Pesquisar este blog

DESTAQUE

A CIÊNCIA DO ERRO | Sobre Verdades, Veracidade e Realidade Objetiva - Parte 1: Uma resposta a Marcelo Gleiser

A CIÊNCIA DO ERRO Sobre Verdades, Veracidade e Realidade Objetiva Parte 1:   Uma resposta a Marcelo Gleiser Dedicado ao me...

segunda-feira, 1 de julho de 2019

ELOGIO À LOUCURA - E o Transtorno de Personalidade Narcisista e a Idolatria


Excerto de 50 TONS DE CONSUMO – QUAL É O SEU PREÇO
        | Carlos Sherman

ELOGIO À LOUCURA - E o Transtorno de Personalidade Narcisista e a Idolatria


A eloquência, em seu ponto mais alto, deixa pouco espaço para a razão ou a reflexão, mas se dirige inteiramente aos desejos e afetos, cativando os ouvintes dispostos e subjugando seu entendimento. 
David Hume

Entrevistadora: “Você soa consumista.”

Erika James: “Eu sou.”
 (autora de ‘50 tons de cinza’)



O desafio hodierno, na literatura e cinematografia, reside exatamente na criação de personagens mais realistas, que mantenham um mínimo de coerência psicológica; que mantenham algo de humanidade... Algo como a Poesia da Realidade... Humanos, troppo umanos, e maravilhosamente imperfeitos...

Então, você, um esposo dedicado, amoroso, e afetuoso, vai pegar um cineminha com a mulher amada, aquela para quem você fez votos de igualdade e companheirismo. E o enredo inclui uma menina tola e superficial sendo amarrada e espancada pelo seu algoz e... “amor”! Amor? Isso, enquanto você arregala os olhos, enche a boca de pipoca, e pensa: será que não estou reprimindo as minhas fantasias? Todos têm fantasias como essa? Não, não mesmo... Mas devemos esta dúvida a um charlatão e fanfarrão conhecido pela História por seu emblemático sobrenome: Freud.

As teses freudianas chocaram o mundo, mas não da forma como foram vendidas: uma espécie de estatuto e salvo conduto libertário contra as “repressões e recalques”... contra o conservadorismo e  a hipocrisia, e toda sorte de “negação”... Não! Freud cria uma seita, estabelece os seus marcos como crença, e senta-se no trono. Ele destrona Deus, e assume o seu lugar. E tem uma tremenda bronca de Nietzsche, já que este assumiu a tarefa de Meslier, que por sua vez assumiu a tarefa de Lucrécio: destronar todos os deuses!

O freudismo e os seus males está tão arraigado em nossa cultura que merece algum aprofundamento filosófico e muito de contraponto científico, para que desembaracemos de uma vez por todas esta terrível teia de mal entendidos, desconhecimento, e submissão crente e devota... O Teatro de Horrores Freudiano!

Comecemos pelo fim, comecemos por Deleuze, para quem o sadomasoquismo não passa da reles combinação do desejo de imputar dor através de “atos sexuais” por parte de uns, com o desejo de sentir dor por parte de outros (Frieza e Crueldade). E tudo parece muito “justo”, já que existe “consentimento” e um “acordo”... Deleuze argumenta - pomposa e freudianamente – que “o sádico realmente tenta destruir o ‘ego’ para unificar o ‘id’ e o ‘super-ego’”. Enquanto, para o masoquista, o desejo será intensificado por conta do “atraso na gratificação sexual”; portanto, sua frustração sexual é “recompensada” como a “frieza inabalável” do dominador... E esta baboseira é conhecida como “O Contrato”, o processo de controlar o outro, e transformando-se em alguém frio, cruel e insensível.

Tudo muito clichê, com amplo descompromisso com a realidade nua e crua... Em outras palavras, só porque um homem é sexualmente inseguro ou insatisfeito, ele estará mais propenso a amarrar as menininhas e chicoteá-las, a fim de se sentir melhor? Pois é exatamente isso que qualquer serial killer sexual compartilha com Christian Grey; afinal todos eles precisam afirmar o domínio sobre suas vítimas.

