, que o escoltava no carro roubado. O soldado Newton deixou a viúva dona Luci e duas filhas menores, de quatro e dois anos.

54 - 31/03/70 - Joaquim Melo - Investigador de Polícia - Pernambuco
Morto por terroristas durante ação contra um “aparelho”

55 - 02/05/70 - João Batista de Souza - Guarda de Segurança - SP
Um comando terrorista, integrado por Devanir José de Carvalho, Antonio André Camargo Guerra, Plínio Petersen Pereira, Waldemar Abreu e José Rodrigues Ângelo, pelo Movimento Revolucionário Tiradentes (MRT), e mais Eduardo Leite (Bacuri), pela Resistência Democrática (REDE), assaltaram a Companhia de Cigarros Souza Cruz, no Cambuci/SP. Na ocasião Bacuri assassinou o guarda de segurança João Batista de Souza.

56 - 10/05/70 - Alberto Mendes Junior- 1º Tenente PM - SP
Esta é uma das maiores expressões da covardia e da violência de que era capaz o terrorista Carlos Lamarca.  No dia 08/05/70, 7 terroristas, chefiados por ele, estavam numa pick-up e pararam num posto de gasolina em Eldorado Paulista. Foram abordados por policiais e reagiram a bala, conseguindo fugir. Ciente do ocorrido, o Tenente Mendes organizou uma patrulha. Em duas viaturas, dirigiu-se de Sete Barras para Eldorado Paulista.  Por volta das 21h, houve o encontro com os terroristas, que estavam armados com fuzis FAL, enquanto os PMs portavam o velho fuzil Mauser modelo 1908. Em nítida desvantagem bélica, vários PMs foram feridos, e o Tenente Mendes verificou que diversos de seus comandados estavam necessitando de urgentes socorros médicos.  Julgando-se cercado, Mendes aceitou render-se desde que seus homens pudessem receber o socorro necessário. Tendo os demais componentes da patrulha permanecido como reféns, o Tenente levou os feridos para Sete Barras.

De madrugada, a pé e sozinho, Mendes buscou contato com os terroristas, preocupado que estava com o restante de seus homens. Encontrou Lamarca, que decidiu seguir com seus companheiros e com os prisioneiros para Sete Barras. Ao se aproximarem dessa localidade, foram surpreendidos por um tiroteio, ocasião em que dois terroristas - Edmauro Gopfert e José Araújo Nóbrega - desgarraram-se do grupo, e os cinco terroristas restantes embrenharam-se no mato, levando junto o Tenente Mendes. Depois de caminharem um dia e meio na mata, os terroristas e o tenente pararam para descansar. Carlos Lamarca, Yoshitame Fujimore e Diógenes Sobrosa de Souza afastaram-se e formaram um “tribunal revolucionário”, que resolveu assassinar o Tenente Mendes. Os outros dois, Ariston Oliveira Lucena e Gilberto Faria Lima, ficaram vigiando o prisioneiro.

Poucos minutos depois, os três terroristas retornaram. Yoshitame Fujimore desfechou-lhe violentos golpes na cabeça, com a coronha de um fuzil. Caído e com a base do crânio partida, o Tenente Mendes gemia e se contorcia em dores. Diógenes Sobrosa de Souza desferiu-lhe outros golpes na cabeça, esfacelando-a. Ali mesmo, numa pequena vala e com seus coturnos ao lado da cabeça ensangüentada, o Tenente Mendes foi enterrado. Em 08/09/70, Ariston Lucena foi preso pelo DOI-CODI e apontou o local onde o tenente estava enterrado.

57 - 11/06/70 - Irlando de Moura Régis - Agente da Polícia Federal - RJ
Foi assassinado durante o seqüestro do embaixador da Alemanha, Ehrendfried Anton Theodor Ludwig Von Holleben. A operação foi executada pelo Comando Juarez Guimarães de Brito. Participaram Jesus Paredes Soto, José Maurício Gradel, Sônia Eliane Lafóz, José Milton Barbosa, Eduardo Coleen Leite (Bacuri), que matou Irlando, Herbert Eustáquio de Carvalho, José Roberto Gonçalves de Rezende, Alex Polari de Alverga e Roberto Chagas da Silva.

58 - 15/07/70 - Isidoro Zamboldi - segurança - SP
Morto pela terrorista Ana Bursztyn durante assalto à loja Mappin.

59 - 12/08/70 - Benedito Gomes - Capitão do Exército - SP
Morto por terroristas, no interior do seu carro, na Estrada Velha de Campinas.

60 - 19/08/70 - Vagner Lúcio Vitorino da Silva - Guarda de segurança – RJ
Morto durante assalto do Grupo Tático Armado da organização terrorista MR-8 ao Banco Nacional de Minas Gerais, no bairro de Ramos. Sônia Maria Ferreira Lima foi quem fez os disparos que o mataram. Participaram, também, dessa ação os terroristas Reinaldo Guarany Simões, Viriato Xavier de Melo Filho e Benjamim de Oliveira Torres Neto, os dois últimos recém-chegados do curso em Cuba.

61 - 29/08/70 - José Armando Rodrigues - Comerciante – CE
Proprietário da firma Ibiapaba Comércio Ltda. Após ter sido assaltado em sua loja, foi seqüestrado, barbaramente torturado e morto a tiros por terroristas da ALN. Após seu assassinato, seu carro foi lançado num precipício na serra de Ibiapaba, em São Benedito, CE. Autores: Ex-seminaristas Antônio Espiridião Neto e Waldemar Rodrigues Menezes (autor dos disparos), José Sales de Oliveira, Carlos de Montenegro Medeiros, Gilberto Telmo Sidney Marques, Timochenko Soares de Sales e Francisco William.

62 - 14/09/70 - Bertolino Ferreira da Silva - Guarda de segurança - SP
Morto durante assalto praticado pelas organizações terroristas ALN e MRT ao carro pagador da empresa Brinks, no Bairro do Paraíso em são Paulo.

63 - 21/09/70 - Célio Tonelly - soldado da PM - SP
Morto em Santo André. Quando de serviço em uma rádio-patrulha, tentou deter terroristas que ocupavam um automóvel.

64 - 22/09/70 - Autair Macedo - Guarda de segurança - RJ
Morto por terroristas, durante assalto a empresa de ônibus Amigos Unidos

65 - 27/10/70 - Walder Xavier de Lima - Sargento da Aeronáutica - BA
Morto quando, ao volante de uma viatura, conduzia terroristas presos, em Salvador. O assassino, Theodomiro Romeiro dos Santos (Marcos) o atingiu com um tiro na nuca. Organização: PCBR (Partido Comunista Brasileiro Revolucionário).

66 - 10/11/70 - José Marques do Nascimento - civil - SP
Morto por terroristas que trocavam tiros com a polícia.

67 - 10/11/70 - Garibaldo de Queiroz - Soldado PM - SP
Morto em confronto com terroristas da VPR (Vanguarda Popular Revolucionária) que faziam uma panfletagem armada na Vila Prudente, São Paulo.

68 - 10/11/70 - José Aleixo Nunes - soldado PM - SP
Também morto na ocorrência relatada acima.

69 - 10/12/70 - Hélio de Carvalho Araújo - Agente da Polícia Federal - RJ
No dia 07/12, o embaixador da Suíça no Brasil, Giovanni Enrico Bucher, foi seqüestrado pela VPR. Participaram da operação os terroristas Adair Gonçalves Reis, Gerson Theodoro de Oliveira, Maurício Guilherme da Silveira, Alex Polari de Alverga, Inês Etienne Romeu, Alfredo Sirkis, Herbert Eustáquio de Carvalho e Carlos Lamarca. Após interceptar o carro que conduzia o Embaixador, Carlos Lamarca bateu com um revólver Smith-Wesson, cano longo, calibre 38, no vidro do carro. Abriu a porta traseira e, a uma distância de dois metros, atirou, duas vezes contra o agente Hélio. Os terroristas levaram o embaixador e deixaram o agente agonizando. Transferido para o hospital Miguel Couto, morreu no dia 10/12/70.

70 - 07/01/71 - Marcelo Costa Tavares - Estudante - MG
Morto por terroristas durante um assalto ao Banco Nacional de Minas Gerais.  Autor dos disparos: Newton Moraes.

71 - 12/02/71 - Américo Cassiolato - Soldado PM - São Paulo
Morto por terroristas em Pirapora do Bom Jesus.

72 - 20/02/71 - Fernando Pereira - Comerciário - Rio de Janeiro
Morto por terroristas quando tentava impedir um assalto ao estabelecimento “Casa do Arroz”, do qual era gerente.

73 - 08/03/71 - Djalma Peluci Batista - Soldado PM - Rio de Janeiro
Morto por terroristas, durante assalto ao Banco do Estado do Rio de Janeiro.

74 - 24/03/71 - Mateus Levino dos Santos - Tenente da FAB - Pernambuco
O PCBR necessitava roubar um carro para participar do seqüestro do cônsul norte-americano, em Recife. No dia 26/06/70, o grupo decidiu roubar um Fusca, estacionado em Jaboatão dos Guararapes, na Grande Recife, nas proximidades do Hospital da Aeronáutica. Ao tentarem render o motorista, descobriram tratar-se de um tenente da Aeronáutica. Carlos Alberto disparou dois tiros contra o militar: um na cabeça e outro no pescoço. Depois de nove meses de intenso sofrimento, morreu no dia 24 de março de 1971, deixando viúva e duas filhas menores. O imprevisto levou o PCBR a desistir do sequestro.

75 - 04/04/71 - José Julio Toja Martinez - Major do Exército - Rio de Janeiro
No início de abril, a Brigada Pára-Quedista recebeu uma denúncia de que um casal de terroristas ocupara uma casa localizada na rua Niquelândia, 23, em Campo Grande/RJ. Não desejando passar esse informe à 2ª Seção do então I Exército, sem aprofundá-lo, a 2ª Seção da Brigada, chefiada pelo major Martinez, montou um esquema de vigilância da casa. Por volta das 23h, chega um casal de táxi. A mulher ostentava uma volumosa barriga, sugerindo gravidez.

O major Martinez acabara de concluir o curso da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, onde, por três anos, exatamente o período em que a guerra revolucionária se desenvolvera, estivera afastado desses problemas em função da própria vida escolar bastante intensa. Estagiário na Brigada de Pára-Quedista, a quem também não estava afeta a missão de combate à subversão, não se havia habituado à virulência da ação terrorista.

Julgando que o casal nada tinha a ver com a subversão, Martinez iniciou a travessia da rua, a fim de solicitar-lhe que se afastasse daquela área. Ato contínuo, da barriga, formada por uma cesta para pão com uma abertura para saque da arma ali escondida, a “grávida” retirou um revólver, matando-o antes que pudesse esboçar qualquer reação. O capitão Parreira, de sua equipe, ao sair em sua defesa, foi gravemente ferido por um tiro desferido pelo terrorista. Nesse momento, os demais agentes desencadearam cerrado tiroteio, que causou a morte do casal de terroristas. Eram os militantes do MR-8 Mário de Souza Prata e Marilena Villas-Bôas Pinto, responsáveis por uma extensa lista de atos terroristas. No “aparelho” do casal, foram encontrados explosivos, munição e armas, além de dezenas de levantamentos de bancos, de supermercados, de diplomatas estrangeiros e de generais do Exército. Martinez deixou viúva e quatro filhos, três meninas e um menino, a mais velha, à época, com 11 anos.

76 - 07/04/71 - Maria Alice Matos - Empregada doméstica - Rio de Janeiro
Morta por terroristas quando do assalto a um depósito de material de construção.