Como Gary Ridgeway, o green river killer, que matou pelo menos 80 mulheres, sendo o recordista norte-americano em crimes oficialmente creditados em seu prontuário. Gary tinha um apetite sexual insaciável; seduzia e encantava mulheres frágeis, prostitutas, ou alpinistas sociais como Ana... e as estrangulava... para depois jogar os seus cadáveres no rio Verde.

Que tal David Berkowitz, o “Filho de Sam”? Um assassino em série de Nova York, no final dos anos setenta, que matou vários casais. David não curtia cenas românticas, e quando topava com casais trocando beijinhos no carro, ou fazendo piquenique, o gatilho de sua “fantasia reprimida” disparava... A “explicação” dos “psicólogos” é simples, David não gostava de ver casais em cenas amorosas, já que não dispunha de ninguém para compartilhar uma companhia romântica. Mas esta é uma explicação estúpida e superficial... e sem nenhuma evidência científica; de forma que não difere em nada de uma “desculpa” - nos moldes freudianos.

Para mim, este mundo não é nada além de mal, e meu próprio mal aconteceu por causa das circunstâncias do que eu estava fazendo. - Aileen Wuornos

O “charmoso” Wuornos matou sete homens. Matar, em série, não decorre de experiências na infância. O charme do Sr. Grey, na verdade, é comum e necessário nos casos envolvendo assassinos sexuais em série, já que precisam atrair suas vítimas... Na verdade, eles usam o “charme” para construir uma base fatal de confiança...  Como Charles Shobhraj, “A Serpente”, ou ainda o “Bikini Killer”, acusado de drogar e matar mais de uma dúzia de turistas ocidentais na Ásia.

Charles – dizem os inquéritos e depoimentos - conquistava suas vítimas com o “charme” e carisma... e mesmo na prisão ele tinha uma seguidora e amante. Charles – pasmem vocês - se casou com a filha de seu advogado no Nepal.

O “assassino encantador” seduziu também os cineastas; e.g., no filme “Main Aur Charles”, o “assasino gostosão”, um personagem “enigmático”, e interpretado pelo ator Randeep Hooda. Um psicopata narcisista, sentenciado por sua neuropsicologia, por sua fisiologia e natureza, seduzindo um batalhão de vítimas e seguidores - também sentenciados por sua natureza frágil e idólatra.

Incapaz de sentir remorsos, exibicionista, malandro, sedutor, astuto, excessivamente confiante em seu intelecto, e relativamente culto, transformou-se em uma celebridade cinematográfica até o encarceramento definitivo e a sentença de prisão perpétua. Midiático, alimentou a imaginação da indústria do “entretenimento”, recebendo polpudos cachês por entrevistas, além de direitos em filmes, livros e documentários.
Em 30 de julho de 2010, a Suprema Corte nepalesa confirmou o veredicto emitido pelo tribunal distrital de Katmandu: a sentença de prisão perpétua pelo assassinato da cidadã americana Connie Jo Bronzich. O tribunal também ordenou o arresto de todas as suas propriedades.

Sua sogra, Shakuntala Thapa, e sua “esposa”, Nihita, filha de seu advogado, expressaram “revolta” com o veredicto, alegando que o direito de defesa havia sido “negado” a Sobhraj, e acusando o judiciário de “corrupto”. Ano após ano, crimes do passado continuam sendo creditados à ficha de Charles.

Richard Ramirez era um “stalker” como Christian Grey. Mais precisamente o “Night Stalker”, responsável pelo assassinato de 13 pessoas, além de 5 tentativas frustradas, 11 agressões sexuais, e 14 assaltos... Mas tudo isso não impediu que uma legião de fãs e admiradoras o adorassem como “príncipe encantado”... Apenas uma de suas devotas dedicaria 75 cartas de amor ao assassino, no período de 3 anos, até... casar-se com ele.

Os brutos também amam, certo? Não na vida real... Mas Ted Bundy não tinha nada de bruto, sendo considerado o serial killer “mais encantador da História”... Não existe uma contradição em termos neste título honorífico? Sim, e principalmente para quem violentou e mutilou ao menos 30 mulheres – em confissão.

O modus operandi de Bundy era no mínimo criativo; ele engessava o seu antebraço e se aproximava das vítimas pedindo ajuda; normalmente em áreas ermas e estacionamentos vazios. Sedutor, “encantador”, Bundy logo se via na companhia de suas vítimas indefesas... e o encanto cedia lugar ao terror. Estupro e tortura em vida, além do estupro dos cadáveres, para posterior mutilação. Um belo psicopata necrófilo! Um excelente personagem para um eventual “50 tons de vermelho”...

Paul John Knowles ficou famoso como “O Assassino Casanova”... Este homem, classificado como “maravilhosamente deslumbrante”, realmente seria um rosto apropriado para a próxima campanha da Hugo Boss, ou dirigindo um Audi R8... Talvez uma continuação do clichê “50 tons”, interpretando o filho atormentado do casal, e que passa a atormentar a vida de outras famílias...

O também narcisista John foi preso pela primeira vez aos 19 anos, por roubo. Gostou tanto da experiência que passou a frequentar a cadeia durante seis meses por ano. É acusado de haver matado 19 pessoas, mas alardeou o crime de pelo menos 35. Três delas teriam sido assassinadas a esmo na noite em que uma mulher, atendendo a pressões da família e de amigos, desistiu de casar-se com John.

O seu método de assassinato era o estrangulamento. E fico aqui pensando que a vida da jovem personagem de Ana só está começando... o Sr. Grey ainda pode lhe trazer muitas surpresas... Incesto, estupro, violência, e morte, sempre estão no cardápio de homens como Christian – na vida real...

Jeffrey Dahmer, o “Canibal de Milwaukee”, realmente “comia” suas vítimas... O “rapaz” matou, mutilou, cozinhou, temperou e comeu suas vítimas... E o sexo? Sim, ele manteve relações sexuais com os cadáveres de cerca de 17 homens e meninos. Sua última vítima em potencial descobriu o seu jogo e alertou a polícia, que o prendeu em flagrante delito. Na cadeia, Jeffrey não cativou tanto assim os “meninos”, sendo espancado até a morte, dois anos após sua detenção, por um companheiro de prisão.

Mas também existem belas mulheres, “charmosas” e assassinas; como romena de origem búlgara Vera Renczi... Vera afirmava que gostava de homens mais velhos, mesmo quando ainda era uma menina de 15 anos... Ela foi acusada de pelo menos 38 assassinatos; começando com o “marido”, que ela envenenou com arsênico, alegando que ele a havia traído e abandonado, e tendo forjado correspondências para justificar o fato.

Quando se casou, Vera tinha 20 anos, e o alvo seria o banqueiro austríaco Karl Schick, muito mais velho que ela. Uma tarde, durante um ataque de ciúmes, Renczi envenenou o vinho do marido com arsênio e começou a dizer à família, amigos e vizinhos que ele a havia abandonado, a ela e ao seu filho Lorenzo. Depois de um ano de luto, informou a todos que o marido fugitivo havia falecido em um acidente de carro. E a estória colou...

Ela, rica, não se casaria mais; e passaria os anos seguintes em uma série de casos amorosos com homens casados, solteiros, e de todos os extratos sociais. Todos os relacionamentos terminavam em poucos meses, semanas, ou alguns dias após a torrente romântica. E, sempre, os “infiéis a haviam deixado”.

Finalmente, em uma tarde qualquer, uma das esposas de um de seus amantes o seguiu até a mansão de Renczi; mas este homem jamais voltaria para casa... A polícia foi chamada, descobrindo na adega de Renczi 32 caixões prontos para o enterro, e contendo cadáveres masculinos em diversos estados de decomposição.