77 - 15/04/71 - Henning Albert Boilesen - (Industrial - São Paulo)
Quando da criação da Operação Bandeirante, o então comandante do II Exército, general Canavarro, reuniu-se com o governador do Estado de São Paulo, com várias autoridades federais, estaduais, municipais e com industriais paulistas para solicitar o apoio para um órgão que necessitava ser criado com rapidez, a fim de fazer frente ao crescente terrorismo que estava em curso no estado de São Paulo. Assim, vários industriais, entre eles Boilesen, se cotizaram para atender ao pedido daquela autoridade militar. Por descisão de Lamarca, Boilesen, um dinamarquês naturalizado brasileiro, foi assassinado. Participaram da ação os terroristas Yuri Xavier Pereira, Joaquim Alencar Seixas, José Milton Barbosa, Dimas Antonio Casimiro e Antonio Sérgio de Matos. No relatório escrito por Yuri, e apreendido pela polícia, aparecem as frases “durante a fuga trocávamos olhares de contentamento e satisfação". Mais uma vitória da Revolução Brasileira”. Vários carros e casas foram atingidos por projéteis. Duas mulheres foram feridas. Sobre o corpo de Boilesen, atingido por 19 tiros, panfletos da ALN e do MRT, dirigidos “Ao Povo Brasileiro”, traziam a ameaça:  “Como ele, existem muitos outros e sabemos quem são. Todos terão o mesmo fim, não importa quanto tempo demore; o que importa é que eles sentirão o peso da JUSTIÇA REVOLUCIONÁRIA. Olho por olho, dente por dente”.

78 - 10/05/71 - Manoel da Silva Neto - Soldado PM - SP
Morto por terroristas durante assalto à Empresa de Transporte Tusa.

79 - 14/05/71 - Adilson Sampaio - Artesão - RJ
Morto por terroristas durante assalto às lojas Gaio Marti.

80 - 09/06/71 - Antônio Lisboa Ceres de Oliveira - Civil - RJ
Morto por terroristas durante assalto à boate Comodoro

81 - 01/07/71 - Jaime Pereira da Silva - Civil - RJ
Morto por terroristas na varanda de sua casa durante tiroteio entre terroristas e policiais.

82 - 02/09/71 - Gentil Procópio de Melo -Motorista de praça - PE
A organização terrorista denominada Partido Comunista Revolucionário determinou que um carro fosse roubado para realizar um assalto. Cumprindo a ordem recebida, o terrorista José Mariano de Barros tomou um táxi em Madalena, Recife. Ao chegar ao Hospital das Clínicas, quando fingia que ia pagar a corrida, apareceram seus comparsas, Manoel Lisboa de Moura e José Emilson Ribeiro da Silva, que se aproximaram do veículo. Emilson matou Procópio com dois tiros.

83 - 02/09/71 - Jayme Cardenio Dolce - Guarda de segurança - RJ
Assassinado pelos terroristas Flávio Augusto Neves Leão Salles, Hélio Pereira Fortes, Antônio Carlos Nogueira Cabral, Aurora Maria do Nascimento Furtado, Sônia Hipólito e Isis Dias de Oliveira, durante assalto à Casa de Saúde Dr. Eiras.

84 - 02/09/71 - Silvâno Amâncio dos Santos - Guarda de segurança - RJ
Assassinado na operação relatada acima.

85 - 02/09/71 - Demerval Ferreira dos Santos - Guarda de segurança - RJ
Assassinado na operação relatada no item 83

86 - .../10/71 - Alberto da Silva Machado - Civil - RJ
Morto por terroristas durante assalto à Fábrica de Móveis Vogal Ltda, da qual era um dos proprietários.

87 - 22/10/71 - José do Amaral - Sub-oficial da reserva da Marinha - RJ
Morto por terroristas da VAR-PALMARES e do MR-8 durante assalto a um carro transportador de valores da Transfort S/A. Foram feridos o motorista Sérgio da Silva Taranto e os guardas Emílio Pereira e Adilson Caetano da Silva.  Autores: James Allen Luz (Ciro), Carlos Alberto Salles (soldado), Paulo Cesar Botelho Massa, João Carlos da Costa.

88 - 01/11/71 - Nelson Martinez Ponce - Cabo PM - SP
Metralhado por Aylton Adalberto Mortati durante um atentado praticado por cinco terroristas do MOLIPO (Movimento de Libertação Popular) contra um ônibus da Empresa de Transportes Urbano S/A, em Vila Brasilândia, São Paulo

89 - 10/11/71 - João Campos - Cabo PM - SP
Morto na estrada de Pindamonhangaba, ao interceptar um carro que conduzia terroristas armados.

90 - 22/11/71 - José Amaral Vilela - Guarda de segurança - RJ
Neste dia os terroristas Sérgio Landulfo Furtado, Norma Sá Ferreira, Nelson Rodrigues Filho, Paulo Roberto Jabour, Thimothy William Watkin Ross e Paulo Costa Ribeiro Bastos assaltaram um carro-forte da firma Transfort, na Estrada do Portela, em Madureira.

91 - 27/11/71 - Eduardo Timóteo Filho - Soldado PM - RJ
Morto por terroristas, durante assalto contra as Lojas Caio Marti.

92 - 13/12/71 - Hélio Ferreira de Moura - Guarda de Segurança - RJ
Morto, por terroristas, durante assalto contra um carro transportador de valores da Brink's, na Via Dutra.

93 - 18/01/72 - Tomaz Paulino de Almeida - Sargento PM - São Paulo / SP
Morto a tiros de metralhadora no bairro Cambuci quando um grupo terrorista roubava o seu carro. Autores do assassinato: João Carlos Cavalcante Reis, Lauriberto José Reyes e Márcio Beck Machado, todos integrantes do Molipo.

94 - 20/01/72 - Sylas Bispo Feche - Cabo PM São Paulo / SP
O cabo Sylas Bispo Feche integrava uma Equipe de Busca e Apreensão do DOI/CODI/II Exército. Sua equipe executava uma ronda quando um carro VW, ocupado por duas pessoas, cruzou um sinal fechado quase atropelando uma senhora que atravessava a rua com uma criança no colo. A sua equipe saiu em perseguição ao carro suspeito, que foi interceptado. Ao tentar aproximar-se para pedir os documentos dos dois ocupantes do veículo, o cabo Feche foi metralhado. Dois terroristas, membros da ALN, morreram.