O filho Lorenzo morreu por azar... Inadvertidamente, durante uma visita à mãe, ele desceu para pegar um “vinho”, e então passou a chantageá-la. Encontrou o seu destino em um cálice “batizado” pela “mãe”... Em sua versão melodramática e manipuladora, alegou que “abraçou-o enquanto morria, para que ela fosse a última pessoa que o abraçasse” – “por ciúme”.

Foi condenada por 35 assassinatos e sentenciada à prisão perpétua... Mas na visão “psicanalítica”, Vera só estava “à procura do amor”; apontando para a “perda”, a “traição”, e blá, blá, blá... Mas vamos aos fatos: Vera se casa com um ricaço bem mais velho e o mata. Infidelidade era o menor de seus problemas, casando-se com um homem bem mais velho... e riquíssimo. Depois sai com homens casados, e que ela bem sabe serem casados, e fala em “traição”? Finalmente mata o filho que a chantageava. Mas, psicopata de carteirinha e manipuladora de primeira grandeza, trata de conduzir a trama para o mesmo amargo fim: o ciúme doentio e passional. Só que existem 32 caixões para provar que tal monstruosidade requer vetores bem mais poderosos... Estamos falando em severos transtornos mentais; e que não podem ser tomados como mera consequência comportamental, fruto da experiência, frustrações etc... Não, tal comportamento é tão malévolo, precedido por tanta frieza, sem remorsos, arrependimentos, sem humanidade... Estratagemas que só podem ser engendrados por uma mente fisiologicamente doente.

Não podemos permitir que salas decoradas em estilo vienense abriguem conversações inócuas, e quase sempre prejudiciais, enquanto transtornos severos deixam de ser medicados. Essa é uma questão de saúde pública. Estou denunciando a prática da Psicologia no Brasil, e mais diretamente a prática da Psicanálise. Para lidar com a mente humana é necessário conhecer a mente humana segundo o corpus de conhecimento consagrado no Terceiro Milênio. A visão hidráulica e mágica da prática psicológica no Brasil não leva qualquer vantagem sobre o papo no bar, a visita à cartomante, ou a leitura do horóscopo... Mas deixa você mais pobre, e com mais problemas – desta vez, de ordem financeira...

Vera tem um sem número de seguidoras e admiradoras na Internet...

O líder de seita, e chefe da “família Manson” - uma espécie de comuna-hippie californiana -, matou 9 pessoas durante um período de cinco semanas; entre elas a atriz Sharon Tate - que estava grávida. Quando o líder “carismático” foi para a prisão, seus seguidores e fãs entraram em desespero... No ôba-ôba da contracultura, Manson posa ao lado de psicóticos “charmosos” e assassinos como Che Guevara, em camisetas conclamando “paz e amor”.

Hiroshi Maeue, “O Assassino do Website Suicida”, encarna uma tendência perigosa no Japão: o “suicídio assistido”. Já que tal cultura, no passado, fomentou o suicídio como maneira “honrada” de morrer, muitos ainda recorrem ao ofício na tentativa de solucionar distúrbios de depressão. Um exemplo claro de um comportamento cultural, um costume, que pode encontrar a mente certa – ou errada -, resultando em tragédia.

Este cenário macabro abriu espaço para sites onde suicidas em potencial, em uma cultura que enaltece o suicídio, encontrem outros suicidas dispostos a um terror em grupo... Uma cultura repressiva, machista, e que oferece o suicídio como saída honrosa em caso de “vergonha”, é um cenário perigoso para as Disforias de Gênero, e Transtornos Sexuais. Ao mesmo tempo oferece o igualmente perigoso caminho da fantasia, como no estranhíssimo “Cosplay”, onde variâncias de gênero e transtornos psíquicos são maquiados e escondidos por trás de uma doentia fuga da realidade... em grupo...

Estou afirmando que, no caso japonês, e um caso único no planeta, a variedade de gênero em relação ao comportamento não é encarada publicamente, ficando travestida de muitas formas, por trás da aparência singela de uma cultura pop alienada. Quero dizer aqui que a diversidade de gênero deve ser tratada de forma natural, humana... o direito inalienável às liberdades individuais, o direito ao afeto...  Mas assumir-se implica exatamente em despir-se de medos... fantasias e alegorias, para olhar-se frente a frente... e sem auto-caricaturas.

Hiroshi sofre de Transtorno Sexual Parafílico, do tipo Fetichismo Transvéstico (DSM-V); que resulta, no seu caso, em um desejo compulsivo de vestir-se como mulher. É o desejo de vestir-se de acordo com o gênero oposto, dentro de uma ótica bi-gênero, ou seja, masculino e feminino. Hoje sabemos que existe o gênero anatômico, o gênero social, e o gênero neuropsicológico - muito mais amplo, complexo, diverso, variado...   

Na realidade o Fetichismo Transvéstico pode denotar uma dificuldade em flexibilizar o comportamento diante de uma armadura social de gênero. Um homem que gostaria de ser mulher, mas não pode enfrentar o seu mundo desta forma. E mais, um homem que não percebe a variedade de alternativas entre ser homem ou mulher, ou não pode aderir às variantes de gênero por conta das mesmas muralhas que restringem e demarcam os papéis sociais.

Não existe, no cérebro, ser homem ou mulher, apenas... Existe uma variância entre os extremos aceitados como masculino e feminino. Poderíamos considerar o extremo masculino como caracterizado pelo territorialismo, dominância, violência; enquanto o pólo feminino tende a apagar estes traços... Mas são apenas vetores da personalidade, embora poderosos.

No caso de Hiroshi, usar peças de roupas do sexo oposto como “fetiche” servia ao propósito de alcançar a excitação sexual. Isso não significa que Hiroshi queira ser penetrado – não necessariamente. Caracterizamos como um transtorno quando esta prática gera desconforto para quem pratica, afetando suas relações sociais, trabalho, relacionamentos.

Mas Hiroshi tinha ainda outros fetiches, e macabros... como “assistir a um rosto em agonia”. Assim, ele atraiu suas vítimas com a promessa de morrerem juntos; mas ele as matou, e as viu morrer em agonia... Um asseverado sadismo, a partir do desespero de suas vítimas; deprimidas sim, mas não dispostas ao masoquismo. Não havia acordo algum, mas o cheiro inefável da morte!

Robert Ben Rhoades não era bonitão... Ele apenas oferecia carona para as suas vítimas, e depois as levava para a sua câmara de tortura; sim, ele tinha uma câmara de tortura, igualzinha a de Christian Grey... igualzinha ao “Red Room Of Pain” - ou “Quarto Vermelho da Dor”; onde Robert estupraria, torturaria, e mataria as suas vítimas.

Dennis Nilsen, ou “O Assassino Gentil”, não era lá essas coisas; mais um assassino necrófilo, com transtornos diversos, e Disforia de Gênero... Um Transtorno Parafílico é uma perversão ou tara que causa sofrimento ou prejuízo ao indivíduo que a pratica; e cuja satisfação implica em dano ou risco de dano pessoal a outros. No caso da Parafilia de tipo Necrofilia, o dano é irreversível!

Mas, em matéria de sadismo, Elliot Roger é um “clássico”; e uma inspiração direta para Christian. Com apenas 22 anos, Elliot encontrava dificuldade em dormir, e então pensou: “acho que vou matar algumas pessoas por aí”... Elliot era o molde perfeito para Christian Grey: rico, filho de um diretor de cinema, bonito, e frustrado sexualmente. Em um vídeo gravado antes da matança, Elliot expõe essa frustração:

Eu tenho 22 anos e ainda sou virgem. Eu nunca beijei uma garota. Eu estive na faculdade por dois anos e meio, e talvez mais do que isso, na verdade, e ainda sou virgem. Tem sido muito torturante. A faculdade é a época em que todos experimentam aquelas coisas tais como sexo e divertimento e prazer. Dentro desses anos, eu tive que apodrecer na solidão. Não é justo. Vocês nunca se sentiram atraídas por mim. Eu não sei por que vocês, meninas, não são atraídas por mim, mas vou puni-las por isso. É uma injustiça, um crime, [...] Eu não sei o que você não vê em mim. Eu sou o cara perfeito e ainda assim vocês se jogam pra esses homens desagradáveis ​​em vez de mim, o cavalheiro supremo.