95 - 25/01/72 - Elzo Ito - Estudante - São Paulo / SP
Aluno do Centro de Formação de Pilotos Militares, foi morto por terroristas que roubaram seu carro.

96 - 01/02/72 - Iris do Amaral - Civil - Rio de Janeiro
Morto durante um tiroteio entre terroristas da ALN e policiais. Ficaram feridos nesta ação os civis Marinho Floriano Sanches, Romeu Silva e Altamiro Sinzo. Autores: Flávio Augusto Neves Leão Salles ("Rogério", "Bibico") e Antônio Carlos Cabral Nogueira ("Chico", "Alfredo".)

97 - 05/02/72 - David A. Cuthberg - Marinheiro inglês - Rio de Janeiro
A respeito desse assassinato, sob o título "REPULSA", o jornal "O Globo" publicou:

"Tinha dezenove anos o marinheiro inglês David A. Cuthberg que, na madrugada de sábado, tomou um táxi com um companheiro para conhecer o Rio, nos seus aspectos mais alegres. Ele aqui chegara como amigo, a bordo da flotilha que nos visita para comemorar os 150 anos de Independência do Brasil. Uma rajada de metralhadora tirou-lhe a vida, no táxi que se encontrava. Não teve tempo para perceber o que ocorria e, se percebesse, com certeza não poderia compreender. Um terrorista, de dentro de outro carro, apontara friamente a metralhadora antes de desenhar nas suas costas o fatal risco de balas, para, logo em seguida, completar a infâmia, despejando sobre o corpo, ainda palpitante, panfletos em que se mencionava a palavra liberdade. Com esse crime repulsivo, o terror quis apenas alcançar repercussão fora de nossas fronteiras para suas atividades, procurando dar-lhe significação de atentado político contra jovem inocente, em troca da publicação da notícia num jornal inglês. O terrorismo cumpre, no Brasil, com crimes como esse, o destino inevitável dos movimentos a que faltam motivação real e consentimento de qualquer parcela da opinião pública: o de não ultrapassar os limites do simples banditismo, com que se exprime o alto grau de degeneração dessas reduzidas maltas de assassinos gratuitos".

A ação criminosa, tachada como "justiçamento", foi praticada pelos seguintes terroristas, integrantes de uma frente formada por três organizações comunistas:
- ALN - Flávio Augusto Neves Leão Salles ("Rogério", "Bibico"), que fez os disparos com a metralhadora, Antônio Carlos Nogueira Cabral ("Chico", "Alfredo"), Aurora Maria Nascimento Furtado ("Márcia", "Rita"), Adair Gonçalves Reis("Elber", "Leônidas", "Sorriso");
- VAR-PALMARES - Lígia Maria Salgado da Nóbrega ("Ana", "Célia", "Cecília"), que jogou dentro do táxi os panfletos que falavam em vingança contra os "Imperialistas Ingleses"; Hélio Silva ("Anastácio", "Nadinho"), Carlos Alberto Salles("Soldado");
- PCBR - Getúlio de Oliveira Cabral("Gogó", "Soares", "Gustavo")

98 - 15/02/72 - Luzimar Machado de Oliveira - Soldado PM - Goiás
O terrorista Arno Preiss encontrava-se na cidade de Paraiso do Norte, que estava incluída no esquema de trabalho de campo do MOLIPO. Usava o nome falso de Patrick McBundy Comick. Arno tentou entrar com sua documentação falsa no baile carnavalesco do clube social da cidade. Sua documentação levantou suspeita nos policiais, que o convidaram a comparecer à delegacia local. Ao deixar o clube, julgando-se desmascarado, Arno sacou seu revólver e disparou à queima roupa contra os policiais, matando o PM Luzimar Machado de Oliveira e ferindo gravemente o outro PM que o conduzia, Gentil Ferreira Mano. Acabou morto.

99 - 18/02/72 - Benedito Monteiro da Silva - Cabo PM - São Paulo
Morto quando tentava evitar um assalto terrorista a uma agencia bancária em Santa Cruz do Rio Pardo.

100 - 27/02/72 - Napoleão Felipe Bertolane Biscaldi - Civil - São Paulo
Morto durante um tiroteio entre os terroristas Lauriberto José Reyes e José Ibsem Veroes com policiais, na rua Serra de Botucatu, no bairro Tatuapé. Nesta ação, um policial foi ferido a tiros de metralhadoras por Lauriberto. Os dois terroristas morreram no local.

101 - 06/03/72 - Walter César Galleti - Comerciante - São Paulo
Terroristas da ALN assaltaram a firma F. Monteiro S/A. Após o assalto, fecharam a loja, fizeram um discurso subversivo e assassinaram o gerente Walter César Galetti e feriram o subgerente Maurílio Ramalho e o despachante Rosalindo Fernandes.

102 - 12/03/72 - Manoel dos Santos - Guarda de Segurança - São Paulo
Morto durante assalto terrorista à fábrica de bebidas Charel Ltda.

103 - 12/03/72 - Aníbal Figueiredo de Albuquerque - Coronel R1 do Exército - São Paulo
Morto durante o mesmo assalto à fábrica de bebidas Charel Ltda., da qual era um dos proprietários.

104 - 08/05/72 - Odilo Cruz Rosa - Cabo do Exército - PA
Morto na região do Araguaia quando uma equipe comandada por um tenente e composta ainda, por dois sargentos e pelo Cabo Rosa foram emboscados por terroristas comandados por Oswaldo Araújo Costa, o "Oswaldão", na região de Grota Seca, no Vale da Gameleira. Neste tiroteio foi morto o Cabo Rosa e feridos o Tenente e um Sargento.

105 - 02/06/72 - Rosendo - Sargento PM - SP
Morto ao interceptar 04 terroristas que assaltaram um bar e um carro da Distribuidora de Cigarros Oeste LTDA.

106 - 29/06/72 - João Pereira - Mateiro-região do Araguaia - PA
 "Justiçado exemplarmente" pelo PC do B por ter servido de guia para as forças legais que combatiam os guerrilheiros. A respeito, Ângelo Arroyo declarou em seu relatório: "A morte desse bate-pau causou pânico entre os demais da zona".

107 - 09/09/72 - Mário Domingos Panzarielo - Detetive Polícia Civil - RJ
Morto ao tentar prender um terrorista da ALN.

108 - 23/09/72 - Mário Abraim da Silva - Segundo Sargento do Exército - PA
Pertencia ao 2º Batalhão de Infantaria de Selva, com sede em Belém. Sua Companhia foi deslocada para combater a guerrilha na região do Araguaia. Morto em combate, durante um ataque guerrilheiro no lugarejo de Pavão, base do 2º Batalhão de Selva.

109 - 27/09/72 - Sílvio Nunes Alves - Bancário - RJ
Assassinado em assalto ao Banco Novo Mundo, na Penha, pelas organizações terroristas PCBR - ALN - VPR - Var Palmares e MR8. Autor do assassinato: José Selton Ribeiro.

110 - .../09/72 - Osmar… - Posseiro - PA
"Justiçado" na região do Araguaia pelos guerrilheiros por ter permitido que uma tropa de pára-quedistas acampasse em suas terras.

111 - 01/10/72 - Luiz Honório Correia - Civil - RJ
Morto por terroristas no assalto à empresa de Ônibus Barão de Mauá

112 - 06/10/72 - Severino Fernandes da Silva - Civil - PE
Morto por terroristas durante agitação no meio rural.

113 - 06/10/72 - José Inocêncio Barreto - Civil - PE
Também morto por terroristas durante agitação no meio rural.

114 - 21/02/73 - Manoel Henrique de Oliveira - Comerciante - São Paulo
No dia 14 de junho de 1972, as equipes do DOI de São Paulo, como já faziam há vários dias, estavam seguindo quatro terroristas da ALN que resolveram almoçar no restaurante Varela, no bairro da Mooca. Quando eles saíram do restaurante, receberam voz de prisão. Reagindo, desencadearam tiroteio com os policiais. Ao final, três terroristas estavam mortos, e um conseguiu fugir. Erroneamente, a ALN atribuiu a morte de seus três companheiros à delação de um dos proprietários do restaurante e decidiu justiçá-lo. O comando "Aurora Maria do Nascimento Furtado", constituído por Arnaldo Cardoso Rocha, Francisco Emanuel Penteado, Francisco Seiko Okama e Ronaldo Mouth Queiroz, foi encarregado da missão e assassinou, no dia 21 de fevereiro, o comerciante Manoel Henrique de Oliveira, que foi metralhado sem que pudesse esboçar um gesto de defesa. Seu corpo foi coberto por panfletos da ALN, impressos no Centro de Orientação Estudantil da USP por interveniência do militante Paulo Frateschi.

115 - 22/02/73 - Pedro Américo Mota Garcia - Civil - Rio de Janeiro
Por vingança, foi "justiçado" por terroristas por haver impedido um assalto contra uma agência da Caixa Econômica Federal.

116 - 25/02/73 - Octávio Gonçalves Moreira Júnior - Delegado de polícia - São Paulo
Com a tentativa de intimidar os integrantes dos órgãos de repressão, um "Tribunal Popular Revolucionário" decidiu "justiçar" um membro do DOI/CODI/II Exército. O escolhido foi o delegado de polícia Octávio Gonçalves Moreira Júnior.

117 - 12/03/73 - Pedro Mineiro - Capataz da Fazenda Capingo
"Justiçado" por terroristas na Guerrilha do Araguaia.

118 - Francisco Valdir de Paula - Soldado do Exército-região do Araguaia - PA
Instalado numa posse de terra, no município de Xambioá, fazendo parte de uma rede de informações montada na área de guerrilha, foi identificado pelos terroristas e assassinado. Seu corpo nunca foi encontrado.

119 - 10/04/74 -Geraldo José Nogueira - Soldado PM - São Paulo
Morto numa operação de captura de terroristas.

E tantos e tantos outros... Antes de posar para a foto da moda, e empunhar as bandeirinhas da popularidade barata e de botequim, PENSE... PRA VARIAR...

Carlos Sherman


Baseado em dados e informações publicadas por Reinaldo Azevedo, jornalista e articulista da revista Veja.

Poucos e Indispensáveis...



Eu não preciso de tantas pessoas - conhecidos, companheiros, pseudo-amigos, consanguíneos... Eu só preciso das pessoas certas... Posso desejar e praticar o bem a muitos, mas levarei poucos comigo... Se são realmente amigos, leais e sinceros, serão poucos... Sempre é assim... Mas serão tudo o que preciso... Serão as testemunhas de minha vida... E 'eles e eu' saberemos o que nos une... Estará no brilho de nossos olhos, estará no calor do abraço e em nossas ações - que nunca hesitarão em servir...


Parafraseando Vinícius, não fazemos amigos, reconhecemos os verdadeiros amigos...


Carlos Sherman



Caíu a máscara da igreja universal {COMPLETO}




Conforme amplamente noticiado em 21/02, um jatinho da Universal foi apreendido e agências federais dos governos de vários países estão na captura destes marginais... O FBI, e até mesmo a Venezuela, estão investigando esta multinacional que se diz "igreja" - de origem brasileira -, que fatura muito alto no lucrativo negócio de INCUTIR O MEDO PARA VENDER A SALVAÇÃO... 

E o buraco é bem mais embaixo... Desde 2009 a Universal é investigada por suposta aliança com o tráfico de drogas colombiano, provável origem da grana utilizada na compra da Rede Record pelo facínora "bispo" Edir Macedo... Além disso, existe outro processo em curso, e que poderá finalmente tirar a Rede Record das mãos sujas e imundas de Macedo... Neste segundo processo a "Igreja Universal" alega ter emprestado a fortuna utilizada para a compra da Record, mas como não se trata de instituição financeira ou banco - embora se comporte como tal, mas sem pagar impostos -, a Universal não poderia jamais ter feito essa transação... 