Esqueçam as imbecilidades freudianas sobre repressão, recalques, a vontade de transar com a mãe, matar o pai etc... Elliot tem severos transtornos mentais de ordem fisiológica, e precisa sim de fármacos...

Mas ele se considerava um “cavalheiro masoquista”, como Christian Grey. O único problema era que ele não havia encontrado uma vítima capaz de tamanha submissão, frieza e insensibilidade... Ele não havia encontrado a sua Anastasia... Então ele simplesmente matava as descontentes. E era tão impávido em seu masoquismo, que ele esperou por horas até que uma menina saísse de um Domino’s pizza, para então entabular um papo que seria culminado por uma “foda gloriosa” – no melhor estilo Sr. Grey:

Eu não faço amor, eu fodo ... duro.

E de quem seria esta fala? De Elliot ou de Christian?

Só podemos deduzir, pelas tortuosas e superficiais linhas da Sra. James, que o tal Christian é um camarada desprovido de qualquer sentido de empatia; o que dirá de AMOR? Ele não sente absolutamente nada exceto por seu pênis latejante e dolorido, e uma suposta carnalidade “alfa dominante”; ao que adicionaria megalomania, psicose, tirania, egocentrismo, egoísmo, machismo misógino, narcisismo, e infantilidade... Ele é basicamente um “fodedor” completamente vazio, e que chupa o dedinho abraçado ao ursinho.

Não sei se adoro os seus pés ou espanco a merda de vida que existe em você.

Grey ou Roger? E esse cara, esse mesmo cara, será o par perfeito no final...

Eu me deito na nossa toalha de piquenique tartan e olho para o céu azul claro de verão, vejo o campo emoldurado por flores do campo e grandes ervas verdes. O calor do sol de tarde de verão aquece a minha pele, meus ossos e minha barriga, e eu relaxo, meu corpo dançando a Jell-O. É tão confortável. Claro que não... isso é maravilhoso. Eu saboreio o momento, um momento de paz, um momento de contentamento puro e absoluto. Eu deveria me sentir culpada por sentir esta alegria, estar completa, mas eu não me sinto. A vida aqui e agora é boa, e eu aprendi a apreciar e viver o momento como o meu marido. Eu sorrio e me contorço e minha mente voa para a memória deliciosa de ontem à noite em nossa casa no Escala...

E esta novela mexicana de baixo orçamento retorna aos porões BDSM:

Os fios do chicote ardendo em toda a minha barriga inchada e dolorida, num ritmo lânguido.

Nada disso corresponde à realidade em termos de personalidade humana... Nenhum homem capaz de atrocidades que o assemelham a um serial killer seria capaz de converter-se em “um amor de pessoa”... Não existem Christians Greys por aí... mas muitas mulheres que acreditam nesta farsa podem encontrar o seu Elliot Roger... ou... Alexander Boettcher...
O cara, Alexander Boettcher, investia pesado na aparência, adepto contumaz da malhação, muita grana fácil no bolso, e um ego de dar inveja a qualquer dos narcisistas supracitados... E, como eles, um adepto da dominação sexual, e total... Mais um paciente com Transtorno Parafílico, sem direito a sursis... Qualquer semelhança com o personagem Christian Grey, e com o casal Grey, não é mera coincidência. Reflitam comigo...

O italiano exibido de 30 anos se casou com a bela modelo croata Gorana Bulog. Como todo bom narcisista, exibicionista, “dominador”, Alexander era um canastrão mentiroso, e obcecado pela conquista de mais e mais atenção, fãs, e amantes... Foi quando Alexander conheceu a submissa Martina Levato em um bar; uma frágil estudante de 20 anos. A atração foi devastadora – para ela. A partir daí, Martina se tornaria escrava de Alexander – exatamente como Anastasia Steele.

Mas, na realidade, os Alexanders e Christians, não são convertidos por suas vítimas... e jamais! O controle de Alexander sobre Martina era tal que ele chegou a marcar no rosto dela as iniciais de seu nome com um bisturi; e como prova da “eterna devoção” – dela, a ele.

Na cama, ele a obrigava – assim como às suas demais amantes - a tratá-lo por “rei” – quase G-rey. Mas, assim como o próprio, assim como o Sr. Grey, Alexander também possuía em sua mansão um quarto “Vermelho”, com os seus “inofensivos” apetrechos sadomasoquistas - que a cultura pop tristemente batizou de BDSM.

A relação entre Alexander e Martina também envolvia ménages sexuais, sempre definidas pelo playboy - que ganhava dinheiro no mercado financeiro. As parceiras do casal também se submetiam a todos os caprichos de Alexander. Uma dessas mulheres disse, segundo o Daily Mail, que precisava pedir “autorização” do “mestre” para tocá-lo... Mas todas essas frágeis e oportunistas vagabundas eram regiamente remuneradas.

Finalmente, Alexander ordenou que Martina se encontrasse com os seus ex-amantes,  para então jogar ácido em seus rostos. O objetivo, segundo o “mestre”, era “purificá-la”. Uma das vítimas foi Pietro Barbini, ex-namorado de Martina quando os dois ainda eram adolescentes. O rosto de Pietro foi deformado por ácido clorídrico, e ele precisou reconstruir as pálpebras e o nariz em várias cirurgias. Pietro ainda tentou convencer Martina a abandonar Alexander, mas acabou subindo para o topo da lista de “purificação”, conforme o desejo de seu “amo e senhor”. Outros homens foram vítimas da “escrava” de Alexander, apenas por um descompromissado beijo na boca.

A dupla foi presa e condenada a 14 anos de prisão. Ainda segundo o Daily Mail, o “casal” não apresentava qualquer sinal de remorso; o que claramente caracteriza aos dois como psicóticos, dominante e dominada. O juiz encarregado do caso alegou que o “casal” pode ser considerado “mais perigoso do que qualquer mafioso ou terrorista”. Alexander disse em juízo que sua “escrava” agia por conta própria, tentando livrar a própria pele; e ainda teve a cretinice de dizer que só estava sendo alvo da Justiça por ser rico.

O cinema, além das páginas policiais, também já retratou o “erotismo” e a parafilia em outras oportunidades; e.g., no filme “Shame” (“Vergonha”), onde o protagonista “Brandon” arrisca a própria vida, assim como a vida de seus convivas, em uma entrega baseada no sofrimento; realizando livre e doentiamente suas “fantasias” – id est,  transtornos -, enquanto obedece irrefreavelmente a seus impulsos sexuais.

Aspectos como: (1) o tempo excessivo gasto em tais práticas, a exemplo do Sr. Grey -, o que é inteiramente contraproducente com a vida de alguém que trabalha e mantém relações sociais; (2) além do modo como reage à ansiedade, depressão, tédio, irritabilidade, e situações mais ou menos estressantes em sua vida; (3) assim como a insistência na vã tentativa de livra-se de tais impulsos, a sensação de culpa, e a dificuldade em contê-los; (4) e o fato de não estar sob efeito de psicotrópicos, medicamentos, drogas diversas, álcool etc.; servem para classificá-lo, sem demora, e segundo o DSM-V, como portador de um Transtorno Parafílico. Um transtorno sim, e não um “estilo”, como um mero praticante de golfe, filatelia, ou do modismo comercial cunhado por BDSM! Os Grey, Sr. e Sra., precisam de tratamento... urgente! Mas isso, só se o casal existisse na “realidade”...

Carlos Sherman

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.