A prisão de Macedo não tardará muito, e isso porque o governo americano está em sua captura, afinal de contas quase todo o dinheiro desviado no Brasil e em outros paraísos da fé cega, passava por lá através de uma casa de câmbio... Nos EUA, este salafrário não tem como fugir da prisão... Sem a Record e sem partidos políticos para traficar influência, e sem o amigo Lula para sair em sua defesa, só nos resta aguardar... 

Se está pensando em abrir uma igreja seja rápido, porque a farra tem os seus dias contados... No BINGO da FÉ a fortuna é garantida... Comparável apenas com o escândalo Eike Batista e seus negócios nada sacro-santos... 

Além de amargar a condição de pequeno empresário no Brasil, pagando proporcionalmente bem mais do que Eike Batista em impostos, sem acesso a crédito, nem ao BNDES - que está defendendo interesse da Odebrecht em Cuba e na Venezuela, sob a batuta pseudo-marxista de Dilma ou 'Wanda' (para os amigos de armas, de sua vida criminosa pregressa de assaltos a bancos, sequestros e terrorismo), tenho que assistir a este show de horror televisivo da sandice crente, protagonizado à luz do dia por estes marginais da luz vermelha: Edir Macedo, David Miranda, Malafaia, Valdemiro Santiago... Isso é enojante, degradante, ultrajante, horropilante... Até quando?


Carlos Sherman

Inspirado e estimulado pelo comentário de Anderson Bittencourt...

domingo, 26 de fevereiro de 2012

AMAR... A Resposta...



Vamos falar sobre AMAR (ou amor)... Por favor leiam até o fim...

Primeiro Esquete:

Tenho assistido à frequente falácia retórica de relacionar 'bíblia' e 'lições de amor', e procurei escolher o momento certo para objetar e apresentar os meus argumentos... Então, respondendo a mais um destes devaneios, desta vez publicado ingenuamente pelo  Ilton, respondi com o post abaixo:


Um participante do grupo, o Fábio, questionou o post:

Carlos Leger admiro sua busca, mas horas me confundo um pouco pois você diz que a Biblia é uma lenda e horas me solta um texto deste. Afinal acredita ou não na Biblia? Vamos trocar idéias de forma imparcial e com integridade intelectual,certo?


Respondi interessado:

Sempre imparcial e atento à integridade intelectual, mas acho que você não leu o link... Você clicou no link e leu? Eu começo explicando que publicaram uma 'ode ao amor bíblico', citando Coríntios: 
"Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor."
I Coríntios [13; 13] 
Então respondi: 
Ilton, lembrando apenas que 'o amor bíblico', difícil de entender, encerra com chave de ouro... Assassinato de bilhões por castigo, vinganças, ódio, intolerância religiosa, etc... O maior assassinato de todos os tempos... O HUMANICÍDIO... Jesus, aquele da outra face - um dos poucos gestos supostamente elevados na bíblia - volta com "senhor da guerra", para comandar pessoalmente a matança, montado em um cavalo branco e cuspindo espadas, o maior crime da história... O mestre da "outra face" volta para mostrar a sua 'verdadeira face'... Deixando ver de forma clara e inequívoca, que o gesto de dar a outra face não passou de desfaçatez... Releiam a bíblia, 'from the cradle to the grave'... Preparem o estômago, são 2,5 milhões de mortos diretamente ou a mando de deus, sem contar a Arca de Noé, a Torre de Babel e Sodoma e Gomorra... Em Sodoma e Gomorra deixo baratinho para deus, contabilizando apenas a morte da mulher do "único homem justo", Ló... Sua mulher foi transformada em estátua de sal por olhar para trás... O amor de deus é realmente lindo... Depois, "o único homem justo", transa com as duas filhas... Lindos exemplos familiares, incesto, poligamia, e cafetinagem da própria esposa - no caso de Abrão, o patriarca, que negociou sua esposa aos 90 anos de idade, rsrsrs... Na Arca de Noé, a linda estorinha que adoram ensinar às criancinhas, toda a humanidade, com exceção da família de Noé, foi literalmente afogada... Primeiro Humanicídio divino... 
Colocar 'bíblia' e 'amor' na mesma sentença é prova cabal de muita ignorância - bíblica -, ou muita cara de pau... Releiam a bíblia...
Fechei dizendo:

Fábio, acho que a minha posição esteve bem clara no post... Respondida a questão? Um abraço...


Segundo Esquete:

A nossa querida Jú publicou um post - uma frase - enaltecendo o amor de Madre Teresa de Calcutá (MTC) e com os dizeres: "A maior pobreza é a falta de amor"... A minha resposta foi direta, com outra notória frase de Teresa: 

"A AIDS é o justo castigo por um comportamento sexual inadequado"...

Então, expliquei o meu ponto de vista e minhas ponderações sobreo delicado assunto:

Jú, dizer que que "A AIDS é o justo castigo por um comportamento sexual inadequado"  é mais do que um simples equívoco... É uma forma de pensamento... É criminoso desejar a morte de pessoas inocentes, amargando sofrimento e dor, 'por um comportamento sexual inadequado'... Primeiramente, qual é o comportamento 'adequado'?... O comportamento de MTC? O seu celibato, ou melhor seria dizer o seu 'matrimônio' com Deus? Um ser imaginário... MTC usa uma 'aliança' para o seu compromisso matrimonial com deus... Isso é normal, adequado? Cobre sua nudez com vergonha doentia, e jamais sentiu o inigualável prazer de um orgasmo - para o qual os nossos corpos estão natural e plenamente preparados... MTC sim contrariou os desígnios humanos e a natureza da procriação - sem considerar o 'crescei e multiplicai' -, de forma terrível escura e doentia, apesar do hábito branco... E onde está o "amor" - entre aspas - de MTC? 


Jú, sei que você publicou o link na melhor das intenções, mas o comentário de Teresa de Calcutá sobre a AIDS é mais do que um erro, e insisto... Esta grave celebração da condenação humana ao sofrimento revela a 'complexidade' e a contradição do dito amor cristão... Evidentemente ela teve uma vida dedicada à causas assistências e humanitárias, mas somente quando não contrariava o seu severo e confuso moralismo... MTC também negava o uso de anestésicos em suas clínicas por acreditar na "dor e expiação"... Assista "A Outra Face de Madre Teresa"... Acho o vídeo duro demais, rsrsrsrs, e acho que carrega na tinta, mas não deixa de ser documental... 


Acho que a verdadeira MTC foi uma pessoa que dedicou sua vida a ajudar 'sim' mas o fez por razões religiosas... Desta forma, e no final das contas, ela fez um trabalho assistencial pelo mega-prêmio da salvação eterna... O valor deste gesto é bem discutível, mas o valor de suas boas ações pode ter sido real e tangível... Se tratou das feridas de quem sofria, se alcançou um copo de água para quem tinha sede, se levou alimento para quem sentia fome, não podemos sob nenhum pretexto desprezar tais ações... A motivação é discutível, o propósito falho, mas viver é atuar... Falar também é ação, e quando fala sobre a AIDS, MTC definitivamente comete um crime, desejando a morte de inocentes... Inafiançável... 


MTC, assim como no caso de Ghandi - que por sua vez defendeu o Apartheid -, destaparam a grave e complexa questão que decorre da impossível convivência entre o sentido pleno de humanidade e a adesão a dogmas...


Terceiro Esquete


Mais uma vez o Fábio participa deixando o seguinte - e profundo - questionamento sobre o mesmo post - O "Amor" de Madre Teresa -, mas em uma conversa paralela à conversa com a Jú:


O que seria o amor Carlos Leger? ou melhor existe o amor?


Primeiramente pontuei:

Fábio, publiquei este link em resposta a uma participante de nosso grupo, a Jú, que enaltecia o amor de Madre Teresa de Calcutá... Respondi que esta frase de Teresa, onde ela condena quem tem AIDS à morte pelo seu pecado... Onde está o "amor" - entre aspas - de MTC? Ou seja, estou criticando a pertinência deste amor...

E parto, excitado, para a a tentativa de responder às profundas indagações do Fábio:

Sobre as duas indagações, tentarei apenas elucidar minha posição, e longe de pretender uma conclusão sobre um tema que considero 'semântico', 'referencial' e subjetivo... Explico... Sobre 'o que seria o amor', e na minha concepção, o 'amor' é primeiramente uma 'palavra' inventada - como outras - e um recurso linguístico, que pretende definir 'referencialmente' um complexo de estados emocionais e de conduta... Trata-se de uma referência semântica ou linguística... Ou seja, a tentativa de comunicação entre duas pessoas, comprando suas experiências... De forma que e per si, o conceito linguístico de amor poderá ser bem diferente para você, para mim, e para os demais... 

Supondo que, esta palavra, carregada de significado dramático - e variável ao longo do tempo, das diferentes culturas e da história da civilização - pudesse significar a mesma coisa para um grupo de pessoas; o grupo ao qual eu pertenceria, seria aquele que define amor ou AMAR, como sendo um impulso para DAR, um ato de DAR, um verbo uma ação, e sem requerer um 'payback' direto... Ainda respondendo a primeira importante indagação, amor pra mim é o ato de dar, ou seja, empenhar a sua energia, reservas alimentares, recursos, atenção, tempo, em melhorar as condições de outra pessoa, e não a sua... É isso... É assim que entendo, é assim que digo, e é assim que vivo o amor... Por exemplo, daria a vida por um número reduzido de pessoas, minhas filhas e minha esposa... Talvez meus sobrinhos... Este para mim seria o maior ato possível de amor, e por quê? Porque não permite nenhum tipo de relativização da condição pura do amor, posto que, como cético e descrente em deuses e em super-poderes da imortalidade, não receberei absolutamente nada pelo gesto... Ou seja, estarei realmente dando o que tenho de mais precioso e derradeiro: a minha própria vida... E não hesitaria em dar a vida pela minha família... 

Outros gestos menos extremos são igualmente e genuinamente 'amorosos', como alimentar primeiro a minha família, pensar primeiramente nas necessidades deles... Mas estes gestos poderiam ser relativizados, na alegação de que: 'se eles estiverem bem terei menos problemas a posteriori, e poderão cuidar de mim na velhice, ou estarei propagando os meus genes - biologicamente falando... Mas minha mulher não propaga os meus genes, e nem a minha filha adotiva... De forma que somente a minha filha natural propagaria os meus genes, para o caso de que questionemos a minhas fundamentação sobre DAR... Sim, estou empregando recursos da minha sobrevivência para assegurar primeiro a sobrevivência delas....

Acho que podemos então, em uma escala que vai do extremo egoísmo ao extremo altruísmo, posicionar as diferentes atitudes de amor, ou de AMAR... Dentro deste critério quase objetivo de 'AMAR', poderemos nos atrever a refletir sobre a pertinência de minhas 'proposições', e finalmente respondo que sim Fábio, 'este amor existe'... Dar... Prefiro, parafraseando Drummond - que por sua vez parafraseou Mário de Andrade - falar em AMAR: VERBO INTRANSITIVO... Lembrando que 'os verbos intransitivos resumem um sentido dispensando complementos... E vou além, para dizer que o meu AMAR, semântico e referencial, é uma CAPACIDADE e não um sentimento... E adentro um pouco mais a questão dizendo que esta capacidade tem forte impulsão genética, estimulada ou não pelo aprendizado, e tal fenômeno comportamental, AMAR, é regulado por hormônios - cadeias proteicas... 

E insisto que 'sim', existe uma boa distribuição de tal capacidade e tendência altruísta, genuína, em maior ou menor intensidade na humanidade... Muito mais precisaria ser dito, por exemplo que altruísmo - na minha compreensão semântica - é a tendencia extrema de pensar no grupo, enquanto egoísmo é a tendência extrema de cuidar de si.... Dois extremos raramento atingidos, e que apenas pontuam uma escala imaginária... Lembro ainda que o grupo, o bando, é capaz de alterar, abafar ou sobrepujar - de sobremaneira - a impulsão e atitude individual, e por vezes entramos em estado de catarse coletiva - como no caso do nazismo -, sendo capazes de atrocidades e atentados contra a vida, que não teríamos deflagrado em instâncias individuais ou menos coletivas... 

Poderíamos e deveríamos passear sobre as constatações de John Nash, e a descoberta das vantagens econômicas e sociais do altruísmo: O equilíbrio Nash... Adam Smith preconiza que em um meio competitivo - de recursos finito - atingiremos o nosso apogeu somo sociedade sempre e quando cada um cuide do melhor para si, e empenhe-se nesta tarefa... Como resultado de um somatório simples - e simplista - os esforços serão amontoados e redundando no esforço do coletivo... Nash modelou tal conduta, nos extremos e confins da teoria capitalista, mostrando que 'sim', tal grupo evolui rapidamente para depois estabilizar quando os recursos começam a escassear, mas finalmente descambam para o colapso quando uns passam a atacar os outros... O marxismo pecou pelo motivo inverso, também modelado matematicamente e na prática, tetando suprimir a liberdade individual... Nem o controle do homem, nem o egoísmo desenfreado... A resposta - por hora - pode estar no equilíbrio Nash... Simth diz 'faça o melhor para si', Nash corrige 'para si e para o grupo'... E isso faz toda a diferença... Outros aspectos da personalidade, posto que defini amor como uma capacidade, deveriam ser considerados para que este debate fosse ainda mais produtivo... E aqui, tenho que me desculpar sobre a quantidade de linhas, mesmo considerando que poucas indagações são tão complexas quanto essa, e neste sentido acho que até fui econômico, embora não seja esta a minha maior virtude, rsrsrsrsrsrs... 

Podemos investigar outras relações da simbiose social, por exemplo no modelo chinês, onde os pais focam os seus esforços no primogênito - do sexo masculino -, que receberá a maior porção de alimento, maior apoio financeiro e educação, e herdará o patrimônio familiar... Mas existe um 'payback', o primogênito deverá cuidar dos pais na velhice... Motivações genéticas e simbióticas, mas não de caráter puramente altruísta... A natureza nos cobra 'cui bono?', qual o benefício? E costuma ser implacável com o desperdício de recursos e energia... Então qual seria o benefício prático de dar a vida por outra pessoa que não carregará os seus genes? Algumas pessoas não conseguiriam viver se não o fizessem... Eu não poderia viver após a morte de uma de minhas filhas, sabendo que poderia ter trocado o sofrimento e o desespero dela pelo meu... De forma que, sabendo que a minha vida é irremediavelmente finita, e que não vamos mesmos a lugar algum, eu escolheria este momento para uma despedida em grande estilo, e por uma causa que seja maior do que a minha própria vida... Deixaria um exemplo, um legado, mas do qual eu não poderia participar...  

Caro Fábio, para encerrar devo dizer que AMAR é DAR, e o benefício de amar fica 'RETIDO NA FONTE', por quem deu... É pessoal e intransferível... Trata-se de feedback, e não de payback... Tenho confiança nesta abordagem... Caminhando dentro de nossa imaginária 'escala do amor', rsrsrs, podemos considerar que o payback começa a aparecer quando adentramos precisamente a faixa do justo comportamento ou das relações simbióticas... E tudo bem... Mas amar, em sua manifestação extrema, em desapego e genuíno sentido de dar, tem o seu benefício retido na fonte, por quem dá... Até porque trata-se de uma capacidade genética, que pode ser modificada pelo aprendizado, mas dificilmente inventada a partir do nada - ou sem trocas e objetivos concretos, como negociar a salvação religiosa... Ou seja, a genética que dá, nutre-se da bioquímica e da sensação de dar... Este é o feedback - diferentemente de payback... Fazer o bem pelo bem de fazer... Isso é para poucos... Mas podemos fazer o bem para receber o bem... Essa é uma excelente relação simbiótica... Para fugir às tentações relativizadoras, estou considerado aqui e nesta análise, que 'o bem' significa prover abrigo, alimento, proteção, etc... Parâmetros vitais, e logo universais - presumo... 

Então Fábio, Madre Teresa condiciona o seu 'amor' àqueles que seguem seu credo... Acho que neste sentido a conduta é mais simbiótica do que altruísta... Quem tem AIDS não são não merece o "amor" de MTC como recebe a sua condenação e desejo de morte e sofrimento... Isso é terrível... Como toda a conceituação de 'amor bíblico'... Um dos gestos mais relevantes de altruísmo bíblico - já que gestos positivos são raríssimo neste manual da morte - é a atitude de Jesus Cristo quando sugere que: 'ao ser esbofetado, ofereça a outra face'... 'Pero', de que vale tal atitude se no desfecho da narrativa anedótica bíblica, este mesmo camarada virá como "senhor da guerra", "montado em uma cavalo branco", "vestido com uma armadura reluzente", "cuspindo lanças pela boca", para matar com indizível sofrimento toda a humanidade... O que aprendemos aqui? Que o gesto do suposto Cristo, não passou de DISSIMULAÇÃO... Ele deu a outra face, mas virá para mostrar a sua verdadeira face no juízo final protagonizando o maior crime já perpetrado: o HUMANICÍDIO... Isso pela segunda vez, porque a estorinha infantil da Arca de Noé foi o primeiro - morte à humanidade e a todo o reino animal, por afogamento... É sobre isso que versava o meu post, e é assim que penso... 

Mais uma vez perdão pela demora, mas gostei realmente de compartilhar meu tempo, parte do 'hiato da minha inexistência', com você... Acho que, em alguma medida, estou fadado ao 'amor', nos termos aqui propostos... E não consigo amar menos... Quero dividir o que aprendi, quero dar, e tenho dedicado meu tempo e atenção incondicional a essa inglória tarefa... Se for possível ajudar um pouquinho mais será uma grande vitória para mim... Só isso... Tenho evidentemente muito para aprender, e sigo aprendendo, e suas indagações não poderiam ser mais estimulantes... Um forte abraço...

Carlos Sherman